Agência UEL de Notícias
    Londrina, Quarta-Feira, 06 de Julho de 2022 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
06/11/2018  

Laboratório do CCA realiza exames para detecção de vírus que afeta tilápia

Agência UEL

Vírus da Tilápia Lacustre (TiLV) pode causar mortalidade massiva em peixes jovens

O Laboratório de Bacteriologia em Peixes (LABBEP) da UEL, do Centro de Ciências Agrárias (CCA), é um dos poucos do país com capacidade para realizar exames de detecção do vírus da Tilápia Lacustre (TiLV), que pode causar mortalidade massiva em peixes jovens (até 90%) e que colocou a cadeia produtiva brasileira em alerta.

Conforme informações da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), o TiLV surgiu em 2009 em Israel e já foi notificado no Equador, Colômbia e Peru, este ano. O Brasil está entre os quatro maiores produtores de tilápia do mundo, sendo que o Paraná é o primeiro produtor brasileiro, com registro de 112 mil toneladas do produto no ano passado.

A Tilápia é o peixe mais importante cultivado no Brasil. Segundo levantamento da Associação Brasileira da Piscicultura, a espécie representa 51,7% da produção nacional, segundo o Anuário 2018 da Associação Brasileira da Piscicultura. De acordo com coordenador do LABBEP, professor Ulisses de Pádua Pereira, do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva, o vírus ainda não foi detectado no Brasil, mas o alerta da cadeia se justifica porque é comum a importação de exemplares para programas de melhoramento genético da tilápia, o que torna a entrada do TiLV no país um risco iminente.

De acordo com o professor, a recomendação para os produtores é manter a atenção a qualquer mortalidade de peixes nas propriedades. Neste caso, o ideal é procurar ajuda de um especialista, se possível enviando material para análise laboratorial. Os exames de TilV começaram a ser realizados na UEL há cerca de cinco meses, por meio de parceria do LABBEP com o Laboratório de Virologia Animal, também do CCA. Além da UEL, o exame é realizado no Laboratório de Referência do Governo Federal, o Aquacen, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte.

Segundo o professor, cada teste custa R$ 120,00 no LABBEP da UEL. Este ano foram realizados exames de exemplares de criadores das regiões sul e sudeste, enviados por empresas. Nenhuma das amostras testadas detectou o TiLV nos animais, sugerindo mais uma vez que a doença ainda não chegou no Brasil. De acordo com o pesquisador, a doença pode provocar a mortalidade de até 90% em peixes jovens, reduzindo de acordo com a idade. "Estamos falando de um vírus específico para a tilápia e parentes mais próximos, não há registros em outras espécies como por exemplo na carpa", afirmou o professor.

Coordenador do LABBEP, professor Ulisses de Pádua Pereira, do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

O pesquisador chama a atenção para a possibilidade da Universidade ampliar estudos sobre o vírus, buscando um diagnóstico mais preciso, incluindo estrutura adequada para se realizar o isolamento viral, o que auxiliaria muito nos avanços de pesquisas com possibilidade de desenvolvimento de uma vacina contra a doença. "Necessitamos isolar o vírus e isto demanda estrutura maior, novos equipamentos e reagentes", afirmou ele, acrescentando que a estratégia seria ter um laboratório de ponta bem próximo ao setor produtivo, focado em soluções pioneiras na área de prevenção de diagnóstico de doenças de peixes, já que o Paraná é o maior produtor de tilápia.

Plano de contenção - Na semana passada técnicos do Escritório Federal da Aquicultura e da Pesca, órgão vinculado à Presidência da República, e da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) se reuniram, em Curitiba, com o Secretário de Desenvolvimento Urbano e chefe da Casa Civil, Sílvio Barros, para debater a possibilidade do governo estabelecer plano de contingência para evitar a doença. O TiLV não apresenta ameaças à saúde pública, mas a doença pode dizimar as populações de tilápia.

Segundo o engenheiro do Escritório Federal da Aquicultura, Alex Ricardo Borges, existe preocupação com os impactos da doença nos criatórios de peixes, que poderão causar sérios prejuízos não só aos produtores, mas também a pequenos municípios do Oeste e Norte do Paraná, onde estão localizados grande parte dos criatórios. "Os especialistas afirmam que a chegada da doença é questão de tempo", afirma o engenheiro.

Ele informa que o plano que poderá ser adotado busca fortalecer a informação sobre o vírus TiLV, ao mesmo tempo que estabelece medidas de proteção, como por exemplo, barrando a entrada de tilápias vivas de outros países. Ainda segundo o representante do Escritório Federal da Aquicultura, a UEL por meio do LABBEP poderá ajudar no diagnóstico de casos, embora o laboratório oficial seja o Aquacen, de Minas Gerais.


rodapé da notícia

  13h12 01/07/22 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  16h06 30/06/22 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  14h39 29/06/22 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  16h05 28/06/22 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
  13h24 27/06/22 Revista do Meio-Dia (UEL FM)
D
DESTAQUES ::.

Gênero cômico faz parte do ensino de Artes Cênicas

Compostos são alternativas para tratar a Leishmanios

Síndrome associada à Doença de Chagas tem alto índic

Projeto auxilia crianças a superar dificuldades moto
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Agenda do Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br