Agência UEL de Notícias
    Londrina, Segunda-Feira, 22 de Abril de 2019 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
07/12/2018  

Criminologia contribui para a Justiça Penal

José de Arimathéia

Projeto insere reflexões sobre Criminologia para enriquecer formação e avançar no debate em torno do modelo de administração da Justiça Criminal no Brasil

A exemplo de outras áreas do conhecimento, o Direito tem dialogado com outras Ciências e recorrido a elas quando não dá conta de investigar fenômenos ou promover a melhor administração da Justiça. Foi assim que se desenvolveu, por exemplo, a Criminologia - um conjunto de conhecimentos em torno do crime que dá a devida importância não só ao ato delituoso em si, mas seu agente e a vítima, dentro de um contexto social. Tais conhecimentos, além do Direito, incluem Psicologia, Sociologia, Antropologia, Filosofia e outros.

O professor Pedro Marcondes (Departamento de Direito Público) coordena um projeto de extensão intitulado "Criminologia: reflexões sobre o saber criminológico indispensável à administração da Justiça Criminal em face do modelo de Estado brasileiro". Dirigido tanto a estudantes de Direito quanto profissionais envolvidos com a administração da Justiça Criminal na região de Londrina, o projeto, de um lado, atende a demanda de alunos na formação criminológica; e de outro, desenvolve ações como repassar ao Conselho Tutelar as conclusões obtidas em pesquisas realizadas pelo projeto. Também se reuniu com a presidente da ONG "Vizinhos Solidários" e outros moradores do Jardim Shangri-lá (zona oeste de Londrina) e falou das contribuições dessa política de prevenção da criminalidade, a fim de motivar outros bairros a adotar essa experiência.

AVANÇO GRADUAL

O professor observa que a Criminologia não é prevista em currículo na maioria das escolas de Direito como disciplina. Também não existem pós-graduações específicas na área. O que é lamentável, porque ela oferece uma visão mais global do crime, que não é apenas um fenômeno "ético-jurídico", mas sobretudo social. Marcondes conta que o Estado moderno, de bases racionais, pressupõe uma ação de livre arbítrio ao pensar no ato criminoso. "Até o século XVIII, vigorava a concepção de responsabilidade baseada no livre arbítrio, e a ideia de que a pessoa cometia o crime porque queria e assim merecia ser punida, sem indagar motivos e outros aspectos que pudessem ter contribuído com o fato. A partir do final do século XIX, com o Positivismo Criminológico, buscou-se identificar a causa do delito, negando o livre arbítrio e passando a adotar uma perspectiva determinista", explica o professor.

O italiano Cesare Lombroso, por exemplo, teorizou que o crime era produto de anormalidades, de disfuncionalidades de ordem biológica, a ponto de indicar traços externos que identificassem criminosos. De outro lado, autores defendiam que havia um componente social, como o ambiente. De qualquer maneira, tais teorias fundamentavam o Direito, que adotou, além da pena (privativa de liberdade), a medida de segurança, ou seja, um tratamento obrigatório em instituições médicas. O professor Marcondes afirma, porém, que não funcionou. "Se um doente não quer ser tratado, como ele poderia ser curado?". A noção de "perigoso" foi colocada em xeque. O modelo de Nova Defesa Social defende que a pena é para os sãos, a medida de segurança (tratamento) para os não sãos, e para os perigosos, ambas. Marcondes lembra que o Código Penal de 1969 adotava uma visão criminológica e criou a figura do criminoso habitual e do criminoso "por tendência" (perigosos), para os quais foi prevista uma pena indeterminada, de forma que ao final do cumprimento da pena (mínima) imposta pelo juiz, poderia o condenado cumprir até mais 10 anos de pena privativa de liberdade, se ainda fosse constatada sua "perigosidade". Contudo, o Código nem chegou a entrar em vigor.

Segundo o professor Marcondes, os avanços serviram para mostrar o que evitar. Em sua versão contemporânea, a Criminologia não se preocupa apenas com o crime, mas com o criminoso, muitas vezes tão vulnerável quanto a vítima. Marcondes esclarece: "O crime não acontece por acaso. Nem por livre arbítrio. Às vezes o criminoso nem sabe porque fez o que fez". E mais: "Para os autores de hoje, o livre arbítrio é um ato de fé, não comprovável empiricamente".

Outra vantagem dos estudos da Criminologia é que ela contribui para aprimorar uma visão crítica e científica da criminalidade. E o interesse da Criminologia em investigar o ato criminoso pela análise da personalidade e comportamento do criminoso (e até da vítima), identificando as causas do crime, não significa justificar ou relativizar o delito, que é antissocial. O objetivo, na verdade, é punir o transgressor da forma mais justa, visando uma ressocialização, sempre na perspectiva da complexidade das relações sociais e jurídicas da atualidade. De acordo com o professor, as pesquisas têm evidenciado que o rigor da pena não funciona como fator de inibição ao delito, porque, em regra, o criminoso age sob forte estado emocional. Mas enfatiza que é eficaz contra a criminalidade organizada, em que o infrator age friamente e é alto o risco de ser efetivamente responsabilizado.

Professor Pedro Marcondes: "O crime não acontece por acaso. Às vezes o criminoso nem sabe porque fez o que fez"

PREVENÇÃO

Para a Criminologia, é fundamental atuar na prevenção da criminalidade. O modelo de prevenção proposto contempla três níveis. Primeiramente, é preciso garantir qualidade de vida aos cidadãos. Tendo assegurados todos os seus direitos fundamentais, como saúde, educação e segurança, a vulnerabilidade é reduzida e com ela a necessidade de praticar crimes. Num segundo nível de prevenção, devem atuar as forças policiais, obstaculizando o cometimento de delitos. E num terceiro nível, deve atuar a Justiça, promovendo a ressocialização. É aí que se vê que a Criminologia ainda está mais para "dever ser" do que uma realidade.

Igualmente, a Criminologia se preocupa com a vítima e busca dar contribuições à administração da Justiça criminal para evitar a denominada "criminalização secundária", ou seja, a vítima ser submetida a uma nova vitimização pelos próprios órgãos encarregados da administração da Justiça criminal (Polícia, Ministério Público, Judiciário), ao ter que comparecer a audiências, ser ouvida, submetidas a perícias, etc.

Marcondes afirma ainda: "a Criminologia defende que o Estado deve dar mais atenção às vítimas, como propiciar tratamentos psicológicos para superar traumas emocionais decorrentes de delitos violentos, bem como viabilizar indenização à vítima, a exemplo do que ocorreu com as vítimas da Ditadura Militar. Finalmente, a Criminologia postula que é um equívoco a ideia de que o combate à criminalidade se consegue com um Direito Penal do inimigo, que impõe terror, com penas longas e regime de cumprimento rigoroso". Para ele, penas moderadas, somadas à certeza da punição seriam mais eficientes, cumprindo o princípio do mínimo de sofrimento com o máximo de utilidade.

Além disso, o professor lembra que os conhecimentos de Criminologia também podem e já foram usados para fundamentar injustiças. Foi assim no Nazismo, quando o Estado estabeleceu que certos grupos de pessoas eram "perigosos" para a sociedade. Em outro extremo, existe também a chamada Criminologia Crítica, uma vertente radical que defende a abolição do próprio Direito Penal. Todos estes conteúdos da Criminologia são abordados em sala de aula pelo professor Marcondes, que leciona Direito Penal e participa de debates e outros eventos científicos.


rodapé da notícia

  17h51 UEL retoma atividades na próxima segunda-feira
  14h46 Museu Histórico terá mostra Múltiplo Leminski durante o feriado
  14h41 Sua conexão é segura?
  10h47 Duo Jacarandá se apresenta no CECA, no próxima quarta
  10h25 Professor da USP faz palestra sobre tecnologia e construção civil
  10h42 Abertas inscrições para prêmio de C&T do Paraná
  14h13 Idioma Sem Fronteiras oferece novas oportunidades
  14h47 Cine Com Tour/UEL exibe romance argentino
  15h17 Quem vê casa, vê coração
  15h39 As religiões estão na pauta
  16h24 Pós-graduação em Sociologia promove palestra sobre Nova Vigilância
  10h47 Projeto mistura reflexão filosófica com música instrumental
  15h55 Feirinha da Cidadania será nesta quinta, no Calçadão
  16h47 EDUEL oferece descontos para compras esta semana
  11h19 Convênio amplia projeto Atletismo Londrina
  20h43 UEL sedia torneio mundial de aviõezinhos de papel
  16h24 Curso de extensão aborda liderança e excelência profissional
  11h11 NEAD comemora 10 anos de atividades no próximo dia 25
  10h42 Curso debate Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação
  10h10 Primeira turma de História realiza encontro em Londrina
  11h14 UEL demonstra potencial acadêmico na Expolondrina
  15h27 OSUEL apresenta Concerto de Páscoa
  13h16 UEL faz balanço positivo da participação na ExpoLondrina
  11h07 Abertas inscrições para Encontro Paranaense de Astronomia
  11h22 Prorh oferece curso de Humanização no atendimento
  11h12 Pró-reitores discutem melhorias para a graduação
  10h32 Especialização realiza encontro de Neurociências, em junho
  11h18 Aberto edital para contratação de professores
  16h56 Convênio entre UEL e Rede Municipal possibilita acesso gratuito a e-books da Eduel
  15h22 SETI e pesquisadores debatem conteúdo da nova Lei de Inovação
  11h26 Combate à dengue é tema de unidade na Via Rural
  09h59 Pesquisa reconhece produção científica da UEL
  09h35 Espetáculo de palhaço é atração na Casa de Cultura
D
DESTAQUES ::.

Sua conexão é segura?

Quem vê casa, vê coração

As religiões estão na pauta

Jornal Notícia - 1392
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com o Reitor
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br