Agência UEL de Notícias
    Londrina, Sexta-Feira, 18 de Janeiro de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
11/08/2018  

Laboratório estuda distúrbio da reprodução masculina

Agência UEL/ Bia Botelho

Professora Glaura Fernandes, responsável pelo Laboratório de Toxicologia, do CCB

Há mais de sete anos o Laboratório de Toxicologia e Distúrbios Metabólicos da Reprodução, do Centro de Ciências Biológicas (CCB), realiza pesquisas sobre distúrbios da reprodução masculina. As pesquisas têm como foco principal a toxicologia realizando estudos com agrotóxicos, contaminação de metais e resíduos de plástico. Também atua em outras linhas, como metabolismo, relacionado à obesidade e disfunções tireoidianas, além de comportamental, como distúrbio do sono, exercícios físicos, alimentação rica em açúcar e gordura, consumo de álcool e infecções parasitárias.

De acordo com a responsável pelo Laboratório, professora Glaura Scantamburlo Alves Fernandes, do Departamento de Biologia Geral, do CCB, todas essas situações podem acometer o sistema reprodutor de um indivíduo em fase reprodutiva, o que pode inviabilizar o sucesso reprodutivo. Para avaliar o que poderia interferir na saúde de homens, roedores na fase da puberdade ou adultos são expostos a tais situações e, posteriormente, os resultados são avaliados. Isso se faz porque muitas vezes não se sabe em qual fase da vida o indivíduo adquiriu a alteração que provoca dano de fertilidade, o qual pode ser durante a vida intra-uterina, infância, adolescência, adulta ou ainda, em mais de uma dessas fases ou todas elas, como informa a coordenadora do Laboratório que também é professora de Embriologia.

Os distúrbios da reprodução masculina são causados por dois principais motivos, segundo Glaura Fernandes. "O que contribui principalmente para essas alterações é o comportamento do indivíduo: o que ele faz para ter esse prejuízo, se come mal, se bebe, ou usa substâncias impróprias. Também tem aquilo que é externo e está no ambiente, então ele deve evitar se cercar disso quando possível, pois na maioria das vezes a exposição a tais elementos são desconhecidas para o indivíduo. Assim, temos as duas situações: uma sobre hábitos de vida e outra questão externa, que foge do controle", afirmou.

A pesquisadora alerta que atualmente a dificuldade de muitos casais terem um filho biológico está ligada às alterações reprodutivas do homem e não da mulher, como antigamente se falava. "É importante que as pessoas desmistifiquem que a mulher é a responsável pelo insucesso reprodutivo do casal. Isso não pode ser uma verdade geral. O homem contribui, e muito, para tal fato e ainda pode ser o responsável por alterações no descendente como síndrome de Down e outras", afirma a docente. Ela ainda lembra que a procura pelas clínicas de reprodução assistida muitas vezes se deve pela infertilidade masculina e não feminina.

Pesquisas e resultados

De acordo com a coordenadora, os roedores são expostos a doses pequenas das substâncias tóxicas, sempre após a aprovação dos projetos pelos Comitês de Éticas para o Uso de Animais em ensino e pesquisa. Como ela explica, "ninguém toma um copo de agrotóxico por dia", por isso são utilizadas microgramas da substância, simulando a situação vivida pela população.

As pesquisas têm mostrado, segundo Glaura, que a exposição a pequenas doses são as que causam mais perturbação no sistema reprodutivo masculino. "A gente entende que o organismo quando está exposto a doses maiores, já se prepara para se defender. Quando uma substância vai chegando lentamente é como se ela driblasse essa defesa do organismo, porque a célula está sendo lesada um pouquinho de cada vez", afirma.

Todos os trabalhos com foco em toxicologia, como conta a professora, mostram pelo menos algumas das seguintes alterações: "de modo geral, os contaminantes ambientais atuam na qualidade espermática, no número de espermatozoides, causam lesões e alterações nos testículos e epidídimo, e variação do estresse oxidativo e perfil inflamatório", exemplifica.

De acordo com Glaura, o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, fazendo uso indiscriminado da substância. "A gente não sabe até que ponto, por exemplo, um efeito tóxico leva só a infertilidade. Pode ser que ela é algo mais inicial. Como a gente faz pesquisa só em curtos períodos, na puberdade do animal, por exemplo, a gente não sabe se uma década de exposição a uma substância não levaria a um dano maior e vital como um câncer testicular, por exemplo". Ela não se diz contra a utilização, porém defende o uso de modo adequado, conforme a vigilância.

Outras pesquisas relacionadas ao comportamento humano (restrição de sono, exercícios físicos, alimentação), disfunções metabólicas (obesidade, alterações tireoidianas, diabetes) e infecções parasitárias mostram influência negativa para a reprodução masculina, segundo a professora. O objetivo dos estudos, com isso, é sempre trazer os delineamentos experimentais o mais próximo da realidade da população humana para assim entender os mecanismos pelos quais tais condições podem influenciar na morfologia e função dos órgãos da reprodução. O grupo também vem realizando experimentos in vitro para alcançar os objetivos.

Grupo

O grupo de pesquisa do Laboratório de Toxicologia e Distúrbios Metabólicos da Reprodução é formado atualmente por uma pós-doutoranda, seis alunos de doutorado, um de mestrado, cinco de iniciação científica e três estagiários. Todos os alunos de pós-graduação são orientados da professora Glaura pelo programa de Pós-graduação em Patologia Experimental do CCB - UEL. Para as pesquisas, são realizadas ainda parcerias científicas com outros laboratórios da própria Universidade, da UEM e UENP, além de universidades do estado de São Paulo, como a UNESP de Botucatu e de Presidente Prudente, e a USP de São Paulo e de Ribeirão Preto.


rodapé da notícia

  17h07 Divulgados prazos de inscrições da seleção do Curso Especial Pré-Vestibular
  11h37 Abertas inscrições do curso de especialização em Neurociências
  11h17 Projeto de Extensão investe na qualidade de vida e saúde de idosos de Londrina
  08h24 Gauguin: Viagem ao Taiti estreia no Cine-ComTour/UEL
  16h18 Cine Com-Tour tem sessão de pré-estreia do longa Assunto de Família
  09h08 Parceria entre UEL e Federação Paranaense de Futebol forma 28 novos árbitros
  11h46 Ranking britânico posiciona UEL como a melhor do Estado
  15h05 Especializações na área do Direito estão com inscrições abertas até 31 de janeiro
  10h56 RU suspende atendimento a partir do dia 21 e retoma atividades em fevereiro
  11h19 Curso de Português para Estrangeiros é ofertado pelo Laboratório de Línguas
  08h25 Integrantes da comunidade universitária têm projetos aprovados pelo PROMIC
  16h57 Brincadeiras lúdicas marcam primeiro dia da Colônia de Férias UEL/MOTUS
  16h39 Edital unifica seleção socioeconômica para Programas de Permanência Estudantil
  10h37 Mostra de alunos do curso de Artes Cênicas encena Dom Quixote
  09h59 Curso de Especialização em Antropologia está com inscrições abertas
  18h17 Curso de Inglês para crianças - idade de 5 a 12 anos
  17h30 Graduação: prazo para renovação de matrícula termina sexta-feira (18)
  11h41 Solenidade de colação de grau forma cinco novos médicos
  10h03 UEL oferta 564 vagas para seleção por meio do SISU 2019
  09h37 Curso de Língua Inglesa é direcionado para crianças de 5 a 11 anos
  08h39 Especialização na área de Biologia Tecidual está com inscrições abertas
D
DESTAQUES ::.

Projeto do CCA enviará pesquisadores para França

Programa estimula aproximação entre cursos

Grupo estuda animais silvestres

Enfrentar toda violência e promover cidadania
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br