Agência UEL de Notícias
    Londrina, Sábado, 17 de Agosto de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
07/08/2019  

Especialista fala de riscos globais e segurança transnacional

José de Arimathéia

Especialista irlandês fala de riscos globais e segurança transnacional, provida pela iniciativa privada, a fim de chegar onde o Estado não alcança

Relações internacionais existem há séculos, mas o desenvolvimento das tecnologias de comunicação, transportes, e do comércio, trouxe novas preocupações aos atores destas mesmas relações. Para mantê-las e desenvolvê-las, é necessário um mínimo de segurança em todos os sentidos: política, econômica, social, ambiental, entre outras.

Como os Estados não são capazes de garantir a segurança de seus cidadãos em outros países, a iniciativa privada pode preencher esta lacuna, através de consultorias especializadas que avaliam as condições locais e regionais e orientam empresas interessadas em realizar negócios lá.

Este trabalho faz parte da chamada Governança na Segurança, tema do Simpósio realizado de 12 a 14 de junho na UEL, promovido pelo Laboratório de Estudos sobre Governança (LEGS), um grupo de pesquisa vinculado ao Departamento de Ciências Sociais e Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade.

O professor Conor O'Reilly, da Universidade de Leeds (Inglaterra), conferencista de abertura, tem ampla experiência no estudo e acompanhamento da governança da segurança, riscos globais e policiamento transnacional, aquele realizado não pelos Estados, mas pela iniciativa privada em favor de empresas multinacionais. O'Reilly trabalhou em outras universidades europeias, como Durham e Oxford (também na Inglaterra) e no Porto (Portugal), e já disseminou conhecimento por mais de 10 países, incluindo o Brasil, onde já esteve outras vezes.

A História da governança na segurança e da polícia transnacional remonta a séculos atrás, na expansão ultramarina dos países europeus e na colonização de outros continentes. O professor explica que os países colonizados, particularmente na África, conheceram três fases no sistema de policiamento. A primeira foi colonial, fornecido por forças do Império. Na segunda, no final do período colonial e independência dos países (anos 60 e 70 do século XX), o policiamento foi usado contra os movimentos de independência. Na terceira, pós-colonial, o policiamento se voltou para a segurança e defesa dos recursos do país.

Como passou três anos em Portugal, o professor O'Reilly conheceu a fundo as questões de segurança e policiamento transnacional de países lusófonos. Tanto que organizou e lançou um livro sobre o tema. "Havia muito escrito sobre o colonialismo inglês, mas pouco sobre Portugal, que foi também um grande império. Faltavam estudos sobre o período de descolonização e democratização", relata. Ele conta que algumas ex-colônias portuguesas, como Cabo Verde, receberam ajuda de países como Cuba e União Soviética, interessados na expansão do Comunismo. Depois, receberam ajuda de países europeus até chegar a um modelo metropolitano, parecido com o de Portugal. Só então surgiu lá a segurança corporativa (empresarial). No Brasil foi diferente, porque a independência veio um século e meio antes dos países africanos, e ele mesmo foi um Império por seis décadas.

Nos moldes atuais, o policiamento transnacional tenta garantir a segurança de quaisquer pessoas que vão exercer algum trabalho em outros países. Não se trata apenas de prever e evitar possíveis cibercrimes, atentados terroristas e sequestros, mas ter ciência de eventuais pandemias, instabilidade econômica, desastres naturais, limitações logísticas ou legais, entre outros pontos. Naturalmente, o Estado de origem do trabalhador ou investidor não pode fornecer esta segurança, e desta lacuna se abriu um nicho de mercado para consultorias, que cresceu tanto que já se tornou uma "indústria".

Para se ter uma ideia, o professor exemplifica com o México, onde são registrados perto de 100 mil sequestros por ano. "E estes números não são reais, pois ocorre uma grande subnotificação", esclarece. "Quando empresas decidem investir, a informação é essencial para que os investidores conheçam os pontos críticos do país, desde o clima até o transporte", explica.

O trabalho das consultorias especializadas não têm o condão de provocar nenhuma influência sobre o país onde as empresas que as contrataram pretendem investir. Os consultores apenas avaliam e apresentam o contexto local e seu grau de estabilidade aos potenciais investidores e eles tomam as decisões. A influência é limitada: o objetivo é proteger o cliente.

Porém, segundo o professor, o trabalho das consultorias pode causar um aumento na desigualdade de segurança, porque as empresas mais ricas têm condições de investir, enquanto quem não pode pagar fica dependendo apenas do Estado, sabidamente limitado.


rodapé da notícia

  20h26 Mobilização garante crédito de R$ 8,4 milhões para pagamento de residentes
  16h27 Simpósio de Assistência Integral ao Idoso dias 12 e 13 de setembro
  16h24 Simpósio de História Militar de 27 a 30 de agosto
  15h54 CEFE recebe 5ª edição do Torneio da Federação de Atletismo do Paraná
  15h26 Fórum de Curadores debate novo olhar sobre edição 2020 do FILO
  13h05 Pró-reitor em exercício comenta prejuízos à UEL de novo corte do CNPq
  11h05 Pesquisadores da UEL e Iapar avaliam transformações da cultura cafeeira brasileira
  11h01 UEL deve perder 476 bolsas de pesquisadores do CNPq
  10h09 Sessão solene reúne 105 formandos do curso de Pedagogia
  09h01 Filo: Jovens das Artes Cênicas revisitam clássicos de Samuel Beckett
  16h43 Pró-reitoria de Recursos Humanos divulga curso sobre comunicação
  16h13 Reunião discute pagamentos de residentes das Universidades do PR
  15h47 UEL integra projeto nacional que busca antecipar riscos à saúde
  11h35 Simpósio conta com minicursos sobre Filosofia Antiga e Medieval
  10h38 Abertas inscrições de curso intensivo sobre Odontologia para Bebês
  10h05 Formandos de três cursos de graduação colam grau, no Vicente Rijo
  17h58 Professor Appoloni abre 80º Ciclo de Seminários sobre Física Nuclear
  16h08 Série 'Quem Estamos Formando?' - Ciência da Computação
  16h02 População recebe orientações sobre economia doméstica e consumo consciente
  11h10 Feirinha da Cidadania traz opções de produtos alimentícios e artesanatos
  10h16 Pesquisadores recrutam pessoas com hipersensibilidade nos dentes
  09h14 Cia. Do Tilojo abre Festival Internacional de Londrina, no Teatro Ouro Verde
  08h54 Primeiro Ano entra em cartaz no Cine Com-Tour/UEL
  08h54 Dap: Exposição Arte Londrina 7/Precipitações
  17h39 UEL forma mais de 170 profissionais em dois dias de colação de grau
  17h53 Inscrições para 4º Robolon terminam nesta quarta-feira (14)
  18h32 Projeto posiciona a Língua Inglesa como estratégia de internacionalização
  15h48 Simpósio de Assistência Integral ao Idoso está com inscrições abertas
  14h45 Curso de Arquitetura e Urbanismo da UEL inova em projeto pedagógico
  11h30 Mostra reforça importância e função dos insetos no meio ambiente
  11h38 Veja publicações recentes sobre proposta da Lei Geral das Universidades
  08h53 Simpósio debate Psicanálise e Prática Multidisciplinar na Saúde
  08h44 Alunos e professores levam orientação financeira à população
  17h51 SETI encaminha nova versão da Lei Geral das Universidades
  09h13 Pró-reitorias e Sebec recebem 131 bolsistas de inclusão social
  15h57 Projeto Estação Londrina promove lançamento de livro
  15h21 Série 'Quem estamos formando?' - Biotecnologia
  11h44 Obra resgata história e dramaturgia de Bodas de Café, do grupo Proteu
  11h14 Edital da Capes fomenta projetos conjuntos entre Brasil e Japão
  15h45 Teatro Ouro Verde é palco da abertura oficial do FILO 2019, dia 15
  09h41 Livro traz resultados de parceria entre UEL e Instituto Estadual de Educação
D
DESTAQUES ::.

Especialista fala de riscos globais e segurança tran

Pesquisa aponta evasão populacional em 150 distritos

Especialistas debatem gestão de resíduos sólidos no

Especialistas da UEL desatam os nós da Reforma da Pr
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br