Agência UEL de Notícias
    Londrina, Domingo, 05 de Julho de 2020 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
05/09/2019  

Novas terapias na Estomatologia substituem medicamentos

Rodrigo Dourado*

"O laser surgiu há mais de 100 anos, mas ainda existe muita resistência na área médica e estomatológica. Quem não acredita é quem não usa, porque quando passa a agregar na rotina profissional, passa a ver os benefícios", diz Karla Fontes

Karla Bianca Fernandes da Costa Fontes é professora da Universidade Federal Fluminense (UFF) nas disciplinas de Estomatologia, Estomatopatologia e Patologia Oral, coordenadora da disciplina de Estomatologia do Curso de graduação em Odontologia e possui Mestrado e Doutorado em Patologia Bucodental e habilitação em Laserterapia. A professora esteve na UEL no mês de junho para uma palestra sobre laserterapia, terapia fotodinâmica e ozonioterapia, durante o IV Encontro de Estomatologia e Patologia Oral do Interior do Paraná.

A professora estuda e aplica novas terapias no Instituto de Saúde de Nova Friburgo (ISNF) da UFF. O laser é utilizado como substituto ou complementar às terapias tradicionais, e suas finalidades podem ser analgesia, anti-inflamatória e de biomodulação, para cicatrizar tecidos. O laser pode ser vermelho ou infravermelho, a depender do objetivo. A energia da radiação, em joules, também é variável de acordo com a necessidade.

A radiação atua nas células, produz mais ATP (energia) e causam ações até então não desenvolvidas pela célula. É uma radiação, mas não causa mutação. Tem apenas efeitos benéficos. A gente mexe com mitocôndria, lisossomos e outras estruturas da célula que recebem essa radiação e vão melhorar o metabolismo celular. A célula fica mais funcional, estimula fibroblastos, que trabalham na síntese do colágeno. Inibe a produção de sinalizadores da inflamação, diminuindo a inflamação dos tecidos, afirma a professora.

A pesquisa de Karla sobre as terapias alternativas começou em 2009, quando sentiu dores e uma amiga propôs aplicar o laser. Até então, Karla desacreditava do método, e após sentir alivio imediato, ainda imaginou se tratar de um efeito placebo, mas no dia seguinte sentiu dores novamente e o uso do laser causou mais uma vez o alívio. A partir disso, procurou saber sobre as novas terapias. Participou dos cursos Manifestações Orais e Laserterapia em pacientes oncológicos na Universidade de São Paulo, em 2010, Técnicas Ópticas Aplicadas à Odontologia, na UFF, em 2011, e em 2019 se habilitou em Ozoniotearapia pela Faculdade do Centro Oeste Paulista (FACOP).

Dez anos após superar sua resistência às terapias, Karla lamenta a desconfiança da eficácia dos métodos alternativos, ainda muito presente entre os profissionais de saúde. O laser surgiu há mais de 100 anos, mas ainda existe muita resistência na área médica e estomatológica. Quem não acredita é quem não usa, porque quando passa a agregar na rotina profissional, passa a ver os benefícios. Na maioria dos casos o resultado é imediato, diz.                       
      
O laser é utilizado como substituto ou complementar às terapias tradicionais, e suas finalidades podem ser analgesia, antiinflamatória e de biomodulação, para cicatrizar tecidos.
      

Na prática, o uso do laser depende da doença de base. Na UFF é muito usado no tratamento e prevenção de mucosite, com a aplicação do laser no preparo para transplante de medula. Em casos de boca seca e hipossalivação, o laser é capaz de estimular a produção de saliva e evita impactos na alimentação do paciente. Em casos de analgesia, o alivio é imediato porque o procedimento leva o organismo a liberar betaendorfina. A terapia também é utilizada para tratamento da síndrome da ardência bucal, úlceras traumáticas e aftas.

O equipamento de laser custa em média R$ 4.000, o que é muito pouco diante dos benefícios, segundo Karla. Para um consultório é um investimento baixo e pode ser usado para muito além da Estomatologia, sendo benéfico para a Odontologia em geral. Para o paciente também é econômico, porque muitas vezes é uma alternativa aos medicamentos. Em caso de pacientes com baixo poder aquisitivo, o laser se torna uma ferramenta importante na eficácia de um tratamento. Além disso, como não há efeitos colaterais, apresenta um impacto muito menor na rotina do paciente. Mesmo com o baixo preço, o laser não está presente em instituições de ensino públicas ou em atendimentos do Sistema Único de Saúde. No caso da UFF, o equipamento foi adquirido através de projetos de pesquisas.

Outra terapia alternativa utilizada por Karla é a fotodinâmica, não necessariamente com laser. Nesse caso se utiliza o medicamento fotossensibilizador, irradiado com laser ou com outra fonte de luz. Esse método é importante contra infecções ou para terapias antineoplásicas, inibidoras de crescimento e disseminação de tumores a partir da destruição de neoplasmas e células malignas. A professora também salienta o uso da ILIB (Intravascular Laser Irradiation of Blood). Esse método surgiu em 1970 na Rússia e consiste em irradiação transtérmica do sangue por alguns pontos, como a artéria radial e a carótida, pela pele ou pela mucosa. O sangue irradiado é utilizado pelo corpo. Esse método é utilizado principalmente em casos de fibromialgia e diabetes.

A combinação de métodos é fundamental para entender a necessidade de cada caso, segundo Karla, que conta um: "Eu comecei a fazer terapia fotodinâmica numa paciente que tinha candidíase, fiz seis sessões e não funcionou. Entrei com o óleo ozonizado e em um mês foi tratado. A ozonioterapia, que usa ozônio para interromper processos não saudáveis do corpo, era ilegal no Brasil até 2015, quando foi regulamentada para o uso odontológico, mas permaneceu não permitido para a Medicina geral", relata.

* Estagiário de Jornalismo na COM

Esta matéria foi publicada no Jornal Notícia nº 1.398. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  15h15 Gráfica atende setores da saúde com produção e impressão de material gráfico
  14h49 Equipe do Sistema de Bibliotecas começa empréstimo de livros via agendamento
  13h53 03/07/20 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  10h56 UEL divulga convocação extraordinária do Vestibular e nova seleção para vagas remanescentes
  09h36 Seti prorroga inscrições do 33º Prêmio de Ciência e Tecnologia
  09h23 Professor e estudante da UEL têm acesso a pacotes Google e Microsoft
  16h42 Chamada da Rede Unesco apoia ações para erradicação do racismo no ensino superior
  13h51 02/07/20 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  16h08 Abertas as inscrições para curso online de direito eleitoral
  10h13 Programa de pós-graduação tem roda de conversa sobre invisibilidade lésbica
  09h44 Simpósio debate os temas gênero, sexualidade e educação
  17h10 Fundação Araucária promove live sobre o Programa Centelha
  13h40 01/07/20 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  16h02 UEL mantém suspensão de atividades presenciais até o próximo dia 2 de agosto
  16h26 Abertos trabalhos do Programa de Residência Técnica em gestão pública
  16h25 Artigo científico destaca importância da higiene bucal em pacientes de UTI
  10h37 UEL lança portal em inglês para estudantes e professores estrangeiros
  18h37 CCE arrecada alimentos e agasalhos nesta quarta-feira (1º) via drive-thru
  17h08 Cops divulga lista da 2ª convocação das vagas remanescentes
  13h52 30/06/20 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  16h23 Programa de Formação Complementar em Ciências Criminais realiza série de painéis temáticos
  16h02 Núcleo de Agroecologia repassa mais de 100 quilos de alimentos a famílias
  11h42 Sistema de Bibliotecas oferece serviços e auxilia em atividades não presenciais
  20h04 UEL e SETI garantem ferramenta para acesso virtual a 5 mil estudantes
  16h17 Sai nesta terça-feira (30) 2ª chamada das vagas remanescentes
  10h12 Gedal promove Asteroid Day nesta terça-feira (30), às 20 horas
  13h40 29/06/20 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  10h36 2º Ciclo de palestras da Engenharia Civil aborda temas inovadores
D
DESTAQUES ::.

Gênero cômico faz parte do ensino de Artes Cênicas

Compostos são alternativas para tratar a Leishmanios

Síndrome associada à Doença de Chagas tem alto índic

Projeto auxilia crianças a superar dificuldades moto
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br