Agência UEL de Notícias
    Londrina, Domingo, 21 de Julho de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
12/12/2018  

Programa estimula aproximação entre cursos

Larissa Piauí

Ricardo Ralisch: o estudante selecionado é preparado com um bom volume de informações sobre a realidade brasileira, a estrutura do curso na Universidade e o fazer da agricultura no país, e lá ele vê onde pode explorar isso.

Pela primeira vez, Londrina sedia fórum que discute experiências de intercâmbios de alunos de graduação do Brasil e França

A UEL participa desde 2003 do Programa Brasil França Agricultura (Brafagri), no intercâmbio de alunos. Trata-se de uma parceria universitária entre os dois países para promoção do intercâmbio de estudantes de graduação, nas áreas de Ciências Agronômicas, Agroalimentares e Veterinária, concedendo bolsas de estudos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e apoio financeiro para operar o projeto de desenvolvimento parcial da graduação no exterior.

Entre 21 e 23 de novembro, Londrina sediou pela primeira vez o Fórum do Programa Brasil França Agricultura (Brafagri), em sua nova edição, financiado pela CAPES. Voltado para a discussão de experiências e resultados do Programa, o evento realizou sessões de debates sobre tecnologia e empreendedorismo, políticas do Brasil e França para uma Agricultura Sustentável, sustentabilidade em sistemas agropecuários e visitas técnicas em diferentes locais de Londrina. O representante da Embaixada da França no Brasil, Olivier Giron, discursou durante a abertura do Fórum.

O Brafagri tem como objetivo fomentar o intercâmbio entre Brasil e França pra estimular a aproximação das estruturas curriculares, inclusive a equivalência e o reconhecimento mútuo de créditos obtidos nas instituições participantes. O ex-coordenador do programa, professor Ricardo Ralisch (Departamento de Agronomia), explica que a intenção é contribuir para a formação acadêmica, científica, linguística e cultural dos estudantes. Também objetiva fomentar o potencial para a promoção de ações conjuntas com as Universidades estrangeiras nas áreas das Ciências Agrárias e fortalecer o desenvolvimento do ensino superior, para garantir excelência acadêmica e promover a internacionalização das universidades paranaenses.

São 25 escolas brasileiras e 23 francesas participantes do Brafagri. Cada projeto tem um tema como foco principal, é aprovado pela CAPES e tem duração de 2 anos, prorrogáveis por mais dois: "No decorrer dos anos, a UEL já enviou mais de 70 alunos para intercâmbio. No entanto, depois de 2015, houve grande redução do número de programas com concessão de bolsas destinadas para intercâmbio e que começou a ser retomado a partir deste ano", explica Ralisch.

Na UEL, o programa está atualmente sob coordenação do professor Valter Harry Bumbieris Júnior (Departamento de Zootecnia), com a participação dos professores Pedro Neves e Ricardo Ralisch, ambos do Departamento de Agronomia, e a professora Ana Paula Bracarense (Departamento de Medicina Veterinária Preventiva). Já na França, a entidade responsável pelo programa é a Direction Générale de l'Enseignement et de la Recherche du Ministère de l'Agriculture et de la Pêche (DGER), envolvendo a Escola Nacional Superior de Agronomia de Toulouse (ENSAT), Estabelecimento Nacional de Ensino Superior Agronômico de Dijon (ENESAD) e SupAgro de Montepellier.

O professor Ralisch explica que o estudante selecionado é preparado com um bom volume de informações sobre a realidade brasileira na educação, a estrutura do curso na Universidade e o fazer da agricultura no país, e lá ele vê onde pode explorar isso. "Assim, é possível realizar o compartilhamento de conhecimento entre as atividades daqui e as que são feitas lá. Essa mesma dinâmica é aplicada aqui, pois os alunos franceses que vêm mostram para os demais como é o sistema lá", ressalta.

POLÍTICAS DE ENSINO

São perceptíveis, conforme Ralisch, as diferenças nas políticas implementadas no ensino superior. "No Brasil nós temos uma estrutura curricular muito rígida. Tudo é feito de modo sequencial e em série, sistema que na França é muito mais flexível. Lá o aluno escolhe a estrutura de currículo que deseja estudar dentro do curso, e assim quando o professor chega para lecionar, estão presentes os alunos realmente interessados naquela atividade e que, por motivo de afinidade e compatibilidade, escolheram aquela disciplina. No entanto, aqui no Brasil a rigidez de currículo é amenizada com a flexibilidade comportamental, sempre buscando a solução dos problemas por meio do diálogo, porque o acesso ao professor aqui é mais fácil", explica o professor.

Ele destaca outra diferença: "Aqui, com o tempo, o aspecto biológico foi ganhando mais campo, e a Engenharia acabou perdendo espaço. Na França continua essencialmente Engenharia, no qual o aluno de Agronomia passa pelo ciclo básico de dois anos de estudos com todas as outras engenharias e depois deste período vai para a área especifica do curso. Com essa diferença, os alunos franceses só percebem que a Agronomia é muito mais ampla com parte social, econômica e de agronegócio, quando chegam no Brasil. Porque, aqui a formação é de maior amplitude, de uma forma mais uníssona", explica.

Também é diferente a visão de produção científica: "Existe uma forma de fazer Ciência pela Ciência e o fazer Ciência pela demanda. Na França a academia constrói a Ciência de maneira mais separada do setor produtivo, não levando em consideração as demandas mais urgentes. No Brasil, as universidades levam muito em conta as necessidades do setor produtivo, com um histórico de trabalharem em conjunto", conta Ralisch.

SELEÇÃO DOS INTERCAMBISTAS

Os alunos interessados em participarem do Brafagri enfrentam um processo criterioso de seleção. O candidato precisa ter cumprido no mínimo 40% e no máximo 80% do currículo do curso, até a data de início da bolsa de estudos; apresentar nota igual ou superior a 600 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), realizados a partir do ano de 2009. No entanto, é proibida a seleção de bolsista que já tenha recebido outra bolsa de estudos no exterior.

Além disso, conforme afirma Ralisch, o retorno ao Brasil deve ocorrer com pelo menos um semestre letivo de antecedência para a conclusão da graduação e assim possibilitar a maior troca de informações e aprendizados adquiridos no período de intercâmbio. Também é necessário comprovar nível mínimo de proficiência em língua francesa - B1 com certificado por testes reconhecidos internacionalmente: DELF ou DALF.

O aluno brasileiro selecionado para a graduação sanduíche, que terá duração de no mínimo quatro meses e no máximo de dez meses, é beneficiado com bolsa concedida pela CAPES, que inclui: auxílio instalação, seguro saúde, adicional localidade (em casos que a cidade é considerada de alto custo, como Paris), auxílio deslocamento e auxílio material didático.


rodapé da notícia

  18h46 Administração da UEL toma medidas para manter Carga Horária de Professores Temporários
  17h05 Pronto Socorro Odontológico suspende atendimento emergencial noturno
  15h29 Ouro Verde recebe programação diversificada do Festival Internacional de Música
  14h27 Projeto desenvolve raciocínio lógico com uso de jogos de tabuleiros
  09h59 Exame de Desempenho dos Estudantes avalia 13 cursos de graduação da Universidade
  16h15 Cinco estudantes da UEL integram o Parlamento Universitário 2019
  15h59 Programa oferta bolsas de intercâmbio para 19 instituições de seis países
  14h28 Equipamentos médicos no valor de R$ 700 mil são furtados do HU
  11h41 Abertas inscrições para aluno especial em 61 programas de mestrado e doutorado
  10h55 Inscrições para isenção ou desconto da taxa do Vestibular via NIS/CadÚNICO terminam sexta (19)
  11h12 Água de Moringa é atração do Festival Internacional de Música
  17h02 Servidores da UEL retomam atividades administrativas nesta quinta-feira (18)
  16h18 Museu de Ciência e Tecnologia/UEL reserva espaço para a ciência "show" e interativa
  15h55 CNPq lança chamada de bolsas no país e exterior para apoiar pesquisas
  11h14 Pesquisa aponta evasão populacional em 150 distritos do Paraná
  17h51 Programas de IC e Iniciação Tecnológica somam 475 bolsas
  16h08 Professores do curso de Odontologia lançam livro sobre saúde bucal no PR
  15h37 Curso incentiva diálogo sobre educação sexual na educação básica
  15h35 Festival de Dança de Londrina abre inscrições para espetáculos
  14h28 Seis trabalhos da UEL são ganhadores do 4º Prêmio Inova Saúde Paraná
  14h54 Espetáculo Morte Vida e Severina volta aos palcos do Cine Teatro Ouro Verde
  14h17 Aberto prazo para pedidos de isenção da taxa do Vestibular via análise socioeconômica
  09h41 Especialização Deep Learning, Big Data e IoT está com inscrições abertas
  09h06 Semana de Farmacologia tem programação voltada para alunos e profissionais
D
DESTAQUES ::.

Especialistas da UEL desatam os nós da Reforma da Pr

Pesquisa conclui maior vulnerabilidade das aves do P

Pesquisa compara sistemas de cultivo do tomate

Jornal Notícia - 1.396
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br