Agência UEL de Notícias
    Londrina, Quinta-Feira, 29 de Setembro de 2016 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
19/08/2013  

SINOPSE - A UEL NOS JORNAIS - (18-8-2013 - Domingo)

De acordo com as edições digitais dos jornais disponibilizadas no dia.

Agência UEL

www.folhadelondrina.com.br

Censura virtual

Ao mesmo tempo em que a artista plástica Fernanda Magalhães comemora o convite para expor no Masp a série "Natureza da Vida" em que aparece nua em locais públicos, internautas questionam a censura imposta pela maior rede social do mundo. O Facebook tem excluído dos perfis dos usuários qualquer foto que tenha nudez, sendo alvo de vários processos na rede virtual.

"Não dá para generalizar, pois nem tudo que contém nudez pode ser considerado pornográfico e seria considerado crime. Em vários períodos da história o nu foi retratado de forma artística e sem nenhum contexto erótico. Por isso os apreciadores de arte têm repudiado a política do Facebook de excluir até mesmo as imagens artísticas que determinados grupos utilizam", explica Carla Delgado de Souza, doutora em antropologia e docente da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Como exemplo, Carla cita as estátuas em que os heróis gregos eram retratados sem vestimentas. "Não existe nada de erótico nessas obras, e muitas pessoas a utilizam como objeto de estudo. Acho que não teria nada demais determinados grupos compartilharem esse tipo de imagem no Facebook", enfatiza a antropóloga.

Ela ressalta ainda que a censura à nudez é preocupante pois está atrelada a um discurso ultraconservador que pode acabar comprometendo alguns direitos civis. "Acho preocupante essa onda de conservadorismo que põe em discussão direitos adquiridos por determinados grupos feministas e de movimentos LGBT após anos de luta. É sintomático que tudo isso venha à tona no mesmo momento", avalia Carla.

A antropóloga chama a atenção ainda para a contradição existente na sociedade. "Por que a pessoa não pode fazer topless na praia, se este ato não tem nada de apelativo? É uma contradição a mulher não poder tomar sol nua de maneira espontânea e natural mas ser incentivada a fazer o quadradinho de oito, que é uma dança extremamente sexualizada", compara Carla. (M.R.)

O corpo como objeto de arte

A presença da nudez nas artes não é exclusividade dos tempos modernos. "O corpo precisa ser visto como algo livre. Em determinados períodos da história a nudez era vista como algo espontâneo e natural, ao contrário do que acontece hoje em dia. Além disso, tudo depende do contexto histórico. Existem livros de fotografias alemãs de décadas atrás que naquela época eram consideradas eróticas e hoje parecem inocentes", avalia a fotógrafa Fernanda Magalhães, que tem doutorado em artes e é professora da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Professor do curso de Artes Visuais da UEL com doutorado em Poéticas Visuais, Cláudio Garcia está acostumado a lidar com as diversas reações dos alunos nas aulas de desenho que contam com a presença de modelos vivos e nus. "Teve uma aluna que pediu para não participar da aula porque o marido não permitia que ela visse outro homem nu. Ele fazia questão de posar em casa para que ela o desenhasse e depois ela trazia os desenhos para que eu os avaliasse. Por outro lado, há alunos e alunas que ficam empolgados com as aulas. O ideal seria que a nudez fosse vista com naturalidade", afirma o docente.

Apesar das reações contra e a favor, Garcia enfatiza que o corpo humano é o mais rico objeto a ser retratado em desenhos e gravuras. "Não tem como deixá-lo de lado. O corpo humano tem movimento e flexibilidade inigualáveis", afirma.

Na opinião do docente é incompreensível que a nudez ainda cause tanto impacto nos dias atuais. "No século 19, o quadro 'Almoço na Relva', de Manet (Édouard Manet, 1832-1883) criou o maior furor por retratar duas mulheres nuas. O intuito dele era trabalhar as perspectivas de espaço com uma imagem de mulher à frente e outra em segundo plano. Mas como elas estavam nuas só se falava da nudez e o que era mais importante acabou ficando de lado. Isso aconteceu há mais de um século, mas nada justifica que, em 2013, algumas pessoas ainda fiquem tão chocadas ao ver um corpo nu", argumenta. (M.R.)

DIVERSIDADE RELIGIOSA - A macumba pede passagem

Apesar do preconceito que ainda sofrem, religiões afro-brasileiras têm centenas de seguidores em Londrina e região

Macumba nada mais é que o nome de um antigo instrumento de percussão, uma espécie de reco-reco tocado em cerimônias africanas. O preconceito e a perseguição aos negros durante séculos, no entanto, fizeram com que o termo passasse a ser utilizado no sentido pejorativo para designar rituais das religiões afro-brasileiras. Sobretudo pelo imaginário popular cristão e branco, com a justificativa de que se tratava de uma prática profana e pagã.

Praticadas majoritariamente no estado da Bahia e na região Nordeste, as religiões de matriz africana também têm representatividade em Londrina. De acordo com o professor Sérgio Adolfo, doutor em Literatura Africana na Universidade Estadual de Londrina (UEL), as manifestações organizadas do candomblé no município iniciaram na década de 1950, época de ouro em que chegavam milhares de imigrantes. "Mas, de maneira informal, pessoas ligadas a essa atividade religiosa já a praticavam bem antes", resume, frisando que candomblé e umbanda são oriundos da mesma matriz, porém, religiões brasileiras e totalmente distintas.

Embora não haja números oficiais, as estimativas apontam aproximadamente 40 terreiros de candomblé e 300 de umbanda em Londrina e região. Em Salvador, na Bahia, existem 2,2 mil terreiros registrados na Federação Baiana de Cultos Afro-brasileiros e catalogados pelo Centro de Estudos afro-orientais da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

No Brasil há cerca de dez religiões de matriz africana, mas o candomblé e a umbanda são os segmentos mais difundidos e conhecidos. No último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2010, praticamente todas as religiões existentes no País foram listadas como categoria. Com este recorte foi possível traçar um panorama da quantidade de seguidores de cada uma, inclusive as afro-brasileiras, que eram ignoradas.

No total, mais de 123 milhões se declararam católicas apostólicas romanas e 42 milhões evangélicas. Já em relação às religiões afro, os números se dividem entre umbanda (com 407 mil), candomblé (167 mil) e outras religiões afro-brasileiras (14 mil). Para seguidores, estes números são subestimados, pois muitas pessoas ainda não declaram sua escolha por receio da intolerância religiosa. Com isso, várias dizem ser espíritas, número que passou dos 3 milhões na amostragem. O espiritismo, também conhecido por kardecismo, por sua vez, é uma ramificação da doutrina cristã.

O fato de estarem localizadas principalmente nas regiões periféricas da cidade, segundo Sérgio Adolfo, é também resultado do preconceito que produziu um processo de marginalização. "Apesar da entrada de profissionais liberais e da classe média nos últimos anos, as religiões afro-brasileiras ainda são frequentadas por negros e pobres em sua maioria. Isso não significa, porém, que todo negro é de alguma religião de matriz africana", explica.

No Brasil, além do candomblé (jejê, ketu e angola) e umbanda e suas respectivas ramificações, existem outras religiões afro-brasileiras praticadas, como tambor de mina e magê de mina (ambos no Maranhão), batuque (Rio Grande do Sul) e pajelança, xangô do nordeste e terecô (região Nordeste) e as que possuem ainda elementos indígenas, como jurema ou catimbó. Há outras religiões de matriz africana, que não são praticadas no Brasil, como o vodu haitiano e santeria cubana.

Marian Trigueiros - Reportagem Local

Pesquisa vai definir políticas públicas para cães e gatos

Trabalho de campo com a participação de estudantes de veterinária da UEL começou ontem no Conjunto Jamile Dequech e prossegue hoje no Jardim Pisa

A Rua Doutor Miguel Augel Espinosa, no Conjunto Jamile Dequech, extremo sul de Londrina, já foi conhecida no bairro como um reduto de cachorros. Os animais se abrigavam próximo de casas das donas de casa Creuza Soares da Silva Maria, de 59 anos, e Enaura de Andrade Silva Maria, 46, que nunca negaram ração e carinho a nenhum deles. Creuza e o marido, o pedreiro Luís Pereira da Silva, ganharam de vez o coração dos bichinhos quando construíram uma casa de cachorro coletiva, verdadeiro albergue canino erguido em um terreno baldio, muito disputado nos dias de chuva. "Eram 12 cachorros na época que a gente fez a casinha. Hoje, sobraram só dois. A maioria morreu atropelada", conta Creuza, desolada. Inspirada pela vizinha, Enaura decidiu abrir algumas frestas da grade que protege a garagem e o local também virou um dormitório. "Tem noite que vem três cães. Às vezes, dormem quatro". Ambas reclamam que o bairro concentra muitos animais abandonados. "Enquanto não acabar a maldade do mundo, vai ter animal sendo maltratado e largado na rua", desabafa Creuza.

O bairro que já foi o mais isolado de Londrina e hoje está integrado aos conjuntos União da Vitória por um viaduto, foi escolhido pela Prefeitura para reiniciar um trabalho iniciado em 2011 pela Universidade Estadual de Londrina e que está sendo retomado neste final de semana.

Trata-se de uma espécie de censo de cães e gatos, uma pesquisa capaz de basear a formulação de políticas públicas para os animais de estimação. Os pesquisadores, alunos de todos os cursos de medicina veterinária da cidade, percorrem as casas e entrevistam os moradores. O questionário tem 46 itens, que investigam desde as condições sanitárias dos animais até as opiniões sobre várias questões ligadas ao mundo pet, como vacinação e castração. "É um trabalho muito bom. Ninguém gosta de ver um bichinho abandonado", disse Alice Petra Cesarini, de 47, caseira de uma escola e dona de dois cachorros, Bob e Tas.

O conjunto de questões foi desenvolvido pela Universidade Federal do Paraná e adaptado por professores da UEL. Cada abordagem dura no máximo 15 minutos e a soma de todas as entrevistas vai se transformar numa completa estatística por amostragem. Hoje o trabalho prossegue no Jardim Pisa (zona leste). Em setembro, o projeto aporta no norte do município, no Conjunto Maria Celina e no Distrito da Warta. Em novembro, o cronograma prevê ações no Jardim Marabá e na Vila Marízia.

O veterinário da Vigilância Sanitária, Alessandro Caseri, explica que as informações colhidas nos questionários serão essenciais para o planejamento de ações para o controle populacional de cães e gatos abandonados, além da implantação de Unidades de Saúde Animal e do Centro de Zoonoses.

Em 2011, foram visitados os jardins San Remo e Leonor. "Lá, os números apontaram uma superpopulação de cães e que a questão dos animais abandonados comovia 90% da população", adiantou a professora da UEL, Patrícia Mendes Pereira. Ela disse que os resultados serão divulgados no final de janeiro e que o trabalho deverá ser feito a cada cinco ou dez anos.

Lúcio Flávio Moura - Reportagem Local

www.jornaldelondrina.com.br

Arte e ensino

Entre os dias 22 e 24 vai ser realizado o 7º Seminário de Arte e Ensino de Londrina, que tem como tema “Experiência de pensamento: Currículo, Mediação e Produção”. A apresentação de trabalhos, oficinas, entre outras atividades ocorre nas salas de aula do Centro de Educação, Comunicação e Artes (Ceca) e no auditório do prédio do PDE da Universidade Estadual de Londrina. O prazo de inscrições apenas para participação termina no dia 20. Valor do investimento: R$ 30 para universitários e R$ 50 para profissionais. Mais informações no site www.uel.br/eventos/arteuel ou pelo telefone (43) 3371- 4498.

Estudo resulta no primeiro inseticida de baixa toxicidade

Fórmula, inédita no mundo, promete criar um novo conceito para fabricação de venenos contra pragas urbanas

O Brasil pode revolucionar o mercado mundial de inseticidas e se tornar o país origem das fórmulas de baixa toxicidade para o controle da aranha-marrom, do escorpião amarelo e do mosquito da dengue, Aedes aegypti. As pesquisas são desenvolvidas longe dos grandes laboratórios do setor químico, dentro da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, em um projeto com recursos do governo federal envolvendo diversas universidades do país.

Francisco de Assis Marques, professor do Departamento de Química da UFPR e pesquisador no projeto de Controle Biorracional de Insetos e Pragas, diz acreditar que os bons resultados obtidos em apenas um ano e meio já mostram uma possibilidade do Brasil inovar no controle de pragas urbanas, agrícolas e florestais com a invenção de produtos menos tóxicos ao meio ambiente. Marques esteve em uma palestra na Universidade Estadual de Londrina (UEL) e concedeu a seguinte entrevista ao JL.

Entrevista

JL - Qual a necessidade de criar novas fórmulas de aerossóis? Combater mosquito da dengue com inseticida não é um bom negócio para as pessoas?

Francisco de Assis Marques - No caso do Aedes aegpyti estamos desenvolvendo um novo largicida (para a fase da larva) e a vantagem em relação ao produto comercial das prateleiras dos supermercados é a baixa toxicidade. O nosso material é sintetizado a partir de plantas que ainda não podemos revelar por questões estratégicas. No caso do mosquito adulto, desenvolvemos um produto também baseado em compostos de baixa toxicidade. Os atuais aerossóis residenciais só são usados por falta de outras opções no mercado. Os que desenvolvemos são muito menos tóxicos ao meio ambiente, humanos e animais porque vêm de uma mistura de várias plantas. Há interesse comercial: é uma demanda mundial por produtos menos agressivos à saúde, com impacto bem menor, e somos o primeiro grupo com algo desse nível nas mãos. A patente já está pronta e em breve publicaremos os resultados, que já são bem importantes. A questão da toxicidade baixa está garantida: precisamos avançar mais na eficiência.

Em quanto tempo esses novos produtos podem estar disponíveis no mercado?

Ainda não consigo prever porque precisamos avançar mais em estudos sobre a proporção entre os compostos. Temos um ano e meio de pesquisas, conseguimos importantes avanços, mas precisamos de mais. Se podemos revolucionar, queremos dar o passo certo.

Na prática, quais são os avanços mais promissores?

Além do Aedes, já testamos uma mistura de compostos capaz de matar a aranha-marrom e o escorpião amarelo. No dorso dos animais, a mistura de compostos agiu e eles morreram em 24 horas. É inédito e inusitado matar escorpiões e aranhas com esse tipo de inseticida menos tóxico. Se resolvermos a questão da eficiência, estaremos a um passo de comercializar a patente do produto.

O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo e o Paraná o campeão no país. O que uma nova linha de produtos menos agressivos pode provocar nesse panorama?

Temos pesquisas com pesticidas menos tóxicos para pragas agrícolas e florestais e que possam controlar vários problemas. Os largicidas que pesquisamos já matam o percevejo do eucalipto e o pulgão do pinus, com ampla vantagem para o meio ambiente, para a fauna de ambientes aquáticos e para a própria qualidade da água. Algumas alternativas já poderiam estar no campo.

Quais erros cometem os governos no controle de pragas e epidemias como a dengue?

Sobre o mosquito da dengue, por exemplo, as ações são tomadas em conjunturas equivocadas, quando a epidemia já está instalada, apagando incêndios. Falo aqui do novo inseticida, mas a solução é integrar várias metodologias de combate ao mosquito. Não existe algo a ser feito sozinho porque grupos consolidados de pesquisadores com métodos preciosos tem que ser ouvidos. A própria UEL tem inventos nesse campo, mas os governos deram as costas e não usam a solução dada para o problema. A academia pode apresentar solução para muita coisa, mas precisa ser ouvida e não ter as pesquisas brecadas, não utilizadas, engavetadas.

No caso do novo inseticida, grandes multinacionais do setor de defensivo químico não podem influenciar o governo a negar, por exemplo, autorizações para lançar no mercado esses produtos menos tóxicos?

É realmente um campo de embate difícil para o pesquisador. Trabalhamos na ponta, com o conhecimento e foge ao nosso entendimento como o emaranhado de interesses políticos e econômicos se entrelaçam e avançam sobre o poder de decisão dos governos. Essas multinacionais do setor agroquímico faturam bilhões e são corresponsáveis pela poluição ambiental em nível mundial - e cujos lucros são ascendentes. Teremos que romper barreiras. Um defensivo agrícola, neonicotinóide, tem sido apontado como o responsável por muitos efeitos deletérios. Foram banidos na Europa e tem causado o colapso da população mundial de abelhas. Aqui, no Brasil, continuamos utilizando. É uma rede de interesses.

Como bloquear essas influências e driblar a pressão?

Inovando. A novidade é o que temos de melhor. Temos alternativas, trabalhamos por isso e vamos viabilizar novos compostos. Se não andar, a sociedade tem que estar atenta e acompanhar as pesquisas mais de perto. O tempo joga a nosso favor em razão dos danos ambientais dos produtos que estão aí. As abelhas estão próximas da extinção em alguns países e isso é uma pressão para ser resolvida em curto espaço de tempo. O nosso produto mata larvas, mas não matam, por exemplo, os peixes.

Marcelo Frazão



É autorizada a livre circulação dos conteúdos desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,
desde que citada a fonte.

As Sinopses apresentadas têm como referência as edições digitais dos jornais citados disponíveis no dia.


  17h31 Museu realiza curso sobre patrimônio cultural e museologia
  17h06 Inscrições: Transferência Externa 2017
  16h56 Seis modalidades do NAFI estão com inscrições abertas
  16h13 Departamento de Ciências Patológicas promove curso de Patologia Básica
  15h28 Professor do CCA lança livro em parceria com autores da USP
  10h11 Abertas inscrições para 51 especializações
  09h45 Jornada do CECA destaca ensino, pesquisa e extensão
  09h02 Prorh oferece aos servidores curso na área de informática
  08h26 Abertas inscrições para transferência externa 2017
  15h47 Congresso em Saúde Animal e Humana começa dia 5
  09h30 Ciclo de palestras discute Hannah Arendt
  14h58 Músicas de criança para crianças
  14h59 Vou te contar um 'causo'
  14h41 CEPV seleciona instrutores
  09h48 31ª Semana de Matemática posssui-foto
  09h37 Clínica Psicológica oferta curso de introdução à Gestalt-Terapia
  10h27 HU promove palestra sobre Comunicação Efetiva
  09h58 Aluno lança livro do gênero Gore
  10h07 Campanha previne câncer de mama
  09h20 Prorh faz palestra para secretários da UEL
  17h41 Psicólogo fala sobre assédio moral no trabalho posssui-foto
  17h09 Começa no Campus Encontro de Ciências Biológicas posssui-foto
  16h34 35º Ciclo de Estudos Contábeis
  16h27 Atividade física no envelhecimento é destaque em Simpósio posssui-foto
  15h20 Museu de Geologia doa material didático para o município posssui-foto
  15h23 Inscrições abertas para mestrado e doutorado na área de humanas
  14h40 RU recebe espetáculo Araca: Arquiduquesa do Encantado
  11h40 Especialista fala sobre biossegurança em Simpósio de Integração
  11h43 GEDAL divulga minicurso sobre Astrobiologia
  11h42 Fundação Araucária oferece o Programa de Pesquisa Básica e Aplicada
  10h53 Professora da Unicamp abre Seminário Corpo e Natureza posssui-foto
  10h36 Professor coordena sessão sobre citrus de congresso internacional
  10h42 Abertas inscrições para 51 cursos de especialização
  09h55 UEL debate nesta terça-feira (27) a reforma do ensino médio
  17h58 Seminário Corpo e Natureza começa dia 26
  17h59 Curso de Farmácia atende moradores da zona norte
  17h20 Departamento de Ciências Contábeis promove Ciclo de Estudos
  17h17 Representante divulga parcerias da CAPES posssui-foto
  17h04 Alunos de Artes Cênicas encenam espetáculo de formatura
  16h48 Congresso de Ciências Biomédicas posssui-foto
  16h32 Escola de Rolândia doa 300 litros de lacres ao HU
  17h15 Seminário da área de Linguagem posssui-foto
  15h06 UEL está entre as 40 melhores da América Latina posssui-foto
  16h06 Simpósio debate assistência integral aos idosos
  11h19 Oficinas do Laboratório dos Anos Iniciais estão com inscrições abertas
  10h58 Vestibular dos Povos Indígenas registra 739 inscritos
  09h56 Profissional fala sobre Inteligência Geográfica posssui-foto
  09h37 Professor do Uruguai abre Colóquio em Organização e Conhecimento posssui-foto
  09h37 Aberto no CCB Seminário Atividades Físicas na 3ª Idade posssui-foto
  18h15 Medicina é o curso mais concorrido do Vestibular 2017
  17h32 Espetáculo mostra repertório de Aracy de Almeida posssui-foto
  16h57 GEPE destaca a formação docente no ensino superior posssui-foto
  16h50 Papel do Historiador é tema central da Semana de História
  16h23 Inscrições abertas para curso de Excel
  16h06 Projeto de Fisioterapia do HU seleciona pacientes
  16h00 Planetário de Londrina exibe três documentários nesta sábado (24)
  15h51 Candidatos do curso de Música fazem provas de habilidades
  15h23 Secretaria de Cultura recebe inscrições de projetos independentes
  15h15 Hemocentro do HU pede doação de sangue
  15h10 Reitoria recebe Feirinha da Cidadania nesta sexta-feira
D
DESTAQUES ::.

PDI 2016/2021

NOTÍCIA 1.354 (21-9-2016)

Vou te contar um 'causo'

Músicas de criança para crianças
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com a Reitora
Holerite
Certificados Declarações
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br