Agência UEL de Notícias
    Londrina, Segunda-Feira, 22 de Julho de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
20/02/2019  

Alimentação saudável e segura

José de Arimathéia

Parte da equipe do projeto num dos laboratórios do Centro de Ciências Biológicas onde desenvolvem suas atividades

Projeto de Extensão oferece cursos de segurança alimentar a merendeiras de escolas públicas de 12 municípios da região e valoriza profissão

Quem estudou em escola pública provavelmente tem uma relação afetiva com a merenda escolar, e principalmente com quem a preparava: as merendeiras. Estas dedicadas profissionais estão no imaginário e têm sido ainda mais valorizadas no projeto de extensão "Segurança alimentar: promoção da alimentação saudável na escola", coordenado pela professora Renata Katsuko Takayama Kobayashi (Departamento de Microbiologia).

Sucessor de projetos anteriores já encerrados ("Iniciação à Microbiologia para o ensino médio" e "Reconhecendo a Microbiologia no nosso dia a dia"), que atuaram por seis anos em escolas estaduais, inclusive com recursos do Ministério da Educação e Fundação Araucária, este atual oferece cursos de segurança alimentar a merendeiras de 12 municípios da região de Londrina, incluindo escolas indígenas.

As merendeiras vêm até a Universidade e a formação é dada nos Laboratórios do Departamento de Microbiologia. Cada turma tem 20 alunos e, na UEL, elas fazem um curso de 10 horas. São 2 dias de conteúdos teóricos e práticos com muita dinâmica e exercícios totalmente associados às atividades do dia a dia, como o manuseio de alimentos. O segundo dia é mais dedicado à Microbiologia dos alimentos, e as participantes conhecem as principais bactérias que podem ser encontradas neles ou nos ambientes de trabalho.

Logo no primeiro dia, a equipe do projeto demonstra a importância da lavagem das mãos por meio da pesquisa da microbiota (microorganismos) das mãos não lavadas, lavadas apenas com sabão neutro e após a utilização do álcool 70%. Em outro experimento, a equipe apresenta três bactérias conhecidas às alunas - duas encontradas nos seres humanos e um bacilo (capaz de produzir esporos) presente em cereais. Aí demonstram a resistência delas ao processo de fervura, especialmente a terceira, que sobrevive a até mais que 15 minutos na fervura. Também é feita uma coleta de material das alunas e do ambiente, como da sola de sapato, embaixo das unhas, cabelos, óculos, alianças, nariz e boca (onde mais crescem bactérias).

No segundo dia, elas veem as colônias bacterianas crescidas nos meios de cultura e as bactérias coradas para visualização com auxílio do microscópio óptico e normalmente se surpreendem. Ficam conhecendo agentes patogênicnos (que causam doenças), como a salmonela, fungos produtores de toxinas e o Campylobacter sp, um conhecido patógeno presente na carne de frango. Os patógenos são muitos e podem provocar desde uma diarreia leve até a Síndrome de Guillain-Barré (que leva à paralisia), dependendo do agente e de um conjunto de fatores. O curso fecha com informações importantes sobre as propriedades nutricionais dos alimentos, com orientações da professora Clísia Carreira, colaboradora do projeto.

O projeto já ofereceu nove cursos, atendendo quase 200 merendeiras e mais um deve ocorrer até março, quando o projeto encerra. O projeto também oferece cursos de 40 horas para alunos do curso Técnico em Nutrição e Dietética e Técnico em Alimentos, do Colégio Polivalente.

Alunos de Mestrado e Doutorado (dos Programas de Pós-graduação em Microbiologia e Tecnologia de Alimentos) ministram os cursos.Os de graduação (Biologia, Biomedicina, Veterinária e Farmácia) preparam material e monitoram os cursos. No total são 31 alunos, dos quais 23 da pós-graduação.

Além dos alunos e professores das áreas biológicas, agrárias e de Saúde, o projeto conta com alunos dos cursos de Design Gráfico (Amanda M. Tokano) e de Artes Visuais (André H. Kikumoto). Eles foram responsáveis pela criação do logo e da página do Facebook, e ficaram responsáveis também pela edição das imagens e postagens. O projeto está preparando uma cartilha dirigida às merendeiras com conteúdos para serem eventualmente consultados e fixados, e um folder sobre segurança de alimentos.

AVALIAÇÃO

Para os professores e alunos do projeto, participar dele é muito gratificante e enriquecedor. Para a aluna Bruna Carolina Gonçalves, de Biomedicina, a ênfase dos cursos em docência ajuda na formação. "Ministrar curso a um público diferente, não universitário, é difícil. Temos que mudar a linguagem mas manter a qualidade", comenta. Para Natália Belebecha Terezo, também de Biomedicina, o projeto traz vários aprendizados, e reconhece que aprendeu muito com os alunos de pós-graduação. E completa: "É incrível levar os conhecimentos para fora da UEL". Ao mesmo tempo, o curso oferecido pelo projeto dá voz às merendeiras, que encontram um espaço no qual podem falar de suas dificuldades, desafios e experiências do dia a dia. Está aí a via de mão dupla dos saberes.

O professor Gerson Nakazato (Departamento de Microbiologia), também participante do projeto, avalia positivamente o projeto, que enriquece a formação dos alunos e traz grande satisfação aos participantes. Tanto ele quanto a professora Renata desenvolvem projetos de pesquisa paralelos às ações extensionistas. Ela lembra ainda que os maiores restaurantes do Brasil (em quantidade de alimentos servidos) estão nas escolas, o que demonstra a importância da segurança alimentar nestes ambientes.

Quem também avalia muito positivamente o projeto é Ingrid Lioto, do Núcleo Regional de Educação de Londrina, órgão responsável pelas escolas estaduais. Para ela, os resultados dos cursos foram excelentes. "Pena que foi pouco tempo", afirma. A prática foi, para ela, o ponto alto da formação, destacando a oportunidade de aprender, os conhecimentos de higiene e o contato com equipamentos (microscópio, lâminas e outros), o que para muitas foi novidade. "As merendeiras e auxiliares gostaram muito e adquiriram um conhecimento que levam para a vida toda. Eu espero que esta parceria continue", finaliza.

Esta matéria foi publicada no Jornal Notícia nº 1.389. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  12h56 Pronto-Socorro da Clínica Odontológica suspende atendimento noturno
  11h18 Grupo de Percussão da UFP faz apresentação no Teatro Ouro Verde
  09h46 Abertas inscrições para aluno especial em duas especializações
  08h46 Colóquio discute os temas organização e informação do conhecimento
  18h46 Administração da UEL toma medidas para manter Carga Horária de Professores Temporários
  17h05 Pronto Socorro Odontológico suspende atendimento emergencial noturno
  15h29 Ouro Verde recebe programação diversificada do Festival Internacional de Música
  14h27 Projeto desenvolve raciocínio lógico com uso de jogos de tabuleiros
  09h59 Exame de Desempenho dos Estudantes avalia 13 cursos de graduação da Universidade
  16h15 Cinco estudantes da UEL integram o Parlamento Universitário 2019
  15h59 Programa oferta bolsas de intercâmbio para 19 instituições de seis países
  14h28 Equipamentos médicos no valor de R$ 700 mil são furtados do HU
  11h41 Abertas inscrições para aluno especial em 61 programas de mestrado e doutorado
  10h55 Inscrições para isenção ou desconto da taxa do Vestibular via NIS/CadÚNICO terminam sexta (19)
  11h12 Água de Moringa é atração do Festival Internacional de Música
  17h02 Servidores da UEL retomam atividades administrativas nesta quinta-feira (18)
  16h18 Museu de Ciência e Tecnologia/UEL reserva espaço para a ciência "show" e interativa
  15h55 CNPq lança chamada de bolsas no país e exterior para apoiar pesquisas
  11h14 Pesquisa aponta evasão populacional em 150 distritos do Paraná
  17h51 Programas de IC e Iniciação Tecnológica somam 475 bolsas
  16h08 Professores do curso de Odontologia lançam livro sobre saúde bucal no PR
  15h37 Curso incentiva diálogo sobre educação sexual na educação básica
  15h35 Festival de Dança de Londrina abre inscrições para espetáculos
D
DESTAQUES ::.

Especialistas da UEL desatam os nós da Reforma da Pr

Pesquisa conclui maior vulnerabilidade das aves do P

Pesquisa compara sistemas de cultivo do tomate

Jornal Notícia - 1.396
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br