Agência UEL de Notícias
    Londrina, Quinta-Feira, 21 de Março de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
12/12/2018  

Enfrentar toda violência e promover cidadania

José de Arimathéia

Simone Moura: "O menor ato de violência ainda é violência", enfatiza a professora

Projeto de pesquisa envolve 14 instituições brasileiras, de todas as regiões, mais 4 de países diferentes, com o objetivo de investigar as formas de preconceito, discriminação e qualquer outra forma de violência nas escolas

A violência é uma antagonista da cidadania. Se olhada de perto, em todas as suas manifestações, como no ambiente escolar, ela pode ser encarada mais como consequência do que como causa de ameaça à cidadania. Isso porque a própria violência é resultado das desigualdades sociais. Ainda assim, deve ser combatida, afinal, o menor ato de violência ainda é violência, segundo a professora Simone Moreira de Moura (Departamento de Educação), e não deve ser tolerada.

Simone coordena, na UEL, um projeto de pesquisa sobre violência escolar que, recentemente, obteve recursos em edital internacional. O projeto, que decorre de um anterior, sobre educação inclusiva e violência, é também resultado de novas demandas. Nesta nova etapa, ele envolve 14 universidades brasileiras, públicas e privadas, de 10 estados diferentes, e outras estrangeiras, de Barcelona (Espanha), Braga (Portugal), Buenos Aires (Argentina) e Cidade do México.

AMBIENTE ESCOLAR

Na realidade escolar, a violência se manifesta numa diversidade de atos de agressão, dos quais os mais frequentes - e são muito freqüentes - são a discriminação, o preconceito e o bullying, decorrentes de uma hierarquia formada entre os próprios alunos. Na verdade, explica a professora, há duas hierarquias: a "oficial" é determinada pelo rendimento escolar; a "não-oficial" é estabelecida pelas habilidades corporais dos alunos: força e beleza física, complementada pela popularidade que delas derivam.

Desestruturação familiar, falta de autoridade escolar e problemas psicológicos são geralmente apontados como causa destas manifestações de violência, mas o projeto vai além, porque entende que as relações interpessoais no ambiente escolar são muito complexas e como tais devem ser abordadas.

Simone conta que as instituições envolvidas aplicam os mesmos instrumentos em suas pesquisas sobre o tema, e em várias frentes. Todas ficam no 9º ano escolar, constatam as hierarquias entre alunos e a complexidade das relações intraescolares. O que se percebe é que os alunos mais bem sucedidos em termos de rendimento escolar (no alto da hierarquia "oficial") são as maiores vítimas de bullying, justamente dos alunos mais populares e de melhor êxito em atividades físicas. O fato de a escola ser um ambiente que incita a competitividade só contribui para a indesejada "naturalização" da violência.

Nas escolas brasileiras estudadas, coordenadores pedagógicos e diretores são ouvidos e falam de sua percepção da violência e do grau de inclusão da escola. Professores de língua portuguesa, Artes e Educação Física são entrevistados. Muitos, segundo a professora, não percebem casos específicos de bullying, por exemplo, mas concordam que ele é praticado na escola.

Talvez as próprias definições de cada forma de violência interfiram. Simone explica que o preconceito, por exemplo, tem alvo determinado - negros, deficientes físicos, etc. As maiores vítimas do preconceito são os portadores de deficiência. Já o bullying revela um desejo de destruição, uma agressividade generalizada. "Há muita coisa escrita sobre o bullying", aponta a professora. Mas enfatiza: "Embora o bullying se caracterize pela repetição, basta uma vez para ser violência". Daí a tolerância zero com tais atos, independente de serem praticados individualmente ou em grupos, reiterada ou isoladamente.

OBSERVATÓRIOS

A proposta do projeto, entre outras, é combater as formas de violência investindo na formação da cidadania e, para fundamentar as estratégias de ação, criar Observatórios de Educação: violência, inclusão e direitos humanos em todas as instituições participantes. A criação dos Observatórios se justifica pela demanda e urgência de identificar, problematizar e combater a violência e superar o pensamento esterotipado em relação às minorias vítimas de preconceito nas diferentes instâncias sociais, como a escola. Nestas minorias se incluem pessoas com deficiência, imigrantes de países pobres, moradores de rua, usuários de drogas, entre outras.

Os Observatórios também formarão bancos de dados sobre violência escolar, a partir das pesquisas e de fontes oficiais, como: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), Censo Demográfico, Censo Escolar, Sistema de Informações sobre Mortalidade/Departamento de Informática do SUS (SIM/Datasus), Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp). A partir daí, serão promovidos debates e propostas de alternativas de enfrentamento e superação da violência na escola, contribuindo tanto para o desenvolvimento social, quanto do indivíduo em um movimento contrário à violência. Os debates serão levados às escolas como parte da formação dos professores e promoção de uma cultura contra a violência.

A professora lembra que, como projeto de pesquisa, a dimensão teórica tem seu papel relevante. No caso, baseia-se na Teoria Crítica da Sociedade, que articula diversas disciplinas - Sociologia, Filosofia, Psicologia, Estética, Antropologia. Este aspecto também aproxima os pesquisadores das instituições participantes que, mesmo separados pela distância geográfica, convergem nos estudos sobre o tema.

Simone explicou que os dados obtidos serão divulgados em livro, artigos científicos, cartilhas, a serem distribuídos para professores, alunos e funcionários das escolas pesquisadas. Esse material também será encaminhado às Secretarias de Educação municipais, estaduais e ao Ministério da Educação; às Secretarias de Justiça municipais e estaduais e para o Ministério da Justiça; para as Secretarias de Direitos Humanos dos municípios, dos estados e da federação. Ou seja, é um esforço para avançar nas políticas públicas e ações locais contra todas as expressões de violência escolar.

PORTUGAL

Simone esteve em Portugal entre 9 e 20 de novembro, num encontro que reuniu representantes da maioria das instituições envolvidas no projeto. Lá, discutiram as ações em três frentes. A primeira, promoção de palestras e seminários para levar os resultados das pesquisas às escolas. A segunda, definida no encontro do Porto, é a inserção da pessoa portadora de deficiência no mercado. E em Guimarães, segundo a professora da UEL, o encontro foi muito rico com a participação de escolas portuguesas.

A ideia, de acordo com Simone, é que este retorno dado às escolas funcione como formação dos professores, inclusive com progressão na carreira. "Queremos falar de educação inclusiva no sentido mais amplo possível, discutindo adaptações, metodologias diferenciadas e tudo o que ela envolve", afirma.

Em junho do ano que vem, o encontro de participantes do projeto será na Universidade de São Paulo. Mas Simone trabalha para trazê-los a Londrina.

As universidades participantes são: Universidade Federal do Pará (UFPA) - Campus Belém e Campus Castanhal; Universidade Federal do Sergipe (UFS); Universidade do Estado da Bahia (UNEB); Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS); Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL); Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP); Universidade Estadual de Londrina (UEL); Universidade Estadual de Maringá (UEM); Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS); Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Universidade Federal Fluminense (UFF); Universidade de São Paulo (USP) e duas da rede privada do ensino superior: Instituto Singularidades (IS) de São Paulo, e Faculdade Alfredo Nasser (Goiânia).

O coordenador geral do projeto é o professor José Leon Crochik (Instituto de Psicologia da USP). Na UEL a equipe é formada ainda pelas docentes Ana Cristina Amado e Marta Furlan, além de Laura Solaliendre, Mariana Maroca e Graziela de Mendonça, bolsistas de iniciação científica.


rodapé da notícia

  17h53 Patente da UEL propõe kit de casa popular mais econômica e sustentável
  16h51 Ingressantes de Medicina incentivam doação de sangue junto à população
  16h38 Alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo vencem prêmio Movelpar 2019
  14h59 NEAB E CUIA realizam Dia do Combate ao Racismo nesta quinta (21)
  15h02 Projeto amplifica vozes populares
  15h07 Estudo inédito preserva sementes de bromélias
  14h47 Estatística para psicólogos
  13h29 Projeto de Extensão 'UEL, A Casa da Tolerância' entrega dossiê
  15h12 Um café gelado, por favor!
  10h53 Departamento promove Oficina de Horticultura
  15h06 Pesquisa desenvolve gel antibacteriano
  10h32 UEL reforça combate ao racismo e discriminação com ações acadêmicas, dia 21
  09h39 Tecnologia e desenvolvimento sustentável são temas do SIMBBTEC 2019
  10h49 Semana destaca a comunicação na era da desinformação
  08h26 Ações do NEAB fortalecem debate sobre discriminação racial
  08h42 Administração recebe integrantes do projeto Casa da Tolerância
  15h33 Inscrições para professores atuarem nos EUA terminam segunda-feira (25)
  15h15 8ª convocação do Vestibular 2019 sai nesta quarta-feira (20)
  10h55 Inscrições: Programa Sinapse da Inovação Paraná
  10h50 Seminário Paranaense Nietzsche Contra Wagner
  10h31 UEL forma mais de 1.500 profissionais em três dias consecutivos de colação
  10h51 Departamento de Agronomia organiza 1ª Oficina de Horticultura
  15h13 Exposição retrata beleza das mulheres negras de coletivos
  09h37 Seminário discute cenário de inovação em Londrina e região
  09h00 Começa Semana Integrada dos programas de Pós-graduação em Letras
  17h48 UEL é aplicadora do Exame Celpe-Bras para estrangeiros
  16h45 Congresso de Política Social e Serviço Social recebe submissão de trabalhos
  10h22 Abertas até sexta-feira (22) as inscrições do Programa Paraná Fala Inglês
  09h38 Curso Especial Pré-Vestibular seleciona instrutor bolsista
  09h19 Escritório de Aplicação e Assuntos Jurídicos abre triagem de novos casos
  12h50 Universidade renova em 10% a frota de veículos posssui-foto
  18h04 Cops divulga 2ª convocação da seleção para vagas remanescentes
  17h38 Divisão de Artes Cênicas recebe espetáculos de estudantes
  16h42 7ª convocação do Vestibular 2019 sai segunda-feira (18)
  16h26 Congressos discutem Educação Física Escolar
  16h19 Campanha arrecada cinco mil fraldas para entidades de Londrina
  15h43 RU fecha posto de créditos e amplia vendas no autoatendimento e online
  14h31 Jornada destaca teorias e implicações da área de Educação da Infantil
  14h00 Filha de Leminski fala sobre exposição em homenagem ao pai
  13h24 Superintendente do HU/UEL reitera compromisso contra corrupção
  11h53 Museu Histórico abre Exposição sobre vida e obra do paranaense Paulo Leminski
  11h20 Professora da UERJ ministra aula inaugural do mestrado em Psicologia
  10h34 Laboratório oferta oficina de Escrita Criativa. Inscrições até segunda-feira (18)
  10h16 Simpósio discute política pública para doenças raras no Brasil
D
DESTAQUES ::.

Projeto amplifica vozes populares

Estudo inédito preserva sementes de bromélias

Estatística para psicólogos

Um café gelado, por favor!
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br