Agência UEL de Notícias
    Londrina, Sábado, 23 de Março de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
12/12/2018  

Programa estimula aproximação entre cursos

Larissa Piauí

Ricardo Ralisch: o estudante selecionado é preparado com um bom volume de informações sobre a realidade brasileira, a estrutura do curso na Universidade e o fazer da agricultura no país, e lá ele vê onde pode explorar isso.

Pela primeira vez, Londrina sedia fórum que discute experiências de intercâmbios de alunos de graduação do Brasil e França

A UEL participa desde 2003 do Programa Brasil França Agricultura (Brafagri), no intercâmbio de alunos. Trata-se de uma parceria universitária entre os dois países para promoção do intercâmbio de estudantes de graduação, nas áreas de Ciências Agronômicas, Agroalimentares e Veterinária, concedendo bolsas de estudos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e apoio financeiro para operar o projeto de desenvolvimento parcial da graduação no exterior.

Entre 21 e 23 de novembro, Londrina sediou pela primeira vez o Fórum do Programa Brasil França Agricultura (Brafagri), em sua nova edição, financiado pela CAPES. Voltado para a discussão de experiências e resultados do Programa, o evento realizou sessões de debates sobre tecnologia e empreendedorismo, políticas do Brasil e França para uma Agricultura Sustentável, sustentabilidade em sistemas agropecuários e visitas técnicas em diferentes locais de Londrina. O representante da Embaixada da França no Brasil, Olivier Giron, discursou durante a abertura do Fórum.

O Brafagri tem como objetivo fomentar o intercâmbio entre Brasil e França pra estimular a aproximação das estruturas curriculares, inclusive a equivalência e o reconhecimento mútuo de créditos obtidos nas instituições participantes. O ex-coordenador do programa, professor Ricardo Ralisch (Departamento de Agronomia), explica que a intenção é contribuir para a formação acadêmica, científica, linguística e cultural dos estudantes. Também objetiva fomentar o potencial para a promoção de ações conjuntas com as Universidades estrangeiras nas áreas das Ciências Agrárias e fortalecer o desenvolvimento do ensino superior, para garantir excelência acadêmica e promover a internacionalização das universidades paranaenses.

São 25 escolas brasileiras e 23 francesas participantes do Brafagri. Cada projeto tem um tema como foco principal, é aprovado pela CAPES e tem duração de 2 anos, prorrogáveis por mais dois: "No decorrer dos anos, a UEL já enviou mais de 70 alunos para intercâmbio. No entanto, depois de 2015, houve grande redução do número de programas com concessão de bolsas destinadas para intercâmbio e que começou a ser retomado a partir deste ano", explica Ralisch.

Na UEL, o programa está atualmente sob coordenação do professor Valter Harry Bumbieris Júnior (Departamento de Zootecnia), com a participação dos professores Pedro Neves e Ricardo Ralisch, ambos do Departamento de Agronomia, e a professora Ana Paula Bracarense (Departamento de Medicina Veterinária Preventiva). Já na França, a entidade responsável pelo programa é a Direction Générale de l'Enseignement et de la Recherche du Ministère de l'Agriculture et de la Pêche (DGER), envolvendo a Escola Nacional Superior de Agronomia de Toulouse (ENSAT), Estabelecimento Nacional de Ensino Superior Agronômico de Dijon (ENESAD) e SupAgro de Montepellier.

O professor Ralisch explica que o estudante selecionado é preparado com um bom volume de informações sobre a realidade brasileira na educação, a estrutura do curso na Universidade e o fazer da agricultura no país, e lá ele vê onde pode explorar isso. "Assim, é possível realizar o compartilhamento de conhecimento entre as atividades daqui e as que são feitas lá. Essa mesma dinâmica é aplicada aqui, pois os alunos franceses que vêm mostram para os demais como é o sistema lá", ressalta.

POLÍTICAS DE ENSINO

São perceptíveis, conforme Ralisch, as diferenças nas políticas implementadas no ensino superior. "No Brasil nós temos uma estrutura curricular muito rígida. Tudo é feito de modo sequencial e em série, sistema que na França é muito mais flexível. Lá o aluno escolhe a estrutura de currículo que deseja estudar dentro do curso, e assim quando o professor chega para lecionar, estão presentes os alunos realmente interessados naquela atividade e que, por motivo de afinidade e compatibilidade, escolheram aquela disciplina. No entanto, aqui no Brasil a rigidez de currículo é amenizada com a flexibilidade comportamental, sempre buscando a solução dos problemas por meio do diálogo, porque o acesso ao professor aqui é mais fácil", explica o professor.

Ele destaca outra diferença: "Aqui, com o tempo, o aspecto biológico foi ganhando mais campo, e a Engenharia acabou perdendo espaço. Na França continua essencialmente Engenharia, no qual o aluno de Agronomia passa pelo ciclo básico de dois anos de estudos com todas as outras engenharias e depois deste período vai para a área especifica do curso. Com essa diferença, os alunos franceses só percebem que a Agronomia é muito mais ampla com parte social, econômica e de agronegócio, quando chegam no Brasil. Porque, aqui a formação é de maior amplitude, de uma forma mais uníssona", explica.

Também é diferente a visão de produção científica: "Existe uma forma de fazer Ciência pela Ciência e o fazer Ciência pela demanda. Na França a academia constrói a Ciência de maneira mais separada do setor produtivo, não levando em consideração as demandas mais urgentes. No Brasil, as universidades levam muito em conta as necessidades do setor produtivo, com um histórico de trabalharem em conjunto", conta Ralisch.

SELEÇÃO DOS INTERCAMBISTAS

Os alunos interessados em participarem do Brafagri enfrentam um processo criterioso de seleção. O candidato precisa ter cumprido no mínimo 40% e no máximo 80% do currículo do curso, até a data de início da bolsa de estudos; apresentar nota igual ou superior a 600 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), realizados a partir do ano de 2009. No entanto, é proibida a seleção de bolsista que já tenha recebido outra bolsa de estudos no exterior.

Além disso, conforme afirma Ralisch, o retorno ao Brasil deve ocorrer com pelo menos um semestre letivo de antecedência para a conclusão da graduação e assim possibilitar a maior troca de informações e aprendizados adquiridos no período de intercâmbio. Também é necessário comprovar nível mínimo de proficiência em língua francesa - B1 com certificado por testes reconhecidos internacionalmente: DELF ou DALF.

O aluno brasileiro selecionado para a graduação sanduíche, que terá duração de no mínimo quatro meses e no máximo de dez meses, é beneficiado com bolsa concedida pela CAPES, que inclui: auxílio instalação, seguro saúde, adicional localidade (em casos que a cidade é considerada de alto custo, como Paris), auxílio deslocamento e auxílio material didático.


rodapé da notícia

  17h55 Museu Histórico apresenta Mostra audiovisual Múltiplo Leminski
  17h11 Science Hour promove debates científicos em bares de Londrina
  15h36 Segundo dia de colação de grau reúne formandos de dois Centros de Estudos
  15h02 Sistema de fluorescência em Raios X tem patente registrada junto ao INPI
  16h19 Seminário de Inovação debate aproximação entre UEL e setor produtivo
  11h53 Eleição escolhe representantes docentes no Conselho Universitário
  15h20 Colóquio conta com minicursos de professores da Universidade de Coimbra
  09h08 Professor da UEL coordena Seminário sobre piscicultura na Expolondrina 2019
  12h16 Formandos do CESA colam grau em festa no Moringão
  15h32 Dia de Combate ao Racismo reúne comunidade e representantes de movimentos
  13h21 Pacto pela Eliminação do Racismo na UEL marca evento no Campus
  11h44 Simpósio de Atualização em Ciências Agronômicas 2019
  11h12 7ª Semana de Comunicação da UEL em abril
  10h54 Laboratório apóia desenvolvimento de pesquisas ligadas ao setor agropecuário
  10h50 Divisão de Artes Plásticas abre primeira exposição do Arte Londrina
  09h46 Aluno participa em São Paulo de evento ligado à empresa de telefonia
  09h08 Núcleo de Educação a Distância tem curso sobre masculinidades
  17h19 Patente da UEL propõe kit de casa popular mais econômica e sustentável
  16h51 Ingressantes de Medicina incentivam doação de sangue junto à população
  09h48 A Prece entra em cartaz no Cine Com-Tour/UEL
  16h38 Alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo vencem prêmio Movelpar 2019
  14h59 NEAB E CUIA realizam Dia do Combate ao Racismo nesta quinta (21)
  15h02 Projeto amplifica vozes populares
  15h07 Estudo inédito preserva sementes de bromélias
  14h47 Estatística para psicólogos
  13h29 Projeto de Extensão 'UEL, A Casa da Tolerância' entrega dossiê
  15h12 Um café gelado, por favor!
  10h53 Departamento promove Oficina de Horticultura
  15h06 Pesquisa desenvolve gel antibacteriano
  10h32 UEL reforça combate ao racismo e discriminação com ações acadêmicas, dia 21
  09h39 Tecnologia e desenvolvimento sustentável são temas do SIMBBTEC 2019
  11h11 Semana destaca a comunicação na era da desinformação
  08h26 Ações do NEAB fortalecem debate sobre discriminação racial
  08h42 Administração recebe integrantes do projeto Casa da Tolerância
  15h33 Inscrições para professores atuarem nos EUA terminam segunda-feira (25)
  15h15 8ª convocação do Vestibular 2019 sai nesta quarta-feira (20)
  10h55 Inscrições: Programa Sinapse da Inovação Paraná
  10h50 Seminário Paranaense Nietzsche Contra Wagner
  10h31 UEL forma mais de 1.500 profissionais em três dias consecutivos de colação
  10h51 Departamento de Agronomia organiza 1ª Oficina de Horticultura
  15h13 Exposição retrata beleza das mulheres negras de coletivos
  09h37 Seminário discute cenário de inovação em Londrina e região
  09h00 Começa Semana Integrada dos programas de Pós-graduação em Letras
  17h48 UEL é aplicadora do Exame Celpe-Bras para estrangeiros
  16h45 Congresso de Política Social e Serviço Social recebe submissão de trabalhos
  10h22 Abertas até sexta-feira (22) as inscrições do Programa Paraná Fala Inglês
  09h38 Curso Especial Pré-Vestibular seleciona instrutor bolsista
  09h19 Escritório de Aplicação e Assuntos Jurídicos abre triagem de novos casos
D
DESTAQUES ::.

Projeto amplifica vozes populares

Estudo inédito preserva sementes de bromélias

Estatística para psicólogos

Um café gelado, por favor!
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br