Agência UEL de Notícias
    Londrina, Quinta-Feira, 18 de Julho de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
26/06/2019  

Pesquisa conclui maior vulnerabilidade das aves do Paraná

Rodrigo Dourado*

"Todas as espécies têm funções ecológicas, elas são importantes na polinização das plantas", explica o professor Luiz dos Anjos

Luiz dos Anjos é professor do Departamento de Biologia Animal e Vegetal e está à frente do Laboratório de Ornitologia e Bioacústica no Centro de Ciências Biológicas (CCB). Doutor em Zootecnia, Anjos é o único ornitólogo da UEL. No laboratório, orienta pesquisas e trabalhos de pós-graduação. Muitos de seus orientandos foram convidados para programas de Doutorado em outros países e desenvolvem pesquisas a partir dos trabalhos realizados na UEL. Para estudos mais completos, o laboratório mantém uma rede de colaboração com outros laboratórios, desde os mais próximos como de São Paulo, quanto os mais distantes, como do Pará e Bahia.

Recentemente uma de suas pesquisas teve destaque na revista Nature. Em parceria com pesquisadores ingleses e de diferentes regiões do Brasil, o trabalho contemplou 378 espécies, em 211 locais, numa extensão de 2.000 km, e analisou a sensibilidade de espécies de aves como resultado do desmatamento. Os outros pesquisadores envolvidos são da UEFS (Universidade Estadual de Feira de Santana/Bahia), Imperial College London, SAVE Brasil (Sociedade para a Conservação das Aves do Brasil) e IPE/Nazaré Paulista (Instituto de Pesquisas Ecológicas).

A pesquisa concluiu a existência de maior vulnerabilidade de espécies que vivem mais distantes do centro de distribuição, onde as condições são mais favoráveis à sobrevida. Espécies que vivem em zonas de distribuição necessitam de apenas 20% da cobertura de florestal inicial, em média, frente a 50% de cobertura necessária para aves que vivem nas bordas das zonas de distribuição, e as causas são diversas. Luiz dos Anjos explica: "Para cada espécie, a alimentação muda. Na borda de distribuição geográfica dessa espécie há menos insetos que são presas. Assim, as aves têm condições físicas menos favoráveis e têm que circular mais em busca de alimentos, então se expõem mais aos predadores. Em decorrência disso ainda, põem menos ovos. A conclusão: na borda de distribuição há menor densidade das espécies, o que reduz a possibilidade de colonização dos fragmentos restantes de floresta em caso de desmatamento".

Como a pesquisa ocorreu em todo o Brasil, é possível comparar a preservação das diferentes espécies entre as regiões. Mesmo sendo um dos estados com maior número de reservas, as aves do Paraná são algumas das mais prejudicadas. Isso ocorre porque o estado está na borda de distribuição de muitas espécies. O Nordeste apresentou cenário contrário: é uma região mais desmatada, mas coincidentemente as áreas preservadas fazem parte do centro de distribuição de grande parte das espécies.                       
      
Em parceria com pesquisadores ingleses e de diferentes regiões do Brasil, o trabalho contemplou 378 espécies, em 211 locais, numa extensão de 2.000 km
      

A idéia de fazer essa análise surgiu de alguns trabalhos já feitos pela Mata Atlântica, mas de forma isolada. "A partir de encontros e análises de outros estudos, começamos a perceber que algumas espécies, sensíveis aqui não eram sensíveis na Bahia, por exemplo. Mas por quê? Começamos então a investigar. Os ingleses tiveram a ideia de pegar todas as espécies que pudéssemos e medir a sensibilidade delas, para ver se havia um padrão. Cada professor avaliou sua região, a minha pesquisa começou nos anos 90", afirma o professor da UEL.

O processo de campo em Ornitologia é tradicional, com base na visão e na audição. Os pesquisadores usam binóculos, gravadores e microfones, e se baseiam em guias de campo que descrevem as características de cada espécie. Em muitos casos, as espécies se parecem muito com as outras, então é necessário experiência e atenção. "O aluno aprende a identificar as cores. Ele pode fotografar e gravar o som, então a partir dessas duas informações ele faz a identificação. Mas em algumas espécies a identificação é muito difícil em família com características muito parecidas. Nesses casos é preciso ser um pesquisador experiente", conta o professor.

Os resultados apontam a necessidade de maior preservação das espécies, para que suas funções na Natureza não sejam ameaçadas. Anjos exemplifica: "Todas as espécies têm funções ecológicas. As aves são importantes na polinização das plantas. Muitas vezes as aves ingerem sementes e propagam espécies de frutos por diversas áreas. Além disso, alimentam se de insetos e controlam a população. Muitas pragas de agricultura poderiam ser controladas com a preservação das aves. Até mesmo para os humanos, a presença das aves nos espaços gera relaxamento devido ao som que produzem".

No Paraná, o professor cita o parque da Mata do Godoy como área de preservação. O parque abriga mais de 320 espécies, quase metade de todas as espécies do estado. Lá são encontrados o Inhambu, o Macuco e a Jandaia, em extinção na região, mas em abundância no Mata do Godoy. Apesar do desaparecimento de espécies na zona rural da região do norte do Paraná, Anjos comenta um fenômeno de Londrina: "Com o Lago Igapó, muitas aves entraram na zona urbana".

Atualmente os planos do professor para o laboratório são de pesquisa das florestas de araucárias. As árvores da espécie são abundantes na região, mas sua mata não é preservada. Em regiões mais ao sul, há uma população muito maior de araucárias e áreas de florestas da espécie.

*Estagiário de Jornalismo na COM

Esta matéria foi publicada no Jornal Notícia nº 1.396. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  10h02 Água de Moringa é atração do Festival Internacional de Música
  17h02 Servidores da UEL retomam atividades administrativas nesta quinta-feira (18)
  16h18 Museu de Ciência e Tecnologia/UEL reserva espaço para a ciência "show" e interativa
  15h55 CNPq lança chamada de bolsas no país e exterior para apoiar pesquisas
  15h54 Pesquisa aponta evasão populacional em 150 distritos do Paraná
  17h51 Programas de IC e Iniciação Tecnológica somam 475 bolsas
  16h08 Professores do curso de Odontologia lançam livro sobre saúde bucal no PR
  15h37 Curso incentiva diálogo sobre educação sexual na educação básica
  15h35 Festival de Dança de Londrina abre inscrições para espetáculos
  14h28 Seis trabalhos da UEL são ganhadores do 4º Prêmio Inova Saúde Paraná
  14h54 Espetáculo Morte Vida e Severina volta aos palcos do Cine Teatro Ouro Verde
  14h17 Aberto prazo para pedidos de isenção da taxa do Vestibular via análise socioeconômica
  09h41 Especialização Deep Learning, Big Data e IoT está com inscrições abertas
  09h06 Semana de Farmacologia tem programação voltada para alunos e profissionais
  17h38 OSUEL comemora 35 anos com concerto no FIML, sábado (13), no Ouro Verde
  16h14 Planetário de Londrina divulga calendário especial de férias escolares
  15h21 Inscrições da especialização em Direito de Família e Sucessões terminam dia 17
  14h47 Último dia de renovação de matrícula para 11 cursos de graduação
  14h32 Concurso Falling Walls Lab abre inscrições para jovens inovadores
  14h45 Abertas inscrições do Prêmio Péter Murányi
D
DESTAQUES ::.

Especialistas da UEL desatam os nós da Reforma da Pr

Pesquisa conclui maior vulnerabilidade das aves do P

Pesquisa compara sistemas de cultivo do tomate

Jornal Notícia - 1.396
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br