Agência UEL de Notícias
    Londrina, Segunda-Feira, 30 de Março de 2020 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
11/03/2020  

Compostos são alternativas para tratar a Leishmaniose (LTA)

Reinaldo C. Zanardi

O professor Wander Rogério Pavanelli e a professora Ivete Conchon Costa testam a concentração dos compostos para verificar se matam a forma promastigota infectante do parasito e também a forma amastigota (intracelular)

Pesquisadores da UEL testam vários compostos - naturais e sintéticos - para tratamento da doença, cujos primeiros medicamentos datam dos anos 40

O Brasil registrou 17.528 casos novos de Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) em 2017. O coeficiente de detecção da doença é de 8,44 casos por 100 mil habitantes. O perfil epidemiológico da doença revela que 44,7% dos casos estão na região Norte, 72,7% são em homens, 7,9% em crianças menores de 10 anos, 67,1% dos pacientes eram pardos. As informações são do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis, da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.

A evolução clínica da doença revela que, em 2017, 69,8% das altas dos pacientes foram por cura, 3% abandonaram o tratamento e foram registrados 15 óbitos de pacientes por LTA. O primeiro medicamento para tratamento da doença, na maioria dos casos (85%), foi o antimoniato de meglumina, desenvolvido nos anos 40. Por isso, um grupo de pesquisadores da UEL está debruçado sobre pesquisas de compostos para novas alternativas terapêuticas.

O professor Wander Rogério Pavanelli e a professora Ivete Conchon Costa, ambos do Departamento de Ciências Patológicas, lideram o projeto de pesquisa "Uso de compostos naturais e sintéticos como alternativa terapêutica para o tratamento da leishmaniose".

Participam do projeto cerca de 30 pesquisadores de quatro programas de pós-graduação: Patologia Experimental (Centro de Ciências Biológicas), Química (Centro de Ciências Exatas), Fisiopatologia Clínica e Laboratorial, e Ciências da Saúde (ambos do Centro de Ciências da Saúde), além de alunos de Iniciação Científica.

Wander Pavanelli afirma que os medicamentos para o tratamento da leishmaniose já foram eficientes e que, atualmente, há cepas do parasito resistentes, além dos efeitos colaterais aos pacientes. Nas pesquisas, o trabalho investiga o papel de compostos naturais e sintéticos na ação leishmanicida, ou seja, que elimina ou reduz a leishmania, que transmite a doença.

Entre os compostos naturais estão o ácido grandiflorênico e o caurenóico, presentes no margaridão; o ácido cafeico, em frutas e verduras; a quercetina, na maçã e vinhos; diferentes extratos de pequi; o própolis e o óleo de orégano. Já entre os artificiais estão o complexo de rutênio, nanopartícula de prata e nitroprussiato de sódio. Para o fornecimento desses compostos, a UEL mantém parceria com as universidades federais de Santa Catarina (UFSC), Ceará (UFCE) e Estadual Paulista (UNESP), de Botucatu.

Wander Pavanelli explica que, em um primeiro momento, os pesquisadores testam a concentração dos compostos para verificar se matam a forma promastigota infectante do parasito e também a forma amastigota (intracelular). "Pode ser que mate a leishmania e seja prejudicial para a célula humana. Por isso, temos de pesquisar essa ação também", diz o professor. Essa etapa é chamada de análise in vitro. Depois de verificada a ação leishmanicida nas formas promastigota, amastigota e se não prejudica a célula humana, a pesquisa passa para a análise in vivo.

Esta etapa consiste na pesquisa em camundongo, mimetizando na cobaia a cepa encontrada no ser humano. Ao surgirem as lesões, características da leishmaniose, é realizado o tratamento com os compostos já testados na primeira fase. Os pesquisadores confirmaram a eficiência do própolis e os resultados já estão publicados. A eficiência da quercetina e do óleo de orégano também está confirmada, mas os resultados estão em fase de publicação. Wander Pavanelli cita a revista internacional PlosOne, referência para as pesquisas da área.

Depois de confirmada a ação no tratamento das lesões do camundongo, parte-se para testar em células humanas. Isso, em um primeiro momento, é realizado na modalidade in vitro, a partir do sangue. A professora Ivete Conchon Costa está entusiasmada com o resultado das pesquisas e, principalmente, da pomada à base de óleo de orégano.

A pesquisadora lembra que o tempo da Ciência corre em ritmo diferente. Da descoberta da ação de um composto até chegar ao paciente, como produto final, leva-se cerca de 15 anos. As pesquisas da UEL estão um pouco mais da metade desse tempo. "O óleo de orégano, além de matar o parasito, ajuda na cicatrização da inflamação e não é tóxico", diz Ivete Costa. O projeto de pesquisa também estuda a doença de Chagas.

Além da leishmaniose e Chagas, o projeto inclui pesquisas com a toxoplasmose, com a professora Idessania Nazareth da Costa; esquistossomose, com o professor Francisco de Abreu Oliveira; ambos do Departamento de Ciências Patológicas do CCB; e câncer, com a professora Carolina Panis, da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), em Francisco Beltrão. As pesquisas também incluem a nanopartícula de prata associada a outros compostos, reduzindo a citotoxicidade. Esse estudo tem a participação do professor Pedro Hermes de Araújo, da UFSC.

Manoela Gonçalves é estudante do 3º ano, em nível de Doutorado, do Programa de Pós-Graduação em Química da UEL, e desenvolve pesquisas que se baseiam na "biotransformação do ácido grandiflorênico e avaliação do potencial tripanocida e leishmanicida desses compostos". Tripanocida é a ação de eliminar ou reduzir o Trypanosoma cruzi, causador da doença de Chagas. Ela desenvolve a parte biológica da sua pesquisa, orientada pelo professor Nilton Arakawa, no Laboratório de Imunoparasitologia de Doenças e Câncer do CCB, com acompanhamento dos professores Wander Pavanelli e Ivete Costa.

"Essa participação ajudou em tudo na minha formação, porque toda a parte biológica do meu projeto sou eu mesma que faço. Os alunos do laboratório me ajudaram muito desde o começo. Cheguei aqui sem saber o que era um macrófago e, hoje, desenvolvo as técnicas e participo ativamente dos artigos do laboratório", diz a pesquisadora, graduada em Tecnologia em Processos Químicos, pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), campus de Apucarana. "Os responsáveis pelo laboratório me receberam de braços abertos aqui e mesmo não sabendo nada de parasito, tive todo respaldo, me capacitando a entender ainda mais esse universo biológico", completa. 

Esta matéria foi publicada no Jornal Notícia nº 1.406. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  18h15 Programa da UEL orienta prática de exercícios físicos para idosos
  18h14 Superintendente da SETI reforça papel das Universidade no combate à pandemia
  13h44 UEL se disponibiliza para estruturar centro de testagem do COVID-19 no HU
  10h41 Projeto de extensão "UEL Pela Vida" atua em três frentes contra o coronavírus
  01h02 Nota da Reitoria sobre o Decreto 4.312/2020 do Governo do Paraná que concede afastamento em Licença Especial
  16h28 Proex divulga resultado do edital do Programa de Prevenção ao Coronavírus
  16h52 Parceria com confecção de Cambé produz 8 mil máscaras para o HU/UEL
  16h22 Hemocentro de Londrina mantém serviço de coleta
  11h40 UEL e Londrix selecionam 20 poesias londrinenses para o Mural Poético
  17h58 Governo repassa R$ 3,8 milhões ao HU/UEL para combate à pandemia
  17h16 Serviço de Bem-Estar à Comunidade adota atendimento virtual durante suspensão de atividades
  16h49 HU/UEL divulga mudanças no atendimento ao paciente do Ambulatório de Especialidades
  16h33 Curso de Enfermagem reforça vacinação contra gripe e atende 400 idosos de Rolândia
  13h43 APIESP se posiciona em defesa da abertura de concurso público
  09h57 Grupo da UEL produz vídeos com histórias em inglês para crianças
  09h27 CNPq atende bolsistas e coordenadores de projetos
  15h01 Para estudantes de Engenharia, Agronomia e Geociências
  17h07 Acadêmicos da Engenharia Elétrica e Física ganham R$ 5 mil em prêmio da Capes
  16h40 Estudantes do curso de Enfermagem vacinam idosos de Rolândia
  16h30 HU/UEL promove primeiro treinamento sobre procedimento de ventilação em pacientes críticos
  14h48 Casa de Cultura e Museu Histórico divulgam atendimento por e-mail
  11h36 Capes prorroga manutenção de bolsas no exterior durante pandemia
  11h17 Governo do Estado divulga resultado do Edital de combate ao coronavírus
  10h39 ATI implementa novo sistema de atendimento e solicitação de serviços
  17h40 Ação entre amigos do HU/UEL arrecada doações para confecção de máscaras e uniformes
  16h20 Plantão da COU suspende atendimento noturno e durante finais de semana
  11h26 Álcool tratado pela UEL vai ser usado em viaturas de 89 municípios da região
  11h10 Farmácia Escola adota horário diferenciado de atendimento a partir desta quarta-feira (25)
  10h46 Professores e estudantes do CCS produzem álcool 70% e reforçam combate ao coronavírus
D
DESTAQUES ::.

Gênero cômico faz parte do ensino de Artes Cênicas

Compostos são alternativas para tratar a Leishmanios

Síndrome associada à Doença de Chagas tem alto índic

Projeto auxilia crianças a superar dificuldades moto
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br