Agência UEL de Notícias
    Londrina, Domingo, 21 de Julho de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
12/12/2018  

Grupo estuda animais silvestres

Leonardo Pedroso*

A professora Karina Keller e o aluno de Veterinária Lucas Paz: discusão da teoria como forma de preparar o aluno para os diversos desafios na prática com esse tipo de animal

O GEAS estuda conteúdos específicos fora da grade curricular, além de despertar consciência ambiental nos participantes

Em atividade desde junho de 2017, o Grupo de Estudos de Animais Silvestres (GEAS) é um programa de formação complementar da Universidade Estadual de Londrina que visa proporcionar aos participantes experiências no contato com animais silvestres. O GEAS atua no estudo de conteúdo específico e visa suprir a deficiência na grade curricular com palestras, reuniões e apresentações organizadas por alunos dos cursos de Medicina Veterinária, Biologia e Zootecnia. O objetivo do grupo é capacitar os estudantes para trabalhar com pets exóticos e despertar a atenção dos participantes para a conservação ambiental.

O grupo de estudos foi originalmente formado em 2015, por iniciativa de alunos do curso de Medicina Veterinária da UEL que entraram em consenso sobre a necessidade de estudos nessa área. Segundo Karina Keller Marques da Costa Flaiban, professora do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e coordenadora do GEAS, o grupo é uma das alternativas para ajudar na complementação da grade curricular dos cursos. "É uma característica regional. Não estudamos esse tipo de conteúdo aqui. No entanto, a falta dessa experiência pode prejudicar um profissional", alerta a coordenadora.

Segundo a organização do grupo, são realizados 15 encontros por semestre. O objetivo do GEAS é a troca de experiências entre os alunos, que realizam atividades como: estudos de caso e júris simulados sobre os conteúdos estudados. Atualmente, 31 membros participam dos encontros do GEAS. Além dos estudantes da UEL, o grupo de estudos conta com a participação de alunos do Centro Universitário Filadélfia (Unifil) e da Universidade Norte do Paraná (Unopar).

Os estudantes que participam do grupo há mais tempo organizam o cronograma de atividades, de acordo com as necessidades de todos os membros. Os conteúdos estudados pelos membros do GEAS são divididos em módulos e categorias. Assim, os estudantes pesquisam sobre o manejo, anatomia, fisiologia, nutrição e ambientação de animais de diversas de diversas espécies que não são profundamente examinadas na grade curricular. Além das atividades de pesquisa, estudantes que atuam em estágios na área realizam palestras sobre as suas experiências. "Buscamos fugir da metodologia tradicional e os diferentes níveis de formação contribuem para a integração entre os alunos", relata a coordenadora Karina Keller.

O desenvolvimento do mercado de pets exóticos também é uma das motivações para os alunos participarem das atividades do GEAS. Nessa categoria, se enquadram animais de estimação como: cobra-do-milharal, hamsters, coelhos, jabutis e cágados. Os estudos realizados no grupo atuam como complemento na formação para a área específica. "Nós discutimos na teoria como forma de preparar o aluno para os diversos desafios na prática com esse tipo de animal", completa a coordenadora do GEAS.

Além da experiência com animais silvestres, o GEAS ainda tem como objetivo despertar atenção dos participantes para a conservação ambiental. Segundo o participante e bolsista do programa Lucas Paz César Nogueira, aluno do quarto ano do curso de Medicina Veterinária da UEL, o GEAS o ajudou a cultivar senso crítico sobre o meio ambiente. "A aproximação com as espécies nos faz discutir e buscar informações de saúde pública", completa o aluno.

Entre as diversas atividades desempenhadas no grupo, Lucas Paz relembra quando o GEAS trabalhou em campanha de conscientização sobre a febre amarela durante o ano de 2017. Nesse período, um surto da doença se deu pelo Brasil e o grupo trabalhou na confecção e divulgação de material gráfico sobre o processo de transmissão da doença. O grupo distribuiu o material em pontos estratégicos da UEL, como no Restaurante Universitário. O objetivo era esclarecer a população sobre a doença e alertar sobre a situação dos macacos, pois os animais estavam sendo mortos mesmo sem transmitir a doença. "O uso da informação bem trabalhada pode ajudar nessas questões", ressalta o participante do GEAS.

A forma de se relacionar com a Natureza também é uma questão abordada nas atividades do GEAS. O grupo mudou o comportamento em relação ao jeito de consumir, chamando a atenção dos participantes sobre as consequências da decomposição de plástico na natureza. "Trocamos escovas de dente de plástico por escovas de bambu. Também paramos de utilizar canudos de plástico e substituímos pelos de metal", relata Lucas Paz.

O trabalho do grupo recentemente foi reconhecido por profissionais do Ensino Médio. Os participantes do GEAS foram convidados a ministrar uma aula sobre animais silvestres para alunos do Colégio Estadual Antonio Raminelli, em Cambé. Um jogo da memória com fotos, nome e informações sobre os animais silvestres foi desenvolvido pelos membros do GEAS para a aula. "Decidimos que esse método seria mais adequado e interativo para os alunos", afirma Karina Keller.

O grupo também colhe frutos do reconhecimento em eventos de escala nacional. Em junho de 2018, o GEAS organizou o I Simpósio de Medicina Veterinária de Animais Selvagens. O evento contou com a presença de representantes importantes da área como o venezuelano Joshua Polanco, médico veterinário e colaborador do Centro de Medicina e Pesquisa em Animais Selvagens (CEMPAS) da Universidade Estadual Paulista (UNESP), de Botucatu. Além disso, uma pesquisa sobre a grade curricular de todos os cursos de Medicina Veterinária no Brasil, realizada pelo GEAS, foi apresentada na última edição do Congresso Brasileiro de Animais Selvagens, promovido pela Associação Brasileira de Veterinários de Animais Selvagens (ABRAVAS).

* Estagiário de Jornalismo na COM


rodapé da notícia

  18h46 Administração da UEL toma medidas para manter Carga Horária de Professores Temporários
  17h05 Pronto Socorro Odontológico suspende atendimento emergencial noturno
  15h29 Ouro Verde recebe programação diversificada do Festival Internacional de Música
  14h27 Projeto desenvolve raciocínio lógico com uso de jogos de tabuleiros
  09h59 Exame de Desempenho dos Estudantes avalia 13 cursos de graduação da Universidade
  16h15 Cinco estudantes da UEL integram o Parlamento Universitário 2019
  15h59 Programa oferta bolsas de intercâmbio para 19 instituições de seis países
  14h28 Equipamentos médicos no valor de R$ 700 mil são furtados do HU
  11h41 Abertas inscrições para aluno especial em 61 programas de mestrado e doutorado
  10h55 Inscrições para isenção ou desconto da taxa do Vestibular via NIS/CadÚNICO terminam sexta (19)
  11h12 Água de Moringa é atração do Festival Internacional de Música
  17h02 Servidores da UEL retomam atividades administrativas nesta quinta-feira (18)
  16h18 Museu de Ciência e Tecnologia/UEL reserva espaço para a ciência "show" e interativa
  15h55 CNPq lança chamada de bolsas no país e exterior para apoiar pesquisas
  11h14 Pesquisa aponta evasão populacional em 150 distritos do Paraná
  17h51 Programas de IC e Iniciação Tecnológica somam 475 bolsas
  16h08 Professores do curso de Odontologia lançam livro sobre saúde bucal no PR
  15h37 Curso incentiva diálogo sobre educação sexual na educação básica
  15h35 Festival de Dança de Londrina abre inscrições para espetáculos
  14h28 Seis trabalhos da UEL são ganhadores do 4º Prêmio Inova Saúde Paraná
  14h54 Espetáculo Morte Vida e Severina volta aos palcos do Cine Teatro Ouro Verde
  14h17 Aberto prazo para pedidos de isenção da taxa do Vestibular via análise socioeconômica
  09h41 Especialização Deep Learning, Big Data e IoT está com inscrições abertas
  09h06 Semana de Farmacologia tem programação voltada para alunos e profissionais
D
DESTAQUES ::.

Especialistas da UEL desatam os nós da Reforma da Pr

Pesquisa conclui maior vulnerabilidade das aves do P

Pesquisa compara sistemas de cultivo do tomate

Jornal Notícia - 1.396
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br