Agência UEL de Notícias
    Londrina, Segunda-Feira, 22 de Abril de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
11/08/2018  

Laboratório estuda distúrbio da reprodução masculina

Agência UEL/ Bia Botelho

Professora Glaura Fernandes, responsável pelo Laboratório de Toxicologia, do CCB

Há mais de sete anos o Laboratório de Toxicologia e Distúrbios Metabólicos da Reprodução, do Centro de Ciências Biológicas (CCB), realiza pesquisas sobre distúrbios da reprodução masculina. As pesquisas têm como foco principal a toxicologia realizando estudos com agrotóxicos, contaminação de metais e resíduos de plástico. Também atua em outras linhas, como metabolismo, relacionado à obesidade e disfunções tireoidianas, além de comportamental, como distúrbio do sono, exercícios físicos, alimentação rica em açúcar e gordura, consumo de álcool e infecções parasitárias.

De acordo com a responsável pelo Laboratório, professora Glaura Scantamburlo Alves Fernandes, do Departamento de Biologia Geral, do CCB, todas essas situações podem acometer o sistema reprodutor de um indivíduo em fase reprodutiva, o que pode inviabilizar o sucesso reprodutivo. Para avaliar o que poderia interferir na saúde de homens, roedores na fase da puberdade ou adultos são expostos a tais situações e, posteriormente, os resultados são avaliados. Isso se faz porque muitas vezes não se sabe em qual fase da vida o indivíduo adquiriu a alteração que provoca dano de fertilidade, o qual pode ser durante a vida intra-uterina, infância, adolescência, adulta ou ainda, em mais de uma dessas fases ou todas elas, como informa a coordenadora do Laboratório que também é professora de Embriologia.

Os distúrbios da reprodução masculina são causados por dois principais motivos, segundo Glaura Fernandes. "O que contribui principalmente para essas alterações é o comportamento do indivíduo: o que ele faz para ter esse prejuízo, se come mal, se bebe, ou usa substâncias impróprias. Também tem aquilo que é externo e está no ambiente, então ele deve evitar se cercar disso quando possível, pois na maioria das vezes a exposição a tais elementos são desconhecidas para o indivíduo. Assim, temos as duas situações: uma sobre hábitos de vida e outra questão externa, que foge do controle", afirmou.

A pesquisadora alerta que atualmente a dificuldade de muitos casais terem um filho biológico está ligada às alterações reprodutivas do homem e não da mulher, como antigamente se falava. "É importante que as pessoas desmistifiquem que a mulher é a responsável pelo insucesso reprodutivo do casal. Isso não pode ser uma verdade geral. O homem contribui, e muito, para tal fato e ainda pode ser o responsável por alterações no descendente como síndrome de Down e outras", afirma a docente. Ela ainda lembra que a procura pelas clínicas de reprodução assistida muitas vezes se deve pela infertilidade masculina e não feminina.

Pesquisas e resultados

De acordo com a coordenadora, os roedores são expostos a doses pequenas das substâncias tóxicas, sempre após a aprovação dos projetos pelos Comitês de Éticas para o Uso de Animais em ensino e pesquisa. Como ela explica, "ninguém toma um copo de agrotóxico por dia", por isso são utilizadas microgramas da substância, simulando a situação vivida pela população.

As pesquisas têm mostrado, segundo Glaura, que a exposição a pequenas doses são as que causam mais perturbação no sistema reprodutivo masculino. "A gente entende que o organismo quando está exposto a doses maiores, já se prepara para se defender. Quando uma substância vai chegando lentamente é como se ela driblasse essa defesa do organismo, porque a célula está sendo lesada um pouquinho de cada vez", afirma.

Todos os trabalhos com foco em toxicologia, como conta a professora, mostram pelo menos algumas das seguintes alterações: "de modo geral, os contaminantes ambientais atuam na qualidade espermática, no número de espermatozoides, causam lesões e alterações nos testículos e epidídimo, e variação do estresse oxidativo e perfil inflamatório", exemplifica.

De acordo com Glaura, o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, fazendo uso indiscriminado da substância. "A gente não sabe até que ponto, por exemplo, um efeito tóxico leva só a infertilidade. Pode ser que ela é algo mais inicial. Como a gente faz pesquisa só em curtos períodos, na puberdade do animal, por exemplo, a gente não sabe se uma década de exposição a uma substância não levaria a um dano maior e vital como um câncer testicular, por exemplo". Ela não se diz contra a utilização, porém defende o uso de modo adequado, conforme a vigilância.

Outras pesquisas relacionadas ao comportamento humano (restrição de sono, exercícios físicos, alimentação), disfunções metabólicas (obesidade, alterações tireoidianas, diabetes) e infecções parasitárias mostram influência negativa para a reprodução masculina, segundo a professora. O objetivo dos estudos, com isso, é sempre trazer os delineamentos experimentais o mais próximo da realidade da população humana para assim entender os mecanismos pelos quais tais condições podem influenciar na morfologia e função dos órgãos da reprodução. O grupo também vem realizando experimentos in vitro para alcançar os objetivos.

Grupo

O grupo de pesquisa do Laboratório de Toxicologia e Distúrbios Metabólicos da Reprodução é formado atualmente por uma pós-doutoranda, seis alunos de doutorado, um de mestrado, cinco de iniciação científica e três estagiários. Todos os alunos de pós-graduação são orientados da professora Glaura pelo programa de Pós-graduação em Patologia Experimental do CCB - UEL. Para as pesquisas, são realizadas ainda parcerias científicas com outros laboratórios da própria Universidade, da UEM e UENP, além de universidades do estado de São Paulo, como a UNESP de Botucatu e de Presidente Prudente, e a USP de São Paulo e de Ribeirão Preto.


rodapé da notícia

  17h51 UEL retoma atividades na próxima segunda-feira
  14h46 Museu Histórico terá mostra Múltiplo Leminski durante o feriado
  14h41 Sua conexão é segura?
  10h47 Duo Jacarandá se apresenta no CECA, no próxima quarta
  10h25 Professor da USP faz palestra sobre tecnologia e construção civil
  10h42 Abertas inscrições para prêmio de C&T do Paraná
  14h13 Idioma Sem Fronteiras oferece novas oportunidades
  14h47 Cine Com Tour/UEL exibe romance argentino
  15h17 Quem vê casa, vê coração
  15h39 As religiões estão na pauta
  16h24 Pós-graduação em Sociologia promove palestra sobre Nova Vigilância
  10h47 Projeto mistura reflexão filosófica com música instrumental
  15h55 Feirinha da Cidadania será nesta quinta, no Calçadão
  16h47 EDUEL oferece descontos para compras esta semana
  11h19 Convênio amplia projeto Atletismo Londrina
  20h43 UEL sedia torneio mundial de aviõezinhos de papel
  16h24 Curso de extensão aborda liderança e excelência profissional
  11h11 NEAD comemora 10 anos de atividades no próximo dia 25
  10h42 Curso debate Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação
  10h10 Primeira turma de História realiza encontro em Londrina
  11h14 UEL demonstra potencial acadêmico na Expolondrina
  15h27 OSUEL apresenta Concerto de Páscoa
  13h16 UEL faz balanço positivo da participação na ExpoLondrina
  11h07 Abertas inscrições para Encontro Paranaense de Astronomia
  11h22 Prorh oferece curso de Humanização no atendimento
  11h12 Pró-reitores discutem melhorias para a graduação
  10h32 Especialização realiza encontro de Neurociências, em junho
  11h18 Aberto edital para contratação de professores
  16h56 Convênio entre UEL e Rede Municipal possibilita acesso gratuito a e-books da Eduel
  15h22 SETI e pesquisadores debatem conteúdo da nova Lei de Inovação
  11h26 Combate à dengue é tema de unidade na Via Rural
  09h59 Pesquisa reconhece produção científica da UEL
  09h35 Espetáculo de palhaço é atração na Casa de Cultura
D
DESTAQUES ::.

Sua conexão é segura?

Quem vê casa, vê coração

As religiões estão na pauta

Jornal Notícia - 1392
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br