Agência UEL de Notícias
    Londrina, Sexta-Feira, 17 de Janeiro de 2020 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
11/11/2019  

Projeto oferece formação complementar sobre autismo

José de Arimathéia

Professora Silvia Murari: o Transtorno do Espectro Autista não é encarado por seu grau de severidade mas pelo comprometimento da funcionalidade da criança

Ao detectar lacunas na formação, professora criou, há cinco anos, projeto de ensino para oferecer a estudantes - especialmente Psicologia, Enfermagem e Medicina - contato mais aprofundado com o Transtorno de Espectro Autista  

Quando fazia seu Mestrado na PUC/SP (concluído em 2004), estudando a variabilidade comportamental, a professora Silvia Cristiane Murari (Departamento de Psicologia Geral e Análise do Comportamento) conheceu um grupo que desenvolvia o mesmo tema, mas com crianças autistas. Motivada, já foi pensando no Doutorado.

De volta à UEL, criou o projeto "Conhecendo o transtorno do espectro autista" para investigar como os TEAs são abordados nos cursos de graduação e pós-graduação. Descobriu que não existem disciplinas específicas em nenhum nível, e que o tema é apenas mencionado, entre outros transtornos e doenças. Atualmente o projeto conta com 21 alunos, mas número bem maior já passou por ele em cinco anos. Com isso, conseguiu um amplo levantamento da literatura sobre o assunto, capaz de orientar pesquisas e aprofundar estudos em sala de aula.

Silvia Murari também conheceu a realidade do Canadá. Ela esteve num órgão, em Winnipeg, que cuida de todas as crianças canadenses diagnosticadas com TEA. A oportunidade surgiu porque a diretora do órgão é brasileira, que Silvia conheceu na PUC/SP. No Doutorado, a professora da UEL avaliou protocolos das Unidades Básicas de Saúde de Londrina e se aprofundou em uma delas, que registrou maior número de atendimentos de casos de crianças com TEA.

O projeto funciona então como uma complementação da formação dos estudantes, e é aberto não apenas a acadêmicos de Psicologia, mas de Medicina, Enfermagem e qualquer interessado, inclusive alunos de pós-graduação. Nos encontros, discutem características do TEA, etiologia, avaliações, modelos de intervenção, fazem estudos de casos, recebem pesquisadores, convidados, entre outras atividades. Existe ainda uma parceria com uma pesquisadora (ex-aluna da UEL) da Universidade do Missouri, em St. Louis (EUA).

O projeto de ensino já gerou um desdobramento - um projeto de pesquisa, em vigor mas ainda incipiente, para capacitar alunos e, num segundo momento, oferecer serviço de atendimento à comunidade, uma vez que existe uma demanda por atendimento especializado.

SINAIS

A professora explica que o TEA tem sido muito estudado, mas há muito para descobrir. Não se sabe, por exemplo, com exatidão, qual a causa do transtorno. O diagnóstico só pode ser feito por um médico, mas a avaliação é puramente clínica, baseada nos sintomas, por isso é fundamental uma equipe multidisciplinar, com profissionais de Psicologia, Pedagogia, Fonoaudiologia, entre outros. Até porque os sintomas do TEA podem ser indício de outro problema. Os falsos positivos são um dos desafios enfrentados pelos profissionais e familiares.

O que se sabe é que, se os pais, familiares ou professores ficarem atentos aos primeiros sinais, e houver uma intervenção precoce adequada, a crianças responderá melhor, mesmo antes do diagnóstico. Ou seja, mesmo diagnosticada autista, poderá melhorar habilidades como a comunicação, a interação e a sociabilização.

O primeiro sinal, ou marcador, segundo a professora Silvia, pode ser observado aos 6 meses de idade da criança: é o olhar. Se ela apresenta dificuldades em manter o contato visual com os olhos dos pais, é importante dar atenção a isto. Também se espera que a criança balbucie aos 6 meses e, aos 8, que demonstre apego - por exemplo, estenda os braços querendo voltar ao colo onde estava, ou acenar dando "tchau". Aos 12 meses, espera-se que tenha atenção compartilhada - um exemplo é acompanhar, com o olhar, as pessoas que estão falando perto dela.

Também existem mitos em torno do TEA, como o de que o autista necessariamente demonstre alguma super-habilidade, como uma memória prodigiosa.

O Transtorno do Espectro Autista não é encarado por seu grau de severidade, mas pelo comprometimento da funcionalidade da criança. Quando ela apresenta uma estereotipia forte, ou seja, possui um comportamento agressivo, machuca a si mesma, ou segue rígidos "rituais" próprios, logicamente não pode ficar sozinha e a dificuldade de frequentar uma escola é bem maior. O mesmo acontece se ela, desde cedo, demonstra dificuldades de comunicação - e o primeiro sinal pode ser a criança não apontar para as coisas, como o "au au" ou a "mamãe", mostrados para ela.

Por outro lado, a criança autista pode vir a ser um adulto funcional. A UEL, por exemplo, já contabilizou 33 alunos com TEA, sendo o primeiro caso registrado de 2009. Em 2018, eram 6 e, embora os números não estejam fechados, este ano são 7. Destes, 5 já se formaram, cada um num curso diferente. Também um aluno de pós-graduação, que já concluiu.

NÚMEROS

De acordo com a professora Silvia Murari, nos Estados Unidos, há 1 criança autista para cada 59. Para se ter uma ideia do quanto o número vem crescendo, era 1 a cada 2000 nos anos 90. No Brasil, não há um estudo epidemiológico, por isso existe apenas uma estimativa de que haja entre 1 e 2 milhões de autistas.

Esta matéria foi publicada no Jornal Notícia nº 1.402. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  15h44 Inscrições para o Sisu começam terça-feira (21). UEL oferta 586 vagas
  09h40 Curso de extensão ensina elaboração de documentos em Psicologia
  09h13 Laboratório de Línguas tem curso de Inglês exclusivo para crianças
  17h54 Prêmio do CNPq está com inscrições abertas
  16h27 Pesquisadores do CCS estudam mecanismos para amenizar a sede de pacientes
  16h21 Programa Universidade Sem Fronteiras abre chamada para novos projetos
  11h52 Último dia para pré-matrícula de classificados em 1ª convocação
  11h48 Simpósio do CCH destaca os temas gênero e políticas públicas
  16h09 Colação de grau da UEL entrega ao mercado 20 novos profissionais
  10h26 Semana da Difusão da Cultura recebe inscrições
  10h44 Pesquisa une matemática e agronomia no combate à ferrugem asiática
  10h04 Abertas inscrições para 45 cursos de especialização
  10h32 Laboratório de Línguas divulga calendário de inscrições e cursos ofertados
  15h23 Pré-matrícula de convocados no Vestibular é obrigatória
  14h32 Ambulatório de Fisioterapia oferece atendimento gratuito à comunidade
  09h48 Curso Especial Pré-Vestibular registra 91 aprovados na UEL
  17h09 Clima de festa marca divulgação do Vestibular 2020. Alunos do CEPV comemoram
  10h27 Mestrado profissional em Letras seleciona candidatos
  12h17 Sai 1ª convocação do Vestibular e pré-matrícula começa hoje
  09h31 Especialização em Economia Empresarial recebe inscrições até dia 31
D
DESTAQUES ::.

Sorria! Você está sendo cuidado!

Quando se trata de solo, sempre há solução

ARTIGO: Um futuro utópico ou distópico?

Projeto mapeia o cooperativismo no Brasil
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br