Agência UEL de Notícias
    Londrina, Quarta-Feira, 03 de Junho de 2020 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
07/06/2019  

Professor argentino vem a Londrina falar da Medicina Translacional

José de Arimathéia

"Os governos veem os pesquisadores como 'gastadores'. Os governos têm que mudar sua perspectiva e investir em políticas públicas que valorizem a pesquisa", defende o professor Marcelo Villar, da Universidade Austral

O professor Marcelo José Villar, da Universidade Austral (Argentina), esteve em Londrina para abrir o III Simpósio Internacional de Patologia Experimental, realizado de 22 a 24 de maio. Ele proferiu a palestra de abertura, intitulada "Medicina Translacional - fatos e desafios".

Com 45 anos de carreira docente e pesquisador da área de Neurociências e mecanismos da dor, Villar já foi reitor da Faculdade de Ciências Biomédicas da Universidade Austral, onde atuou também no Hospital Universitário num dos campi. Ele é o tipo de professor que defende que a Universidade não é apenas um lugar de formação profissional para atender o mercado ou a sociedade. Mais que isso, é uma comunidade rica de valores vivos, que forma e transmite valores.

É alinhado a este pensamento que ele aborda a Medicina Translacional. A Ciência Translacional é uma proposta de aproximar, o mais rapidamente possível, o conhecimento obtido nas pesquisas básicas de sua aplicação, ou seja, no caso da Medicina, na prevenção e tratamento de doenças, através da produção de vacinas, medicamentos e uso de técnicas e tecnologia inovadoras.

A Medicina Translacional se esforça em encurtar esta distância valorizando as pesquisas, promovendo a colaboração entre as áreas (Medicina, Química, Física, Engenharia, etc.) e instituições, e democratizando o conhecimento. Neste contexto em que a transferência de conhecimento é necessária e uma ferramenta de disseminação, a tradução é essencial. "Traduzir é beneficiar, até economicamente", anota o pesquisador. É "crucial", nas palavras de Villar, que as publicações sejam disseminadas. "O objetivo da pesquisa é combater doenças. A pesquisa básica é importante mas pode demorar décadas para sua efetiva aplicação prática", explica. Villar destaca Israel nesta iniciativa. Neste cenário, a imprensa também pode ajudar a reduzir a distância entre a Ciência e a sociedade.

Villar expõe outro problema: muitas vezes, a indústria (farmacêutica, por exemplo), pensando nos lucros, não se interessa por uma pesquisa básica. Para o professor, é preciso mudar esta perspectiva, para que as indústrias entendam que as pesquisas são sempre positivas para a sociedade, inclusive economicamente falando.

O que a Medicina Translacional propõe, segundo o professor argentino, é a unificação de ideias. "Dez pesquisadores brasileiros unidos fariam diferença", exemplifica. "Mas não temos isso na América do Sul. Há um certo egoísmo", lamenta. Para o professor, existe uma preocupação de ser o primeiro, sair na frente. Contudo, do ponto de vista da Medicina Translacional, não é preciso ser original ou genial - o ponto forte é a união de saberes. Muito mais importante é o intercâmbio, a troca de experiências, a fim de conhecer outras realidades e instituições. Ele mesmo fez seu Pós-Doutorado em Estocolmo, e esteve em Israel, onde realizou uma série de encontros.

POLÍTICAS PÚBLICAS

E se a indústria muitas vezes não se interessa, o mesmo ocorre com os governos. "Os pesquisadores sofrem com os gestores, que os veem como gastadores. Os governos têm que mudar sua perspectiva e valorizar as pesquisas", defende Villar. A falta de sensibilidade dos governos com frequência passa pela incompreensão do modo de fazer ciência. Para o pesquisador argentino, tanto pesquisadores quanto administradores trabalham com paixão. A questão é conseguir articular e harmonizar as respectivas paixões. "É um grande desafio explicar e convencer", complementa.

Apesar disso, o professor se mostra otimista. Ele disse que nos últimos 10 anos houve avanços, ainda que em poucas áreas, como na pesquisa de alguns cânceres, na cirurgia cardíaca, e particularmente o HIV. "Este é um caso em que foi politicamente decidido investir", observa. De fato, no Brasil tais pesquisas avançaram relativamente rápido e fizeram do Brasil uma referência mundial.

A professora Alessandra Lourenço Cecchini Armani (Departamento de Ciências Patológicas da UEL), que acompanhou o professor durante o evento, endossa as palavras do convidado argentino e acrescenta: "É preciso encarar o assunto. Estamos dando os primeiros passos". Para ela, são produzidas pesquisas básicas excelentes, mas devem avançar para os usos aplicados e estender o benefício à sociedade. É como se os pesquisadores estivessem "confinados". Uma ideia é que os médicos colaborem com sua prática e unam forças com os pesquisadores. Villar vai além: isso pode começar já nas escolas, que podem formar um profissional que dialogue mais e se interesse mais pela pesquisa depois de formado.

Esta matéria foi publicada no Jornal Notícia nº 1.395. Confira a edição completa:




rodapé da notícia

  18h10 A pandemia sob o olhar do historiador: como o presente será contato no futuro?
  16h08 Núcleo de Telemedicina e Telessaúde do HU/UEL expande teleconsultas a pacientes
  13h56 02/06/20 Boletim - Em estado de alerta contra o coronavírus (Rádio UEL FM)
  10h15 Mestrado em Psicologia aborda processo de luto na pandemia de COVID-19
  16h15 Ciclo de Palestras coloca o tema Ciência da Informação em debate
  16h43 CCE retoma campanha para arrecadação de alimentos e beneficia pessoas carentes
  14h04 01/06/20 Boletim - Em estado de alerta contra o coronavírus (Rádio UEL FM)
  15h44 Campanha UEL Solidária inclui livros em cestas doadas às famílias
  17h12 Departamento de Agronomia e parceiros promovem 1º Ciclo de Palestras Agro
  17h09 Professora do CEFE comanda live sobre esporte adaptado e inclusão
  16h29 Alunas da UEL conquistam 2º lugar no Simulado da Corte Interamericana de Direitos Humanos
  13h47 29/05/20 Boletim - Em estado de alerta contra o coronavírus (Rádio UEL FM)
  08h11 Projeto de Ciência da Informação auxilia no preenchimento da Plataforma Lattes
  11h24 Boletins Epidemiológicos são disponibilizados no portal da Universidade
  09h43 UEL FM tem novo colaborador em programa de música francesa
  09h56 Professor da UEL é mediador em live da Sociedade Brasileira da Comunicação
  19h45 Resolução adequa cronograma e estabelece novas convocações do Vestibular da UEL
  13h55 28/05/20 Boletim - Em estado de alerta contra o coronavírus (Rádio UEL FM)
  15h16 Lançadas novas chamadas de projetos de inclusão, pesquisa e extensão
  09h51 Processo seletivo oferta oito vagas para mestrado em Ciências Farmacêuticas
  17h08 Inscrições do Prêmio CAPES de Tese 2020 terminam nesta sexta-feira (29)
  20h44 Disque-Gramática sana dúvidas sobre Português
  15h31 Equipe da Bebê Clínica mantém consultas e orienta pais a distância
  13h43 27/05/20 Boletim - Em estado de alerta contra o coronavírus (Rádio UEL FM)
  12h15 Projeto Safety divulga primeira publicação técnica sobre a COVID-19
  00h48 Boletins Epidemiológicos sobre a COVID19
D
DESTAQUES ::.

Gênero cômico faz parte do ensino de Artes Cênicas

Compostos são alternativas para tratar a Leishmanios

Síndrome associada à Doença de Chagas tem alto índic

Projeto auxilia crianças a superar dificuldades moto
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br