Agência UEL de Notícias
    Londrina, Sábado, 20 de Abril de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
20/03/2019  

Pesquisa desenvolve gel antibacteriano

Bia Botelho

Projeto de Mestrado aprofunda estudos anteriores e combina de forma inédita óleo de orégano e prata para criar gel bactericida, já patenteado

Larissa Ciappina de Camargo e os professores Renata Kobayashi e Gerson Nakazato: o gel é uma alternativa para combater superbactérias, presentes no ambiente hospitalar

Óleo essencial de orégano e nanopartículas de prata aplicados em gel mostraram excelente atividade antibacteriana, auxiliando no combate, inclusive, de bactérias consideradas multirresistentes, e de outros microrganismos. A combinação dos três compostos é inédita e rendeu ao Laboratório de Microbiologia, do Centro de Ciências Biológicas, o depósito de pedido da sua 15ª patente no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) no início de fevereiro. A formulação é uma alternativa para evitar infecção em feridas e queimaduras e tem potencial para ser aplicada tanto em humanos quanto em animais.

A pesquisa é realizada pela mestranda Larissa Ciappina de Camargo, no Programa de Pós-graduação em Microbiologia, com orientação da professora Renata Kobayashi (Departamento de Microbiologia). Ela está no primeiro ano do Mestrado e as pesquisas com os compostos tiveram início há cinco, quando a estudante estava na Iniciação Científica (IC).

Essa pesquisa com gel é continuidade de outro estudo realizado anos antes pela estudante Sara Scandorieiro, durante o Mestrado no mesmo Programa. Na ocasião, foi descoberto que a combinação entre óleo de orégano e nanopartícula de prata era de grande potencial antibacteriano, o que rendeu o registro de patente em 2014. Larissa participou da pesquisa como estudante de IC e no Mestrado identificou um componente ao qual essa combinação pudesse ser aplicada, desenvolvendo então o gel com propriedades antimicrobianas.

A pesquisadora explica que a prata já é utilizada como bactericida e, dentre os metais, é a que melhor apresenta atividade antimicrobiana, além de ter potencial de cicatrização. O orégano, da mesma forma, é muito potente no combate à ação de bactérias. Utilizados em conjunto, os componentes atuam sinergicamente, potencializando sua ação, em que menores quantidades possuem a mesma eficiência. Um dos pontos fortes, segundo Renata, é que a combinação desses dois compostos torna mais difícil a seleção de bactérias multirresistentes. Outro ponto é a aplicação tópica, ou seja, na pele, sendo forma mais segura do que a via oral ou intravenosa, por exemplo.

O gel não foi descoberto logo no início da pesquisa. Primeiro, foram realizados testes com loção oleosa, depois tentativa com pomada e creme, mas sem sucesso nos resultados. A indicação de utilização de um gel veio do Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Universitário da UEL (HU). Em visita ao local, profissionais disseram que precisavam de um produto mais aquoso, como um gel, que fosse mais fácil de aplicar e também de retirar, para fazer a higienização das feridas nos pacientes queimados. Após testes e misturas, a combinação deu certo e a aplicação em roedores comprovou que o produto criado trazia bons resultados.

O produto pode atuar na prevenção e profilaxia para infecção em queimaduras. "Essa combinação é uma alternativa para combater essas superbactérias, presentes no ambiente hospitalar. Antes da pessoa desenvolver a infecção, aplica-se o produto para evitar que tenha infecção por aquela porta de entrada", afirma Larissa.

Os pesquisadores veem grande potencial no produto desenvolvido, porque hoje no mercado o que há é a sulfadiazina de prata, produto que deve ser evitado por quem tem alergia à substância, pode causar argiria, pela qual o paciente fica com a pele azulada devido ao acúmulo de prata no organismo, além de mais facilmente selecionar bactérias resistentes à prata. "O gel vem como um substituto para o que se tem atualmente", afirma a orientadora.

Nessa combinação, por exemplo, a nanopartícula utiliza quatro vezes menos prata - o que diminui a toxidade do produto. Segundo Gerson Nakazato, professor responsável pelo Laboratório de Microbiologia e que realiza estudos em nanotecnologia, pela quantidade inferior de prata, a pesquisa mostrou que o gel não gera acúmulo de prata na corrente sanguínea, fígado, rim, cérebro e testículo dos animais tratados.

APRENDIZADO

Larissa é formada em Biomedicina na UEL e, para a Pós-graduação, precisou aprender teorias das Ciências Farmacêuticas, Ciências Fisiológicas, Histologia e Patologia. "Quando se faz o projeto pedacinho por pedacinho aprende-se muito no final. Para mim foi muito válido. Conseguimos reunir várias disciplinas num projeto, o que abriu portas para outros projetos do laboratório", afirma a estudante.

Para a orientadora, é possível ver a evolução da aluna nesses anos, com a Iniciação Cientifica, o Trabalho de Conclusão de Curso e agora no Mestrado, para conseguir patentear a pesquisa. Ela destaca a proatividade de Larissa: "Isso é fundamental na pesquisa. É muito gratificante para nós um aluno no Mestrado ter uma patente e três artigos em potencial". Com essa pesquisa, o objetivo é produzir os seguintes artigos: um sobre a metodologia utilizada para avaliar a atividade antimicrobiana de produtos; outro, sobre a atividade da nanopartícula, e outro ainda sobre a atividade do óleo de orégano.

A qualificação e defesa da dissertação devem ser feitas em agosto desse ano. Pesquisadora e orientadora pensam na realização de ensaios clínicos em pacientes com feridas, como escaras e úlceras de pressão, mas antes há a necessidade da aprovação pelo Comitê de Ética Humana da UEL.

PATENTE

O pedido de patente foi depositado como "Formulação semissólida contendo nanopartículas de prata e óleo essencial de orégano", no nome dos seguintes pesquisadores: Audrey Alesandra Stinghen Garcia Lonni, Érica Pelegrin Figueiredo, Gerson Nakazato, Larissa Ciappina de Camargo, Marcelly Chue Gonçalves, Renata Katsuko Takayama Kobayashi, Sara Scandorieiro e Nelson Eduardo Duran Caballero.

A pesquisa foi desenvolvida em co-autoria com a Universidade de Campinas, parceira da UEL desde 2013, com o início das pesquisas em nanotecnologia no Laboratório de Microbiologia. Segundo Gerson Nakazato, tudo isso foi possível pela parceria com o professor Nelson Duran, da Unicamp, que trouxe essa tecnologia e compartilhou ensinamentos de como utilizá-la.

Os pesquisadores contam que são cerca de 10 anos até a patente ser concedida. O depósito da patente é feito por meio da Agência de Inovação tecnológica (AINTEC) e, a partir desse momento, qualquer empresa pode comprá-la. Ela é propriedade da Universidade e retorna em forma de royalties à UEL e parceiros. Segundo eles, o grande desafio e também dificuldade agora é tornar a patente um produto comercializado no mercado.

Esta matéria foi publicada no Jornal Notícia nº 1.390. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  17h51 UEL retoma atividades na próxima segunda-feira
  14h46 Museu Histórico terá mostra Múltiplo Leminski durante o feriado
  14h41 Sua conexão é segura?
  10h47 Duo Jacarandá se apresenta no CECA, no próxima quarta
  10h25 Professor da USP faz palestra sobre tecnologia e construção civil
  10h42 Abertas inscrições para prêmio de C&T do Paraná
  14h13 Idioma Sem Fronteiras oferece novas oportunidades
  14h47 Cine Com Tour/UEL exibe romance argentino
  15h17 Quem vê casa, vê coração
  15h39 As religiões estão na pauta
  16h24 Pós-graduação em Sociologia promove palestra sobre Nova Vigilância
  10h47 Projeto mistura reflexão filosófica com música instrumental
  15h55 Feirinha da Cidadania será nesta quinta, no Calçadão
  16h47 EDUEL oferece descontos para compras esta semana
  11h19 Convênio amplia projeto Atletismo Londrina
  20h43 UEL sedia torneio mundial de aviõezinhos de papel
  16h24 Curso de extensão aborda liderança e excelência profissional
  11h11 NEAD comemora 10 anos de atividades no próximo dia 25
  10h42 Curso debate Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação
  10h10 Primeira turma de História realiza encontro em Londrina
  11h14 UEL demonstra potencial acadêmico na Expolondrina
  15h27 OSUEL apresenta Concerto de Páscoa
  13h16 UEL faz balanço positivo da participação na ExpoLondrina
  11h07 Abertas inscrições para Encontro Paranaense de Astronomia
  11h22 Prorh oferece curso de Humanização no atendimento
  11h12 Pró-reitores discutem melhorias para a graduação
  10h32 Especialização realiza encontro de Neurociências, em junho
  11h18 Aberto edital para contratação de professores
  16h56 Convênio entre UEL e Rede Municipal possibilita acesso gratuito a e-books da Eduel
  15h22 SETI e pesquisadores debatem conteúdo da nova Lei de Inovação
  11h26 Combate à dengue é tema de unidade na Via Rural
  09h59 Pesquisa reconhece produção científica da UEL
  09h35 Espetáculo de palhaço é atração na Casa de Cultura
D
DESTAQUES ::.

Sua conexão é segura?

Quem vê casa, vê coração

As religiões estão na pauta

Jornal Notícia - 1392
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br