Agência UEL de Notícias
    Londrina, Domingo, 24 de Março de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
20/02/2019  

Projeto monitora casos de micose endêmica

José de Arimathéia

Os testes realizados no projeto demoram normalmente dois dias, e consistem em detectar o DNA do fungo pela análise dos anticorpos, e depois detecção de DNA

Equipe multiprofissional realiza exames diagnósticos e acompanha casos, tratados no HU/EAHU, de micose causada por fungos presentes no solo

A Paracoccidiodomicose (PCM) é uma micose causada pelos fungos Paracoccidiodes brasiliensis e pela nova espécie Paracoccidiodes Lutzii. O nome deste homenageia o médico e cientista carioca Adolpho Lutz (1855-1940), que descobriu o fungo em 1908. Lutz é considerado o pai da Medicina Tropical e da Zoologia Médica no Brasil, tendo sido pioneiro em Epidemiologia e na pesquisa de doenças infecciosas.

Estes fungos são encontrados em toda a América Latina. O fungo entra no organismo pelo contato e manuseio do solo e costuma afetar os pulmões, quando inalado. A maioria dos casos de PCM é da forma crônica ou adulta (74 a 96%), com preponderância de homens entre 30 e 60 anos. A outra forma rara (5 a 25%), e grave, a forma aguda e juvenil, ocorre em crianças e jovens de ambos os sexos até os 30 anos.

O grande problema está no diagnóstico adequado desta micose. É o que explica a professora Eiko Nakagawa Itano (Departamento de Ciências Patológicas), coordenadora do projeto de extensão "Diagnóstico laboratorial e monitoramento de tratamento da Paracoccidiodomicose na região norte, oeste e centro-sul do Paraná". A sintomatologia da micose é ampla, ou seja, fácil de confundir com outra doença, por exemplo em sua forma pulmonar. "O fungo nunca é logo cogitado. É uma das últimas possibilidades a serem investigadas", diz a professora.

De fato, os sintomas físicos mais conhecidos desta micose nos pulmões são tosse e falta de ar, o que a torna muito parecida com pneumonia, tuberculose ou neoplasia (tumor). Outro agravante é que, depois de contraído o fungo, a doença pode demorar décadas para manifestar. Ou nunca. "Soube de um caso na Itália em que a doença se manifestou 60 anos depois", conta a professora. Como se pode afirmar que o fungo não existe na Itália, foi possível saber quando ocorreu o contato com ele. Por isso, o perfil do doente são pessoas acima de 30 anos de idade, predominantemente do sexo masculino. O (hormônio) estrogênio da mulher a protege, por isso os casos no sexo feminino são maiores em mulheres já na menopausa. Da mesma forma, pessoas imunodeprimidas podem manifestar a doença mais cedo e mais forte.

Até aqui o cachorro se revela um grande amigo do homem, pois o animal pode contrair o fungo e acusar a presença deste na área, à semelhança do que ocorre com os macacos e a febre amarela. Ou seja, cachorros são "sentinelas" da doença, mas - frise-se bem - não a transmitem aos humanos.

Assim, toda vez que o Hospital Universitário ou o Ambulatório de Especialidades do HU, que fica próximo do Laboratório de Imunologia Aplicada (onde funciona o projeto), suspeitam de que um paciente esteja com a PCM, o projeto realiza exames laboratoriais específicos de detecção da doença. As coletas são feitas sempre nas últimas quintas-feiras de cada mês, tanto para casos novos (suspeitos) quanto acompanhamento de casos já diagnosticados. Em janeiro deste ano, apareceram dois casos novos (confirmados), mas é atípico, segundo a coordenadora do projeto. É o aspecto extensionista mais forte do projeto.

De acordo com a professora Eiko Nakagawa Itano (Departamento de Ciências Patológicas), é preciso ter exames melhores, cada vez mais detalhados e mais precisos

Os testes realizados no projeto demoram normalmente dois dias, e consistem em detectar o DNA do fungo pela análise dos anticorpos, e depois detecção de DNA. Por outro lado, há um forte acento de pesquisa. A equipe do projeto, composta por professores e estudantes pesquisadores de várias áreas, realiza exames para checagem do nível de anticorpos, utilizando duas metodologias e, diante de casos mais complicados, faz exames de PCR (para diagnosticar infecções) e dos níveis de antígenos (substância que provoca a formação de anticorpos). "Estamos estudando as diferenças entre os agentes da doença. Há pouca pesquisa neste sentido", comenta a professora Eiko. Como exemplo do avanço das pesquisas, ela fala de registros do P. Lutzii onde nunca havia sido encontrado, através da detecção dos anticorpos específicos. E cita uma pesquisa de Doutorado que estudou quatro casos de doença por este fungo detectados em Guarapuava, em pessoas que nunca saíram na cidade.

DESAFIOS

Além dos sintomas serem iguais aos de outras doenças pulmonares mais comuns, o diagnóstico tardio é, segundo Eiko Itano, um dos principais desafios do combate à doença. Pode levar meses: "O paciente faz uma maratona até chegar ao diagnóstico correto", desabafa a professora.

O tratamento, normalmente medicamentoso, demora de seis meses a três anos e, quanto mais demorar para chegar ao diagnóstico correto, mais longo ele será. Além disso, a micose pode se espalhar para qualquer órgão do corpo, comprometendo o funcionamento de todos eles, e levar a sequelas graves, permanentes, incapacitação para o trabalho, e morte. De fato, é a micose que causa maior número de óbitos e não raro está associada à AIDS.

Porém, pelo fato de que a micose acomete, principalmente, pacientes humildes, poucas empresas investem pesado em kits diagnósticos. Por consequência, também não há, na opinião da professora Eiko, políticas públicas adequadas. Um exemplo: como não se trata de uma doença objeto de vigilância epidemiológica nacional, sua notificação não é compulsória. Resultado: expressiva subnotificação, ou seja, deve haver muito mais casos do que os registrados.

Até os testes precisam melhorar. De acordo com a professora, é preciso ter exames melhores, cada vez mais detalhados e mais precisos. Na verdade, raros são os laboratórios clínicos especializados nos exames mais adequados. Segundo a professora, o Laboratório Central do Estado do Paraná (LACEN) envia para a Fundação Oswaldo Cruz. O resultado é reagente ou não apenas.

Esta matéria foi publicada no Jornal Notícia nº 1.389. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  17h55 Museu Histórico apresenta Mostra audiovisual Múltiplo Leminski
  17h11 Science Hour promove debates científicos em bares de Londrina
  15h36 Segundo dia de colação de grau reúne formandos de dois Centros de Estudos
  15h02 Sistema de fluorescência em Raios X tem patente registrada junto ao INPI
  16h19 Seminário de Inovação debate aproximação entre UEL e setor produtivo
  11h53 Eleição escolhe representantes docentes no Conselho Universitário
  15h20 Colóquio conta com minicursos de professores da Universidade de Coimbra
  09h08 Professor da UEL coordena Seminário sobre piscicultura na Expolondrina 2019
  12h16 Formandos do CESA colam grau em festa no Moringão
  15h32 Dia de Combate ao Racismo reúne comunidade e representantes de movimentos
  13h21 Pacto pela Eliminação do Racismo na UEL marca evento no Campus
  11h44 Simpósio de Atualização em Ciências Agronômicas 2019
  11h12 7ª Semana de Comunicação da UEL em abril
  10h54 Laboratório apóia desenvolvimento de pesquisas ligadas ao setor agropecuário
  10h50 Divisão de Artes Plásticas abre primeira exposição do Arte Londrina
  09h46 Aluno participa em São Paulo de evento ligado à empresa de telefonia
  09h08 Núcleo de Educação a Distância tem curso sobre masculinidades
  17h19 Patente da UEL propõe kit de casa popular mais econômica e sustentável
  16h51 Ingressantes de Medicina incentivam doação de sangue junto à população
  09h48 A Prece entra em cartaz no Cine Com-Tour/UEL
  16h38 Alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo vencem prêmio Movelpar 2019
  14h59 NEAB E CUIA realizam Dia do Combate ao Racismo nesta quinta (21)
  15h02 Projeto amplifica vozes populares
  15h07 Estudo inédito preserva sementes de bromélias
  14h47 Estatística para psicólogos
  13h29 Projeto de Extensão 'UEL, A Casa da Tolerância' entrega dossiê
  15h12 Um café gelado, por favor!
  10h53 Departamento promove Oficina de Horticultura
  15h06 Pesquisa desenvolve gel antibacteriano
  10h32 UEL reforça combate ao racismo e discriminação com ações acadêmicas, dia 21
  09h39 Tecnologia e desenvolvimento sustentável são temas do SIMBBTEC 2019
  11h11 Semana destaca a comunicação na era da desinformação
  08h26 Ações do NEAB fortalecem debate sobre discriminação racial
  08h42 Administração recebe integrantes do projeto Casa da Tolerância
  15h33 Inscrições para professores atuarem nos EUA terminam segunda-feira (25)
  15h15 8ª convocação do Vestibular 2019 sai nesta quarta-feira (20)
  10h55 Inscrições: Programa Sinapse da Inovação Paraná
  10h50 Seminário Paranaense Nietzsche Contra Wagner
  10h31 UEL forma mais de 1.500 profissionais em três dias consecutivos de colação
  10h51 Departamento de Agronomia organiza 1ª Oficina de Horticultura
  15h13 Exposição retrata beleza das mulheres negras de coletivos
  09h37 Seminário discute cenário de inovação em Londrina e região
  09h00 Começa Semana Integrada dos programas de Pós-graduação em Letras
  17h48 UEL é aplicadora do Exame Celpe-Bras para estrangeiros
  16h45 Congresso de Política Social e Serviço Social recebe submissão de trabalhos
  10h22 Abertas até sexta-feira (22) as inscrições do Programa Paraná Fala Inglês
  09h38 Curso Especial Pré-Vestibular seleciona instrutor bolsista
  09h19 Escritório de Aplicação e Assuntos Jurídicos abre triagem de novos casos
D
DESTAQUES ::.

Projeto amplifica vozes populares

Estudo inédito preserva sementes de bromélias

Estatística para psicólogos

Um café gelado, por favor!
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br