Agência UEL de Notícias
    Londrina, Sábado, 20 de Abril de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
30/01/2019  

Projeto de pesquisa: A família não é mais como antigamente

José de Arimathéia

Prof. Paulo Roberto de Carvalho: "Família implica em sacrifício. Ter ou não ter filhos é uma questão existencial, porque se tornar pai muda toda a sua vida"

Projeto de pesquisa analisa as transformações das principais instituições sociais na contemporaneidade, especialmente a família

A sociedade é dinâmica, está em constante movimento e o avanço tecnológico contribui para transformações nos costumes e práticas sociais e individuais, sobretudo na contemporaneidade. Aparentemente indiscutível, esta realidade é construída, porém naturalizada, como se fosse algo dado e irrevogável.

O projeto de pesquisa "Transformações institucionais contemporâneas", coordenado pelo professor Paulo Roberto de Carvalho (Departamento de Psicologia Social e Institucional), estuda justamente estas transformações, principalmente na família, mas também de olho em outras instituições, como a escola e o Estado.

Teórico, o projeto tem forte enfoque no que o professor chama de "diagnóstico do contemporâneo", mostrando uma preocupação histórica e dando visibilidade a aspectos sociais menos visíveis. O que salta aos olhos, segundo ele, são as transformações aceleradas, bruscas, ocorridas nas relações de poder, muito em função da política (em sentido amplo) e da tecnologia. Mais que isso, as mudanças são "naturalizadas", ou seja, assimiladas pela sociedade que passa a considerá-las tão inevitáveis como o calor no verão ou o tempo seco no inverno.

O que o projeto propõe é que haja uma leitura crítica das novas configurações nas instituições e nas relações de poder. Em artigo intitulado "Família e Biopolítica", publicado no periódico "Psicologia em Estudo"(UEM) em 2017,o coordenador do projeto apontou que os pais foram "desapossados" de seus poderes e outras instâncias ocuparam este espaço de autoridade. A primeira delas é o professor, o mais influente. "O aumento no tempo de escolarização contribuiu para que o professor tenha maior convívio com as crianças", explica Paulo. Outra "nova" autoridade é a literatura especializada em família. "São saberes divulgados em livros, nos meios de comunicação de massa e na Internet", diz o professor Paulo, que são consumidos pelos pais contemporâneos. Uma terceira dimensão é a própria legislação, que determina o que pode ou não ser feito. O Estatuto da Criança e do Adolescente é um exemplo. "Hoje as crianças sabem do ECA e até o usam contra os pais", exemplifica Paulo Roberto. Pior que isso: os pais parecem ter se tornado obsoletos em função da presença das novas figuras de autoridade. E o professor explica psicologicamente: "Freud diz que o afeto acompanha a autoridade".

Diante de tais cenários, os pesquisadores do projeto indagam: onde isso vai parar? A família ganhará outro formato? Paulo acredita que tudo caminha para o crescimento da individualidade, sustentado por discurso de liberdade que na verdade gera um narcisismo exacerbado. "Família implica em sacrifício. Ter ou não ter filhos é uma questão existencial, porque se tornar pai muda toda a sua vida. Mas hoje muitos jovens não querem fazer sacrifício algum, nem responsabilidades", afirma o professor, ressalvando que isso não desqualifica a juventude.

TECNOLOGIA

Nesta equação, os avanços tecnológicos têm seu peso, especialmente impulsionados pela ideologia de consumo. Em outro artigo ("Uma análise do não presencial"), publicado na revista "Psicologia - Teoria e Prática" (Universidade Mackenzie) em 2018, o foco foram justamente as consequências da falta de presença física (o outro lado da mediação tecnológica) nas relações sociais, principalmente familiares.

Paulo aponta: a escola, que tanto influencia as crianças, é presencial, mas já existe a modalidade à distância, que para ele provoca perda real, um "empobrecimento afetivo e social". De acordo com o professor, a presença atua positivamente em múltiplos níveis e nem todos podem ser substituídos pela tecnologia. "A expressão emocional transborda as capacidades de mediação pela tecnologia", argumenta.

A tecnologia igualmente contribui para o processo de naturalização das transformações à medida que parece "facilitar" a vida das pessoas, aparentemente ganhando tempo e aumentando o "saldo" do que se realiza num dia. Mas uma das perguntas é: ganhar tempo para quê? Aqui entra a leitura crítica da realidade.

A alta velocidade do mundo contemporâneo é real, afirma o professor Paulo. Porém, ela tem uma determinação econômica, ou seja, ela existe para que se aumente a produtividade, seja no mercado de trabalho ou até mesmo nos afazeres domésticos. "É o que pode ser chamado de 'temporalidade da produção'", explica.

Entretanto, nem tudo pode e deve correr. O amadurecimento das crianças é um exemplo. "Sei de crianças de 12 anos que têm uma agenda assustadora", ilustra o professor. Além disso, lembra Paulo, esta velocidade não permite a 'escuta' (do outro e de si mesmo). Não se tem mais tempo de elaborar sentimentos, perdas e dificuldades. Ainda assim, o professor observa que existem lugares com diferentes velocidades - cidade do interior ou bairro - que resistem, até certo ponto, à velocidade imposta pela sociedade de massa (que incentiva o consumo de bens rapidamente descartáveis).

PRODUÇÃO

Segundo o professor, grande parte dos estudos do projeto nasce e retorna às atividades em sala de aula, no curso de graduação. Mas o projeto também está vinculado ao Mestrado em Psicologia da UEL (criado em 2017) e conta, assim, tanto com a participação de alunos de Iniciação Científica quanto da pós-graduação, além de vários outros professores. Os resultados são publicados e apresentados em eventos científicos. "Temos muito ainda a fazer neste diagnóstico do presente", sentencia Paulo Roberto de Carvalho.


rodapé da notícia

  17h51 UEL retoma atividades na próxima segunda-feira
  14h46 Museu Histórico terá mostra Múltiplo Leminski durante o feriado
  14h41 Sua conexão é segura?
  10h47 Duo Jacarandá se apresenta no CECA, no próxima quarta
  10h25 Professor da USP faz palestra sobre tecnologia e construção civil
  10h42 Abertas inscrições para prêmio de C&T do Paraná
  14h13 Idioma Sem Fronteiras oferece novas oportunidades
  14h47 Cine Com Tour/UEL exibe romance argentino
  15h17 Quem vê casa, vê coração
  15h39 As religiões estão na pauta
  16h24 Pós-graduação em Sociologia promove palestra sobre Nova Vigilância
  10h47 Projeto mistura reflexão filosófica com música instrumental
  15h55 Feirinha da Cidadania será nesta quinta, no Calçadão
  16h47 EDUEL oferece descontos para compras esta semana
  11h19 Convênio amplia projeto Atletismo Londrina
  20h43 UEL sedia torneio mundial de aviõezinhos de papel
  16h24 Curso de extensão aborda liderança e excelência profissional
  11h11 NEAD comemora 10 anos de atividades no próximo dia 25
  10h42 Curso debate Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação
  10h10 Primeira turma de História realiza encontro em Londrina
  11h14 UEL demonstra potencial acadêmico na Expolondrina
  15h27 OSUEL apresenta Concerto de Páscoa
  13h16 UEL faz balanço positivo da participação na ExpoLondrina
  11h07 Abertas inscrições para Encontro Paranaense de Astronomia
  11h22 Prorh oferece curso de Humanização no atendimento
  11h12 Pró-reitores discutem melhorias para a graduação
  10h32 Especialização realiza encontro de Neurociências, em junho
  11h18 Aberto edital para contratação de professores
  16h56 Convênio entre UEL e Rede Municipal possibilita acesso gratuito a e-books da Eduel
  15h22 SETI e pesquisadores debatem conteúdo da nova Lei de Inovação
  11h26 Combate à dengue é tema de unidade na Via Rural
  09h59 Pesquisa reconhece produção científica da UEL
  09h35 Espetáculo de palhaço é atração na Casa de Cultura
D
DESTAQUES ::.

Sua conexão é segura?

Quem vê casa, vê coração

As religiões estão na pauta

Jornal Notícia - 1392
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br