Agência UEL de Notícias
    Londrina, Sábado, 04 de Abril de 2020 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
04/02/2020  

Programa de iniciação científica reúne medalhistas da OBMEP

Reinaldo C. Zanardi

 

Ana Lucia da Silva: "O material utilizado no programa de Iniciação Científica da OBMEP é referência no Brasil"

João Marcos Bernardelli Peron tem apenas 13 anos e é bolsista da Universidade Estadual de Londrina. Ele integra o projeto de extensão "Criando Oportunidades - Disseminando Talentos", iniciativa da professora Ana Lucia da Silva, do Departamento de Matemática. O menino integra o Programa de Iniciação Científica (PIC) Júnior da UEL, por ter sido medalhista na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), em 2018.

A pedagoga Jessica Bernardelli Bagajine, mãe de João Marcos, diz que fica lisonjeada com a participação do filho nas atividades. "Esse tipo de proposta é enriquecedora. Trabalhar o aluno com essa habilidade em um projeto científico desenvolve tanto o intelecto quanto a disciplina". Ela conta que, desde criança, o menino tem facilidade para números e contas.

João Marcos diz que gosta muito de Matemática, de aprender coisas novas e do programa de iniciação científica. "A gente não apenas estuda. A gente também se diverte. Podemos ir ao quadro resolver os exercícios, dizer o nosso raciocínio. Isso me faz cada vez mais querer estudar lá [na universidade]", diz. Ele mora em Rolândia e estuda no Colégio Estadual Souza Naves.

O projeto do qual João Marcos participa na UEL é voltado para estudantes dos ensinos fundamental e médio, premiados na OBMEP, com medalhas de ouro, prata ou bronze. A professora Ana Lúcia da Silva explica que desenvolve as atividades desde 2006 e a bolsa dos alunos monitores da graduação (R$ 400,00) e de bolsista júnior (R$ 100,00) são financiadas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

As atividades de Iniciação Científica Júnior são desenvolvidas em dois polos nas regiões norte e noroeste do Paraná. Além da UEL, o outro polo é a Universidade Estadual de Maringá. Atualmente são 200 alunos, mas o projeto já chegou a ter, em um único ano, cerca de 300 crianças e adolescentes. A OBMEP é realizada pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), com recursos do Ministério da Educação e do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Conforme a professora Ana Lúcia, alunos de escolas privadas passaram a concorrer na Olimpíada de Matemática a partir de 2017. Eles também podem ser alunos de Iniciação Científica no projeto na UEL, mas sem bolsa, direcionada apenas para alunos da escola pública. Os premiados de uma edição da OBMEP frequentam o projeto de IC no ano seguinte.

SETE CICLOS

Há duas modalidades de participação dos alunos no projeto "Criando Oportunidades - Disseminando Talentos": semipresencial e virtual (à distância). Essa última modalidade é para crianças e adolescentes que moram a mais de 40 km de distância de Londrina e têm dificuldades de ir à Universidade. "O material e o conteúdo das atividades virtuais são os mesmos para o projeto presencial", destaca a professora. A única diferença entre as modalidades é que no virtual, não há os encontros presenciais realizados aos sábados.

O conteúdo da iniciação científica está dividido em três níveis. O primeiro para alunos do 6º e 7º anos; o segundo, 8º e 9º anos e Ensino Médio. As atividades têm duração de 10 meses do ano letivo da Universidade, em sete ciclos. A cada ciclo há dois encontros presenciais (somente para alunos da modalidade semipresencial) para fechar o tema. É realizada uma avaliação a cada ciclo.

João Marcos Bernardelli Peron, 13 anos, bolsista da UEL

Conforme a professora Ana Lúcia, os tópicos da Matemática passam por temas como criptografia, indução matemática, geometria, probabilidade e contagem, iniciação à Aritmética, Matemática e dobraduras, Matemática e origami, números complexos e trigonometria. "O material utilizado no programa de Iniciação Científica da OBMEP é referência no Brasil", afirma a professora.

Os alunos podem ser desligados do projeto, sendo o desempenho e a assiduidade os principais critérios. A professora afirma que a taxa de desligamento dos estudantes é de cerca de 20%, valor que ela considera alto. "Um dos motivos é a não realização de atividades on line. O estudante tem várias tarefas que precisa realizar", diz Ana Lúcia. Essas atividades são realizadas em softwares específicos com tutorial virtual. "Muitos têm dificuldade de acesso ao computador e à internet", comenta.

Como o projeto é desenvolvido há 13 anos, muitos alunos de escolas públicas participaram do projeto em mais de uma edição. Depois, ingressaram no ensino superior e muitos já realizaram até Doutorado. "Imagine a riqueza para o aluno [secundarista] frequentar uma Universidade durante um ano inteiro", afirma Ana Lúcia.

Ela calcula que 90% dos alunos que passam pelo projeto fazem uma Universidade. "Já tivemos graduandos em Matemática, engenharias Química, Civil e Elétrica, Física, Química e também Medicina e Direito", conta a professora. "A ideia não é trazer os alunos para a Matemática, mas sim para a área de Exatas e Tecnologia".

APRENDIZADO E EVOLUÇÃO

O estudante Lucas Heckler Piedade está no 3º ano do curso de Engenharia Elétrica e é bolsista do projeto "Criando Oportunidades - Disseminando Talentos". Ele diz acreditar que os projetos possibilitam aos estudantes desenvolver um olhar para fora da Universidade. "Ajudando, assim, a nos tornar um profissional mais completo e com uma experiência maior. Também auxilia o crescimento humano, pois é uma vivência a mais, em novos ambientes", complementa.

Segundo Lucas, os estudantes da graduação passam por situações diferentes e aprendem a lidar com cenários, que complementam o ensino na Universidade, fazendo grande diferença na formação profissional e humana. Ele diz que considera os projetos necessários: "Consegui absorver um conhecimento grande na área da Matemática, minha didática e meu discurso evoluíram muito".

O estudante diz que também aprendeu a lidar com pessoas de diferentes hierarquias e jeitos. "Também fui capaz de evoluir meu raciocínio para que fosse mais claro e preciso". Lucas Piedade cita ainda a evolução que teve na organização pessoal ao ter de incluir um projeto na sua rotina diária, tendo de adaptar compromissos e carga horária. "Isso exige uma boa organização", relata.

Esta matéria foi publicada no Jornal Notícia nº 1.405. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  10h08 Researcher from The University of Utah starts activities as Visiting Professor
  21h37 Comunidade da UEL se mobiliza para ajudar famílias desprotegidas
  11h42 Associação arrecada fundos para compra de equipamentos de proteção e aparelhos
  10h47 Liga Acadêmica fornece informações e orientações sobre saúde mental
  17h51 Pesquisadores avaliam impacto da pandemia de Covid-19 na economia do país
  17h05 Disque Coronavírus atende 21 municípios da 17ª Regional de Saúde
  14h49 UEL está entre as três universidades brasileiras com maior número de publicações sobre coronavírus
  20h53 Cinco Universidades do PR farão exames para identificar o novo coronavírus
  16h19 Professor do CCE alerta para fraudes na internet em tempos de pandemia
  11h52 Série de livros "dialoga" com grandes pensadores da filosofia mundial
  17h50 Centros de Estudos adotam atendimento via e-mail
  16h05 Servidores do HU/UEL terão atendimento psicológico gratuito
  19h16 Governo autoriza Laboratórios das Universidades a se credenciarem para testes da Covid-19
  17h40 Enfermagem contabiliza 3.107 pessoas vacinadas contra a gripe em Rolândia
  15h50 Bolsistas e voluntários da UEL iniciam atendimento do "Disque Corona"
  13h06 Carta aberta do reitor da UEL à comunidade universitária
  15h44 Curso de Química e Farmácia Escola viabilizam novos lotes de álcool 70%
  10h24 Núcleo de Acessibilidade disponibiliza série de atividades de estudos online
  09h44 Hospital Universitário recebe recursos financeiros para enfrentar COVID-19
  18h15 Programa da UEL orienta prática de exercícios físicos para idosos
  00h05 Superintendente da SETI reforça papel das Universidade no combate à pandemia
  13h44 UEL se disponibiliza para estruturar centro de testagem do COVID-19 no HU
  10h41 Projeto de extensão "UEL Pela Vida" atua em três frentes contra o coronavírus
D
DESTAQUES ::.

Gênero cômico faz parte do ensino de Artes Cênicas

Compostos são alternativas para tratar a Leishmanios

Síndrome associada à Doença de Chagas tem alto índic

Projeto auxilia crianças a superar dificuldades moto
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br