Agência UEL de Notícias
    Londrina, Sexta-Feira, 18 de Outubro de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
07/08/2019  

Especialista fala de riscos globais e segurança transnacional

José de Arimathéia

Especialista irlandês fala de riscos globais e segurança transnacional, provida pela iniciativa privada, a fim de chegar onde o Estado não alcança

Relações internacionais existem há séculos, mas o desenvolvimento das tecnologias de comunicação, transportes, e do comércio, trouxe novas preocupações aos atores destas mesmas relações. Para mantê-las e desenvolvê-las, é necessário um mínimo de segurança em todos os sentidos: política, econômica, social, ambiental, entre outras.

Como os Estados não são capazes de garantir a segurança de seus cidadãos em outros países, a iniciativa privada pode preencher esta lacuna, através de consultorias especializadas que avaliam as condições locais e regionais e orientam empresas interessadas em realizar negócios lá.

Este trabalho faz parte da chamada Governança na Segurança, tema do Simpósio realizado de 12 a 14 de junho na UEL, promovido pelo Laboratório de Estudos sobre Governança (LEGS), um grupo de pesquisa vinculado ao Departamento de Ciências Sociais e Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade.

O professor Conor O'Reilly, da Universidade de Leeds (Inglaterra), conferencista de abertura, tem ampla experiência no estudo e acompanhamento da governança da segurança, riscos globais e policiamento transnacional, aquele realizado não pelos Estados, mas pela iniciativa privada em favor de empresas multinacionais. O'Reilly trabalhou em outras universidades europeias, como Durham e Oxford (também na Inglaterra) e no Porto (Portugal), e já disseminou conhecimento por mais de 10 países, incluindo o Brasil, onde já esteve outras vezes.

A História da governança na segurança e da polícia transnacional remonta a séculos atrás, na expansão ultramarina dos países europeus e na colonização de outros continentes. O professor explica que os países colonizados, particularmente na África, conheceram três fases no sistema de policiamento. A primeira foi colonial, fornecido por forças do Império. Na segunda, no final do período colonial e independência dos países (anos 60 e 70 do século XX), o policiamento foi usado contra os movimentos de independência. Na terceira, pós-colonial, o policiamento se voltou para a segurança e defesa dos recursos do país.

Como passou três anos em Portugal, o professor O'Reilly conheceu a fundo as questões de segurança e policiamento transnacional de países lusófonos. Tanto que organizou e lançou um livro sobre o tema. "Havia muito escrito sobre o colonialismo inglês, mas pouco sobre Portugal, que foi também um grande império. Faltavam estudos sobre o período de descolonização e democratização", relata. Ele conta que algumas ex-colônias portuguesas, como Cabo Verde, receberam ajuda de países como Cuba e União Soviética, interessados na expansão do Comunismo. Depois, receberam ajuda de países europeus até chegar a um modelo metropolitano, parecido com o de Portugal. Só então surgiu lá a segurança corporativa (empresarial). No Brasil foi diferente, porque a independência veio um século e meio antes dos países africanos, e ele mesmo foi um Império por seis décadas.

Nos moldes atuais, o policiamento transnacional tenta garantir a segurança de quaisquer pessoas que vão exercer algum trabalho em outros países. Não se trata apenas de prever e evitar possíveis cibercrimes, atentados terroristas e sequestros, mas ter ciência de eventuais pandemias, instabilidade econômica, desastres naturais, limitações logísticas ou legais, entre outros pontos. Naturalmente, o Estado de origem do trabalhador ou investidor não pode fornecer esta segurança, e desta lacuna se abriu um nicho de mercado para consultorias, que cresceu tanto que já se tornou uma "indústria".

Para se ter uma ideia, o professor exemplifica com o México, onde são registrados perto de 100 mil sequestros por ano. "E estes números não são reais, pois ocorre uma grande subnotificação", esclarece. "Quando empresas decidem investir, a informação é essencial para que os investidores conheçam os pontos críticos do país, desde o clima até o transporte", explica.

O trabalho das consultorias especializadas não têm o condão de provocar nenhuma influência sobre o país onde as empresas que as contrataram pretendem investir. Os consultores apenas avaliam e apresentam o contexto local e seu grau de estabilidade aos potenciais investidores e eles tomam as decisões. A influência é limitada: o objetivo é proteger o cliente.

Porém, segundo o professor, o trabalho das consultorias pode causar um aumento na desigualdade de segurança, porque as empresas mais ricas têm condições de investir, enquanto quem não pode pagar fica dependendo apenas do Estado, sabidamente limitado.

Esta matéria foi publicada no Jornal Notícia nº 1.397. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  10h29 Sebec discute sofrimento psíquico da comunidade universitária
  09h48 Prorrogadas inscrições das oficinas do 1º Encontro Integrado
  10h41 Universidade recebe estudantes da universidade alemã de Klobenz-Landau
  08h45 Estudantes elaboram planejamento estratégico para academias
  17h27 Semana de Química e a 7ª Jornada de Pós-graduação
  16h05 UEL participa de lançamento do projeto Paraná Consciente
  15h54 Epea debate educação ambiental e impacto das ações em rede
  15h39 Servidores revitalizam paisagismo em rotatórias e floreiras do Campus
  14h43 Biblioteca Central comemora Semana do Livro a partir de segunda-feira (21)
  13h41 Instrutora do Curso Pré-Vestibular da UEL comenta peso da redação em vestibulares e concursos
  11h14 Último dia de inscrições para Especialização em Ensino de Ciências
  09h10 Simpósio de Gestão e Economia da Construção contabiliza 130 inscritos
  09h03 Pró-reitora de Recursos Humanos promove curso sobre saúde mental
  08h31 O Professor Substituto estreia no Cine Com-Tour /UEL
  14h55 Mostra de Educação Ambiental reúne projetos da UEL e parceiros
  16h47 Vestibular 2020 da UEL começa neste domingo (20) com provas em três cidades
  10h34 Professor fala sobre produção e benefícios da produção de orgânicos
  09h44 EPEA: Especialista alerta sobre impactos ao meio ambiente
  08h58 Simpósio Brasileiro destaca o tema toxicologia Veterinária
  08h41 Mostra Anual Pró-Ensino divulga projetos e programas da UEL
  08h26 HU/UEL reforça Campanha Outubro Rosa com talk show, sexta-feira (18)
  15h38 UEL e Embrapa promovem ação durante 16ª Semana de Ciência e Tecnologia
  15h00 Abertas inscrições da Especialização em Economia Empresarial
  10h08 Projeto Capela Sonora apresenta guitarrista Pedro José, quinta-feira (17)
  10h19 Inscrições: 24ª edição da Semana da Física
  09h38 Campeonato de Xadrez integra programação da 24ª Semana da Física
  08h48 Encontro Integrado tem prazo final para inscrições em oficinas
  15h47 UEL sedia 1º Fórum dos Conselhos Municipais do Meio Ambiente
  15h32 Encontro paranaense de educação ambiental contabiliza cerca de 400 inscritos
  15h02 Instituições de pesquisa do PR discutem incentivos à inovação
  14h10 Semana Nacional do Livro e da Biblioteca tem oficinas e exposição
  10h36 Coro de Ópera Barroca Color Rhetoricus apresenta Actéon
  10h09 18ª Semana da Educação está com inscrições abertas
  09h54 Ciclo de Atualizações em Farmacologia está com inscrições abertas
  09h00 Pórticos doados para UEL vão fomentar ensino e aprendizado
  17h00 Pesquisa analisa solo do Lago Igapó e relação com história de Londrina
D
DESTAQUES ::.

Jornal Notícia - 1.401

Estudo propõe modelo de avaliação de arquivo fotográ

Pesquisa com realidade virtual é premiada em maior e

Pesquisa analisa solo do Lago Igapó e relação com hi
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br