Agência UEL de Notícias
    Londrina, Terça-Feira, 12 de Dezembro de 2017 -  Busca   

 · Agência UEL de Notícias  · Jornal Notícia
03/10/2017  

Jornal Notícia 1.367

Agência UEL

        

Originalidade e imitação na criação de livros: a opinião dos clássicos

Pesquisadores monitoram aves e biodiversidade em florestas

Disque-Gramática aumenta canais de atendimento com a comunidade

Residência de Fisioterapia em Uroginecologia e Obstetrícia é a única no Brasil

A Universidade de Londrina

A Universidade da comunidade

Ciência Animal mantém excelência

Estudo analisa atuação do farmacêutico no SUS

Agenda

Fazenda Escola ganha Unidade Experimental de Suínos

HV usa técnica inédita de inseminação em cães

EDUEL

EXPEDIENTE

Originalidade e imitação na criação de livros: a opinião dos clássicos

MARCOS ANTÔNIO LOPES*

Os especialistas se comprazem em demonstrar que, como historiador, Voltaire permaneceu em certo estágio primitivo, já que nem mesmo o seu moderno repertório filosófico-temático-metodológico de trabalho conseguiu livrá-lo de manusear apenas documentos escritos. Para complicar o quadro, ele foi acusado por seu próprio secretário particular de escrever a História Universal com meia dúzia de livros, títulos que carregava em seu embornal nas andanças entre França, Alemanha e Suíça. E alguém já havia se encarregado de lembrar, acerca do Ensaio sobre os costumes, que este trabalho panorâmico apresentava ao leitor quase mil anos de História de todos os povos da Terra, indo dos tempos de Carlos Magno aos dias do próprio autor. Como esse Ensaio sobre a História Geral não fora escrito sobre fontes originais, sendo mera compilação de livros, atraíra para si os rigores da crítica de uma posteridade fundada em outros critérios de exigência. Uma criatura alada e coletora do mel do espírito esse Voltaire historiador, pilhando a seu bel prazer as colmeias de conhecimentos consolidados, pelo simples propósito de levar algo para casa.

Ora, já na Antiguidade, o historiador grego Políbio ressaltara que a História escrita a partir de livros era um gênero menor, bastando para produzi-la que o historiador se estabelecesse em uma cidade na qual existissem boas bibliotecas. Na confortável segurança de um gabinete, apenas se reescreveriam narrativas anteriormente compostas por outros, razão pela qual Políbio preferia a História fundada na experiência a quente dos acontecimentos militares, jactando ser esta arriscada reportagem ao vivo o enredo original que tencionava servir a seus leitores.

De índole bem diversa foi o historiador das ideias Diógenes Laércio, em seu desordenado tricô da antiga sabedoria filosófica. Seu tratado se estende de Tales a Epicuro, enfileirando entre ambos um exército considerável de grandes e pequenos heróis filosóficos. Pelo mal acabado compêndio de História da filosofia, o autor do século iii d.C. há muito recebe os louvores dos serviços prestados por seus numerosos fragmentos de textos e retalhos de ideias desviados das confabulações desagregadoras do tempo. O nada criativo autor das Vidas dos grandes pensadores livrara o mundo da ignorância, o que, ao menos nesse caso isolado, reserva uma faceta inesperadamente virtuosa acerca do valor relativo de textos desprovidos do gênio original pretendido por Políbio e por tantos outros críticos também originais (ou nem tanto!), de ontem e de hoje.

O fenômeno da escassez de originalidade nas artes históricas e em outros gêneros literários seria acentuado por Montaigne, nos inícios dos Tempos Modernos, ao reclamar que os autores de livros de sua época eram meros intérpretes de interpretações, pois escreviam mais livros sobre livros do que acerca dos temas de eleição. Havia um excesso de comentários e citações de obras, e Montaigne sabia que na seara filosófica tomava parte nisso reconhecendo sua "... terra pobre demais para produzir as ricas flores" com que a adornara. Cônscio de ser um reprodutor de ideias feitas, não dava garantias da originalidade de seus escritos e sequer o crédito das citações que fazia, com o fito de frear as ousadias dos críticos apressados, levando-os ilusoriamente a dar petelecos nas ventas de Plutarco, e a insultar Sêneca, pensando que agrediam a ele próprio. Maníaco por livros, preenchera o teto de sua famosa torre com agudas citações de Horácio, Lucrécio, Cícero, Juvenal, Marcial, Plínio, Ovídio e as preciosidades rutilantes de mais uma carreira interminável de outros sábios escribas da antiga repubblicalitteraria.

Assim como Montaigne, o escritor seiscentista Robert Burton não deixou passar em branco a relação abusiva dos modernos com os livros. Em A anatomia da melancolia " provavelmente o livro mais enfartado de citações de toda a História da Literatura Universal ", o bibliotecário da Universidade de Oxford apontou os autores de sua época como verdadeiras aves de rapina, não sem incluir-se na própria crítica como alguém que escrevia movido unicamente pelo prazer de não dar descanso aos tipógrafos. Para ele, os autores de seu tempo filtravam o melhor da inteligência dos predecessores, colhendo as flores de jardins bem cultivados, para semeá-las na própria terra estéril.

Aliás, acerca do tema originalidade da obra de pensamento, um antigo professor de Retórica afirmou que a sombra vale menos do que o corpo que a produziu. Ainda que beirem a excelência, reproduções estarão sempre alguns graus abaixo dos originais. Muito difícil contrastar com bons argumentos essas considerações de Quintiliano. Se é mesmo verdade que a imitação se aproxima apenas com dificuldade daquele valor naturalmente agregado que dignifica tudo o que é autêntico, artefatos originais deveriam ser o objeto de superação de todos os processos que requerem engenho e arte. Porém, não sempre. Uma busca desatinada por originalidade, alertaram os antigos, tenderia a produzir resultados frequentemente próximos da banalidade e até da estupidez. Ora, montanhas elevadas podem parir ratos, segundo uma lição de Esopo. Mais sensato às incansáveis vozes da vanguarda seria então continuar reproduzindo motivos da Ilíada, em vez de mover mundos e fundos para exibir estranhezas a partir de esforços intensos de criatividade irrelevante.

*Marcos Antônio Lopes é professor do Departamento de Ciências Sociais.
Voltar

Pesquisadores monitoram aves e biodiversidade em florestas

PEDRO LIVORATTI

Pesquisadores do Laboratório de Ecologia das Aves, do Centro de Ciências Biológicas da UEL, completam 26 anos de monitoramento de aves em fragmentos florestais do Paraná com resultados que apontam que parques e reservas observadas têm melhorado a biodiversidade. No entanto, em fragmentos de mata a tendência é de redução destas populações.

A partir de dados populacionais das aves os pesquisadores desenvolvem um programa de monitoramento que possibilita medir a degradação da área.

Espécies consideradas frágeis, chamadas de indicadores biológicos, são as primeiras que desaparecem no caso de devastação. A pesquisa integra o projeto Diversidade e Conservação de Aves na Porção Sul da Mata Atlântica, coordenado pelo professor Luiz dos Anjos, e que tem apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) desde 1995.

O estudo é feito em locais bem conhecidos, como o Parque Nacional do Iguaçu, Parque Estadual Mata dos Godoy e Parque Estadual de Vila Velha, mas abrange também áreas menos conhecidas como a Reserva Biológica das Perobas, em Cianorte; Floresta Nacional do Irati, Parque Estadual de Ibiporã e Parque Estadual do Rio Guarani, no município de Três Barras. Ao todo são monitorados 60 fragmentos florestais do Norte do Paraná, 10 áreas de restauração, além das grandes reservas.

O trabalho é envolvente e curioso porque para medir a população de pássaros os pesquisadores buscam identificar as espécies pelo canto, uma vez que é impossível a observação visual em áreas de floresta. Para se ter uma dimensão da complexidade, o estudo considera 350 espécies existentes nos fragmentos em análise, das 700 aves cadastradas no Paraná. O Brasil tem hoje aproximadamente 1.700 espécies.

De acordo com o professor Luiz dos Anjos, o levantamento é realizado em um tempo padrão para identificação das espécies presentes. O local precisa ser sempre o mesmo, devidamente localizado por GPS. No Parque Iguaçu, a observação ocorre sempre entre os meses de outubro e novembro, em uma trilha de cinco quilômetros, no horário entre 4h30 e 9h30.

"Estas são as horas de maior atividade das aves", afirma o professor. O canto é captado, gravado e arquivado como material de coleta. De acordo com Luiz dos Anjos, desde o início da coleta de dados no Parque Iguaçu a população de aves se mantém estável, o que demonstra que a área cumpre sua função de conservação. Os dados apurados no Parque apontam que existem aproximadamente 80 espécies distintas de aves por quilômetro. Segundo o professor, nos 187 mil hectares de área compreendidos pelo Parque devem existir 230 espécies distintas.

Ainda de acordo com o professor, as aves vocalizam mais pela manhã, alterando seus hábitos ao longo do dia, de acordo com a disponibilidade de alimento e necessidade de proteção contra predadores. É preciso ainda compreender particularidades do mundo das aves. Existem espécies que costumam ter maior atividade a partir do nascer do sol, conforme aumenta a temperatura, uma vez que quanto mais calor, maior a movimentação de insetos, o que implica em abundância de alimento. Aves que se alimentam de espécies de pássaros de menor porte têm maior atividade em dias nublados e escuros.

Indicadores biológicos - O ramo da zoologia que estuda as aves (Ornitologia) permite saber quais são as espécies consideradas como indicadores biológicos, ou seja, aves mais sensíveis a perturbações do ambiente. Se houver um incêndio que destrua uma parte do ambiente, por exemplo, estas são as primeiras a desaparecer. Integram esta lista espécies como Macuco, Borralhara, Jandaia e a Gralha Azul, ave símbolo do Paraná.

Nestes mais de 20 anos de estudo, os pesquisadores puderam acompanhar a recuperação ocorrida na Reserva das Perobas, localizada em Cianorte, que tem mais de 9 mil hectares de área e sofreu com a extração de madeira e fogo até 2010, quando foi transformada em reserva. "Creio que em 20 anos poderemos ter uma área tão preservada como o Parque Iguaçu", comenta o professor.

Outra aplicação da Ornitologia está relacionada à medição da melhoria das áreas de restauração. Dentro desta especialidade, o Laboratório de Ornitologia e Bioacústica integra o projeto Mata Atlântica do Norte do Paraná (MANP), juntamente com o Laboratório de Biodiversidade e Restauração Ecossistema (LABRE), também do CCB da UEL, que avalia a recuperação de áreas de florestas. As pesquisas fazem parte do Programa de Estudos de Longa Duração (PELD), patrocinado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O Paraná possui apenas quatro projetos do gênero, entre eles o da UEL, que foca a restauração de áreas de reserva na Mata Atlântica.

Funções definidas - Doutoranda do Laboratório do Programa de Ciências Biológicas da UEL, Larissa Corsini Calsavara, estuda as funções biológicas das aves na floresta de araucária nos municípios de Irati, Telêmaco Borba e Turvo. Pela presença das aves ela consegue avaliar o nível de preservação da área. Segundo ela, o padrão é a Floresta de Irati, considerada preservada.

Os estudos de Larissa levam em conta as funções ecológicas das aves na floresta, fundamentais para a dispersão de sementes e reciclagem de carcaças de animais mortos, por exemplo. "Os pássaros têm uma função definida na natureza, portanto buscamos avaliar até que ponto estas atividades se mantêm ou não", esclarece. A partir desta observação, ela pretende indicar locais com potencial para se tornarem unidades de conservação. "Se tivermos elementos que nos aproximam do padrão, determinada área apresenta este potencial", explica. A pesquisa é patrocinada pela Fundação Grupo Boticário.
Voltar

Disque-Gramática aumenta canais de atendimento com a comunidade


Serviço - O Disque-Gramática fica na Sala 20 do Departamento de Letras Vernáculas e Clássicas, do CCH. Além de sanar dúvidas pelo emeio disque-gramatica@uel.br, a equipe também atende por meio do endereço eletrônico www.facebook.com/DisqueGramaticaUEL/ . O telefone é (43) 3371-4619. 

RAQUEL PIMENTEL*

Ao completar 22 anos, o Disque-Gramática, um dos mais antigos projetos de extensão da UEL, amplia as possibilidades de atendimento junto à população de Londrina e região. Canais como redes sociais e e-mail são cada vez mais usados para sanar dúvidas sobre a estrutura e funcionamento da língua portuguesa. O atendimento via redes sociais só aumenta a proximidade entre a Universidade e a população. São registrados cerca de 100 atendimentos por mês.

Apesar da adoção de novos meios de contato, o atendimento por telefone e presencial, na Sala 20 do Centro de Letras e Ciências Humanas (CLCH), ainda são ofertados. A iniciativa conta com a participação de alunos do curso de Letras-Português, e já acumula mais de 120 estudantes de graduação e pós-graduação que passaram pelo projeto.

O objetivo é tirar dúvidas ligadas à gramática da língua portuguesa, entre elas ortografia, concordância, acentuação, sintaxe, e semântica. Hoje, os atendimentos são realizados por cinco alunos, sob supervisão das professoras do Departamento de Letras Vernáculas e Clássicas, Maria Isabel Borges e Cristina Simon, atual coordenadora do projeto.

Quem busca atendimento tem à disposição serviços que dão suporte para ler, falar e escrever corretamente. É o caso de dúvidas ligadas ao uso da crase, hífen, concordância, pontuação e ortografia, que segundo a equipe do projeto são as principais demandas, além da correção de pequenos textos. De acordo com Cristina Simon, que assumiu o projeto em setembro, "embora o projeto se chame Disque-Gramática, não é só sobre gramática, e também não é só por meio do disque", resume a professora.

Além de atuar como referencial da norma padrão do português brasileiro, o projeto busca esclarecer questões concernentes à formação da língua, bem como incentivar sua compreensão como organismo vivo, e ao mesmo tempo desconstruir o preconceito linguístico. "A gente não só corrige, que é o nosso papel. Mostramos como é a norma padrão, não fugimos desse compromisso. Mas tentamos explicar porque algumas pessoas falam "errado" e abordar questões linguísticas sobre o porquê falamos como falamos, esclarecendo que a língua é viva e no futuro pode mudar", explica a professora Cristina.

O fato é que o Disque-Gramática conquistou ao longo dos anos credibilidade e confiança da comunidade acadêmica e externa. Conquista significativa diante da era digital, em que a facilidade da internet, sempre ao alcance das mãos, sem mencionar a expansão avassaladora das redes sociais, proporciona uma avalanche de fontes de pesquisa nem sempre confiáveis.

É o que justamente defende a professora Cristina Simon, que aposta na credibilidade como um diferencial. "O Disque-Gramática é uma fonte que reúne e que filtra outras fontes. Aqui você encontra professores e alunos focados em questões sobre a língua e a linguagem, isso confere uma credibilidade muito grande. O Google é só uma porta para muitas outras portas, ele pode te conduzir a uma fonte errada", completa.

Trajetória - O projeto começou em 1995, idealizado e criado pelo professor aposentado da Universidade Joaquim Carvalho da Silva, que participou assiduamente até sua aposentadoria em 2015. O professor Joaquim esteve à frente do projeto ativamente durante duas décadas, e inclusive lançou o livro "Gramática" Na prática pode ser diferente", publicado em 2010 pela Editora da UEL.

A publicação reúne dúvidas mais frequentes registradas desde a criação do projeto, além de perguntas selecionadas dentro do programa Fala Brasil, veiculado desde 2006 pela rádio Paiquerê (AM-1110). O programa é transmitido de segunda-feira a sábado, dentro do Jornal da Manhã, que começa às 7h30. São programas com duração máxima de cinco minutos, que abordam temas selecionados a partir de perguntas que chegam ao Disque-Gramática. Entre elas, ortografia e etimologia de palavras que estão "em alta" na mídia ou redes sociais; ou dúvidas ocasionadas pelo Acordo Ortográfico.

Além de livro e programa de rádio, o Disque-Gramática também foi tema de tese, intitulada "Reciprocidades entre formação de professores e extensão universitária: o projeto disque-gramática", defendida em 2010 pela própria professora Cristina Simon no Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem da UEL. Orientada pela professora Regina Maria Gregório, a pesquisa teve como objetivos verificar as reciprocidades entre a formação de professores de língua portuguesa e a extensão universitária presentes no projeto Disque-Gramática.

Experiência - O ex-aluno da UEL, Marcos Nakayama, formado em Letras-Português em 2008, conta que participou do projeto por três anos durante os quatro de graduação. Ele diz que a experiência foi produtiva, e ao mesmo tempo, muito desafiadora. Hoje, Marcos atua no Rio de Janeiro. "A experiência foi muito produtiva, o espaço do projeto era aproveitado entre nós estagiários para discutirmos gramática e trocarmos experiências de atendimento ao público. As dúvidas nos desafiavam porque, geralmente, não se tratavam de classificação gramatical puramente, como aprendemos na escola, mas a aplicação da gramática em situações reais de textualidade", lembra Marcos.

"Uma vez, atendi uma senhora que havia ouvido, no Programa Sílvio Santos, que, no primeiro verso do hino nacional, não ocorria crase em "às margens plácidas". Eu tentei por diversas vezes explicar que a informação estava correta, mas não conseguia falar mais de três palavras sem ser interrompido pela senhora indignada, dizendo que sempre houve essa crase e que em seus livros escolares havia a crase. No fim eu percebi que não seria ouvido, e ela só precisava de alguém para desabafar", conta.

Ele conta ainda que a relação entre os participantes era de proximidade. Ainda segundo Marcos, os professores responsáveis pelo projeto sempre foram abertos ao diálogo. "Participamos de vários congressos juntos para apresentar o projeto. E ainda hoje, após 11 anos, sempre que possível realizamos em Londrina encontro de ex-participantes", conta.

*Estagiária de Jornalismo na COM
Voltar

Residência de Fisioterapia em Uroginecologia e Obstetrícia é a única no Brasil


Eliane Moreira, coordenadora da Residência em Uroginecologia e Obstetrícia: "A ideia surgiu da falta de tratamento fisioterápico para problemas como incontinência, até cuidados com o pós-operatório de mastectomia"

Uma residência em Fisioterapia, oferecida pelo HU e pelo Departamento de Fisioterapia da UEL desde 2012, no Hospital, vem se destacando entre profissionais fisioterapeutas. É a Residência em Uroginecologia e Obstetrícia, a única nessa área em todo o Brasil. O objetivo da residência é formar profissionais fisioterapeutas capacitados para tratar problemas urológicos, ginecológicos e obstétricos. A residência tem duração de dois anos e ingressam dois alunos por ano. Já são oito residentes formados desde o início das atividades.

A professora Eliane Moreira, do Departamento de Fisioterapia e coordenadora da residência, conta como foi a criação do projeto. "A ideia surgiu da falta de tratamento fisioterápico para problemas como incontinência, até cuidados com o pós-operatório de mastectomia. O HU da UEL tinha estrutura do espaço, os equipamentos da área de uroginecologia obstétrica e a demanda para esse tipo de tratamento. Então, em 2010 criamos o projeto", relata.

Durante o primeiro ano, os residentes atendem dentro das unidades de internação, masculina, feminina e maternidade. São realizados atendimentos aos pacientes das clínicas de Urologia e Ginecologia no pré e pós-operatório e o atendimento a gestantes internadas, assim como a assistência fisioterapêutica durante o pré e pós-parto. Durante um mês, os alunos passam pela UTI para acompanhar o atendimento a pacientes críticos. Há também uma carga horária destinada a práticas teóricas em sala de aula.

No segundo e último ano, os residentes vão realizar atendimentos individuais ou em grupos dentro do Ambulatório de Fisioterapia do HU, nas Unidades Básicas de Saúde e no Centro Aquático. Os atendimentos são de homens e mulheres e consistem no tratamento de incontinência urinária, dispareunia, que são dores durante relações sexuais, dores na região pélvica, prolapsos (saída ou queda de um órgão de sua posição normal) genitopélvicos, oncologia mamária, oncologia urológica e preparação da gestante para o parto e pós-parto. Também realizam atividades teóricas, além da execução do trabalho de conclusão de curso.

A carga horária é extensa, com 60 horas semanais, de segunda a sábado e revezamento de plantões aos domingos. São realizados 45 atendimentos por semana e há uma lista de espera de aproximadamente 60 pacientes, pois a residência atende pessoas de todo o Norte do Paraná, inclusive do serviço particular. "Por ser a única residência na área, requer muita dedicação, pois somos referência especializada em Uroginecologia e Obstetrícia", afirma Eliane Moreira.

Fisioterapia - O Programa de Residência em Fisioterapia do HU da UEL foi criado em 1996 e foi o primeiro programa para Residência em Fisioterapia do Brasil.

Com moldes da residência médica e com base na necessidade de ampliação dos conhecimentos em áreas fisioterapêuticas, a residência foi uma evolução acadêmica, científica e social, principalmente para o curso de Fisioterapia da UEL.
Voltar

A Universidade de Londrina

RAQUEL PIMENTEL*

No ano em que comemora 46 anos, a Universidade Estadual de Londrina reúne o comprometimento da gestão colegiada com professores, estudantes e servidores, bem como o apreço pela qualidade do ensino, da pesquisa e da extensão como ideais que têm guiado a instituição desde o dia 7 de outubro de 1971, data de sua fundação, e lhe conferem o atual posto de uma das melhores universidades estaduais do Sul do Brasil e melhor estadual do Paraná.

Mesmo em um cenário de crise, em que o contingenciamento de custos e recursos afeta as instituições de ensino superior nos mais diversos âmbitos, a UEL não se apoia no orçamento reduzido como razão para retroceder em sua trajetória que congrega tantas conquistas. Pelo contrário, tem realizado esforços para gerir seus centros de estudos, pró-reitorias, órgãos suplementares e de apoio da melhor forma possível, de modo a suprir necessidades da comunidade interna e atender demandas sociais.

Um balanço dos últimos anos torna possível constatar como alguns dos reflexos da administração a manutenção e melhorias no espaço físico, captação de recursos em numerosas fontes, ampliação de bolsas e editais tendo em vista a internacionalização, expansão de projetos de pesquisa e de extensão, boas colocações em rankings que classificam instituições de ensino superior, desburocratização nos serviços, treinamento e gestão de servidores e inúmeros avanços para o corpo discente.

ESTRUTURA - A entrega em junho deste ano do Cine Teatro Universitário Ouro Verde reconstruído, pouco mais de cinco anos após ter sido consumido por um incêndio, foi um dos marcos na história recente da UEL. Foram investidos R$ 17,5 milhões em obras e equipamentos, que recuperaram um prédio tombado pelo patrimônio histórico paranaense e nacional, mas que recebeu inovações que o colocam entre os melhores espaços para a manifestação artística do país.

No mesmo mês, o Centro de Ciências Biológicas recebeu oficialmente a Central de Laboratórios de Diagnóstico Ambiental, direcionada a estudos ligados à biodiversidade e conservação de recursos naturais. São 7 laboratórios dentro de 1,5 mil metros quadrados, com um investimento de cerca de R$ 2 milhões, vindos da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e da Unidade Gestora do Fundo Paraná (UGF), da Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI).

Em maio de 2016, foram montadas três novas salas no Laboratório Escola de Pós-Graduação, que receberam cinco sistemas de videoconferência a fim de permitir a transmissão de defesas de dissertações e teses à distância. Os equipamentos que compõem os procedimentos foram adquiridos pela Pró-reitoria de Pós-graduação, com recursos da FINEP, no valor de R$ 190 mil.

A reabertura do Restaurante Universitário, após sua reforma e ampliação, concedeu à comunidade interna 350 novos assentos, distribuídos entre os 2.353 m² de área de ampliação, totalizando uma área de 3.919 m². Foram investidos R$ 8,2 mi, com recursos próprios da Universidade, R$ 6,5 milhões destinados à obras e outros R$ 1,7 mi na aquisição de novos equipamentos, utensílios e mobiliário.

Começaram em agosto deste ano as obras em parte da malha viária do Campus. Ao todo, serão recuperados 25 mil m² de pavimentação. Toda a malha asfáltica recuperada receberá novas pinturas e sinalizações. Foram investidos recursos do Fundo Paraná na ordem de R$ 1,2 milhão. Para avaliar a qualidade da malha, servidores da Prefeitura do Campus e professores do Centro de Tecnologia e Urbanismo farão o acompanhamento da malha pelos próximos três anos.

A UEL ganhou oficialmente, em setembro do ano passado, um novo ônibus com capacidade para 44 passageiros, para viagens de longa distância, atendendo prioritariamente estudantes de graduação em visitas técnicas e demais atividades acadêmicas. O modelo é equipado com ar condicionado, sistema de áudio e vídeo (com três telas em Led de 18 polegadas instaladas na cabine), sanitário e ar condicionado e duas geladeiras. O investimento foi de aproximadamente R$ 500 mil, com recursos próprios da Universidade e adquirido em processo licitatório de 2013.

Além do ônibus, A UEL recebeu em setembro deste ano dois novos veículos que foram repassados pelo Governo do Estado, por meio da SETI, Fundo Paraná. As vans vão atender alunos e professores também no desenvolvimento de atividades acadêmicas.

Motoristas que trafegam pelo Campus podem contar desde novembro de 2016 com mais uma alternativa de acesso, pela Rua Constantino Pialarissi (Cidade Universitária), nas proximidades da Moradia Estudantil. A operação facilita o escoamento de veículos para setores que demandam grande movimento como Reitoria e Pró-reitorias, PCU, além do CTU, Centro de Ciências Agrárias (CCA), e Hospital Veterinário (HV).

A construção do novo prédio da Clínica Odontológica Universitária (COU), que aguarda a instalação de equipamentos e a contratação de pessoal para sua inauguração, representa outra conquista. A área de 4,4 mil metros quadrados, erguida com repasses estaduais e recursos próprios da UEL, permitirá a transferência da infraestrutura de atendimento do centro de Londrina para a nova sede, no Campus Universitário.

SEGURANÇA - Começou a funcionar em fevereiro deste ano a nova Central de Segurança do Campus Universitário, com o objetivo de melhorar a logística do setor, dar mais visibilidade ao trabalho dos Agentes e ampliar a sensação de segurança junto à comunidade interna. A nova estrutura fica em frente à Biblioteca Central, e conta com atendimento 24 horas, proporcionando a estudantes, professores e servidores a possibilidade de um contato pessoal ou por telefone.

Foi instalado também um posto avançado de segurança, próximo ao portão localizado nas proximidades do Jardim Colúmbia. A intervenção tem proporcionado maior tranquilidade à comunidade universitária que diariamente transita nesta região da UEL, visto que possibilita a atuação dos Agentes de Segurança de forma integrada.

Foi concluído em março o calçamento que liga a Avenida Castelo Branco ao Centro de Educação Física e Esporte (CEFE), na divisão leste do Campus Universitário. O calçamento localiza-se nas proximidades da PR 445 e teve custo total de R$ 56 mil. São 375 metros de extensão que melhoraram as condições de acesso à UEL, garantindo maior segurança para pedestres e motoristas.

Entraram em operação no último mês quatro novas motocicletas para aumentar a eficiência no patrulhamento das vias do Campus Universitário. Foram investidos R$ 65 mil, recursos próprios da UEL, para compra, customização das motos e aquisição de equipamentos de proteção individual para os Agentes de Segurança. Além disso, estão sendo instaladas câmeras de segurança nas vias do Campus Universitário e Edifícios das Unidades Acadêmicas e Administrativas. O investimento de R$ 370 mil está previsto para ser concluído em dezembro deste ano.

A Universidade dos alunos

Medidas têm sido tomadas em favor do corpo discente. O crescimento expressivo dos cursos de pós-graduação stricto sensu, a abertura de numerosas bolsas e editais e em consequência a cada vez maior internacionalização da UEL são apenas alguns reflexos do trabalho desenvolvido.

A Universidade também aderiu ao "Pacto Universitário pela Promoção do Respeito à Diversidade, da Cultura da Paz e dos Direitos Humanos", iniciativa dos Ministérios da Educação e da Justiça e Cidadania para a promoção da educação em direitos humanos no ensino superior. O objetivo é superar a violência, o preconceito e a discriminação, além de promover atividades educativas em defesa dos direitos humanos nas IES.

O Núcleo de Apoio Docente e Discente (NADD), programa de formação complementar de acolhimento aos casos de sofrimento em estudantes e professores, já em funcionamento no CCS, tem sido implantado nos demais centros de estudo de modo a atender um grupo maior da comunidade acadêmica.

INTERNACIONALIZAÇÃO - Para o ano de 2017, foram homologadas por meio de edital da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), cerca de 50 bolsas de Pós-doutorado "sanduíche", modalidade em que os estudantes cursam parte do programa na UEL e parte em instituições de ensino no exterior, conveniadas com a Universidade.

Foi lançado em 2016 o Edital Publiq, que oferece apoio financeiro à publicação científica de alunos da Iniciação Científica, visando a projeção do futuro docente pesquisador. Além do Publiq, foi lançado Edital de Auxílio à Pós-graduação Stricto sensu. Ambos são custeados com recursos do Fundo de Amparo ao Ensino, à Pesquisa e à Extensão (FAEPE) da UEL.

Foram oferecidas 30 vagas para o Programa Be a Doc Brazil-Europe Doctoral and Research, promovido pelos grupos Coimbra de Universidades Brasileiras (GCUB) e o Coimbra Group (CG), o qual a UEL integra. A adesão intensifica a mobilidade acadêmica entre as 72 universidades associadas ao GCUB.

A normatização de Ata de Defesa de Dissertação/Tese em Inglês; os novos acordos e realização das primeiras defesas de doutorado em cotutela; a normatização dos procedimentos para defesas de teses e dissertações por meio de videoconferência e outros suportes eletrônicos à distância; a adesão ao Portal Carolina Bori, que facilita o requerimento de validação e reconhecimento de diplomas e título obtidos no exterior são exemplos de outras ações realizadas para a internacionalização.

RESULTADOS - O curso de Moda da UEL é o 5º melhor do país, segundo Ranking Universitário Folha 2017 (RUF), divulgado no último mês. Outros quatro cursos de graduação também foram classificados entre os 10 primeiros do país: Medicina Veterinária, Biomedicina , Biologia e Fisioterapia. O RUF apontou a UEL como 25ª colocada entre as melhores universidades brasileiras, e a 3ª entre as do Estado.

Foram avaliados 31 cursos de graduação da Universidade, sendo que 16 deles estão entre a 11ª a e 20ª colocação entre os melhores do país. A instituição conquistou nota final de 82,86 num máximo de 100, conforme os indicadores Ensino, Pesquisa, Mercado, Inovação e Internacionalização.

Além do RUF, a UEL tem três Programas de Pós-graduação com desempenho equivalente ao alto padrão internacional, segundo avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES): Ensino de Ciências e Educação Matemática, nota 7, máxima na escala e os programas de Patologia Experimental e Ciência Animal, com nota 6.

NOVOS ALUNOS - A 6ª edição da Feira das Profissões: Conhecendo a UEL, trouxe mais de 12 mil estudantes do Ensino Médio de escolas públicas e privadas do Paraná e São Paulo ao Campus.

A ideia da Feira é apresentar aos jovens as 54 opções de cursos de graduação da Universidade, auxiliando os visitantes na escolha da futura profissão.

Em uma época em que muitas instituições têm visto o número de interessados diminuir, a UEL manteve o seu vestibular no patamar de 22.000 inscritos nos três últimos anos. Além destas, a adesão ao Sistema de Seleção Unificada (SISU) gerou, a partir de 2015, aproximadamente 600 vagas nos cursos de graduação.

Outra medida em favor do acesso à Universidade, foi a ampliação do percentual das cotas raciais, bem como de seu tempo avaliação. Em reunião extraordinária do Conselho Universitário, realizada em fevereiro, foi aprovado que a UEL deve manter a reserva de 20% das vagas para estudantes escola pública, 20% para negros de escola pública e, a partir da decisão, de mais 5% para negros e além de 20 anos para a vigência do documento, antes válido por 10 anos.

EXTENSÃO - Entre 2015 e 2017, no primeiro semestre, a Pró-Reitoria de Extensão desenvolveu uma média de 241 projetos e programas, que envolveram, também em média, 867 docentes, 1512 alunos de graduação, 162 alunos de pós-graduação, 163 técnicos administrativos e 243 colaboradores externos. Em relação ao triênio anterior (2011-2014), houve um expressivo aumento no número de projetos (210) e da participação de docentes (783), alunos de pós-graduação (110) e colaboradores externos (166).

Foram realizados 416 eventos e cursos de extensão anualmente (em média) nos últimos três anos, dos quais se destacam a Feira das Profissões, que superou os 11 mil participantes ano passado, e o Quizomba (samba e outros batuques), com mais de 8000 participantes em 2016.

Atualmente os principais financiadores de programas e projetos de extensão são o Ministério da Educação (Programa de Extensão Universitária e CAPES/PIBID); Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia, que financia projetos estratégicos, especialmente o Programa Universidade Sem Fronteiras; Ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, do Trabalho e Emprego (Secretaria Nacional de Economia Solidária), do Esporte (Programa Segundo Tempo), da Justiça (Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas).

*Estagiária de Jornalismo da COM
Voltar

A Universidade da comunidade


Aumento do número de bolsas concedidas para os Programas de Pós-Graduação

RAQUEL PIMENTEL*

Em sua missão, a UEL busca formar cidadãos e profissionais com competência técnica e humanística, orientada por valores éticos de liberdade, igualdade e justiça social " valores que também se aplicam aos outros membros da comunidade universitária: os docentes e servidores técnico-administrativos.

A UEL desenvolveu o Sistema de Gestão de Convênios de transferências voluntárias de recursos, integrando as ações desenvolvidas pelos coordenadores e equipe das Pró-Reitorias Acadêmicas. O sistema permite a visualização do desenvolvimento de Projetos quanto aos Agentes de Financiamento, etapas de desenvolvimento, valores captados e gastos, permitindo a prestação de contas com maior rapidez e segurança.

Da mesma forma, a Universidade tem atuado na defesa do Tempo Integral e Dedicação Exclusiva (TIDE) como regime de trabalho, diferente do entedimento do Tribunal de Contas do Estado (TCE) que o categoriza como gratificação.

Foi desenvolvido um trabalho de ações técnicas que atraíram as unidades de recursos humanos das IES para o problema além dos encaminhamentos políticos e legais junto ao Governo do Estado, TCE e Paraná Previdência, na perspectiva de uma solução rápida e justa em favor dos Servidores Docentes.

Em entrevista, a Reitora da UEL Berenice Quinzani Jordão pontuou outras duas ações da gestão que configuraram conquistas para o corpo de servidores e docentes. "Atuamos de forma decisiva na elaboração da Lei Estadual n° 18131 de 2014, e das tratativas junto à SETI e ALEP, que regulamentaram a carga horária diferenciada da carreira dos Agentes Universitários das Instituições de Ensino Superior que beneficiaram aproximadamente 800 servidores" relembra.

"Além disso, tivemos uma atuação determinante na aprovação da Lei 18387 de 2014, que regulamentou a Gratificação de Plantão ao Docente, na época questionada pelo Tribunal de Contas do Estado, que pediu a suspensão do pagamento da verba 276, referente à Média de Plantões Tributáveis em afastamentos legais, assim como nos acordos junto à SETI e ALEP, que beneficiaram uma média de 260 servidores" completa.

Para além, a UEL tem resistido à tentativa de implementação do sistema de gestão de pessoal do Estado, o Meta 4, para resguardar assim a autonomia de gestão universitária constitucionalmente posta.

DESBUROCRATIZAÇÃO - Para aumentar a agilidade no trâmite dos processos relacionados à gestão de pessoal, várias medidas de desburocratização e simplificação de procedimentos foram implementadas, acelerando os encaminhamentos na realização de Concursos Públicos e Processo Seletivo Simplificado (PSS). Foi realizado também um trabalho de otimização no envio das solicitações de abono permanência e aposentadoria dos servidores. Ampliou-se, ainda, de 2 anos para até 5 anos o prazo de concessão do TIDE vinculado a projetos.

O Portal do Estudante tem se estabelecido como ferramenta de comunicação oficial entre a UEL e estudantes ativos e egressos. A informatização de boa parte dos processos que envolvem documentos acadêmicos, o registro dos programas de disciplinas dos cursos de graduação na pauta eletrônica, foram algumas das medidas de desburocratização e facilidade de acesso à comunidade estudantil.

Destaca-se como mais um dos grandes avanços ao longo dos três anos, a atualização dos já existentes e implementação de novos módulos do sistema de gestão de pessoal, como o Ergon, que tem possibilitado a mais de 120 Servidores o acesso à informações de cada unidade de modo transparente, descentralizado e mais ágil. A utilização do sistema tem possibilitado mudanças significativas nos procedimentos referentes ao fechamento da folha de pagamento, como a antecipação no levantamento dos registros de frequência e o lançamento eletrônico da folha ponto.

Outra novidade foi a implantação do sistema online de férias, possibilitando aos servidores fazer a solicitação das férias em um sistema 100% online, substituindo o formulário em papel. Essas mudanças permitiram uma gestão mais eficiente e participativa.

Foi adotado também um sistema de gestão da folha de pagamento que possibilita o acompanhamento, monitoramento e controle dos gastos mensais com pessoal por rubricas, bem como a implantação de normas reguladoras, a fim de preservar a capacidade orçamentário-financeira anual previamente programada, tendo como princípio a gestão eficiente, transparente e responsável dos gastos públicos.

CAPACITAÇÃO - Visando colocar em prática a política de capacitação da Universidade, têm sido oferecidos uma série de cursos de capacitação em diversas funções técnicas-administrativas e operacionais para servidores e Gestores Administrativos do Campus e HU com expedição média de 3.200 certificados por ano. Destaca-se a parceira da UEL com a Escola de Gestão do Paraná, que possibilitou permanente qualificação do corpo técnico, incentivando o desenvolvimento de competências essenciais para a gestão pública, de modo a prestar serviços de qualidade.

Além disso, foram ofertadas uma média de 50 vagas para cursos de Especialização em Gestão Pública na modalidade EaD com apoio do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da UEL e Universidade Aberta do Brasil (UAB).

Os agentes de segurança da UEL receberam treinamento de 40 horas entre os meses de novembro e dezembro de 2015. Promovida pela Prefeitura do Campus Universitário, a ação teve como objetivo atender exigências legais para a área de segurança da Universidade, e também melhorar a eficiência e qualidade dos serviços prestados.

Não só os Agentes de Segurança, mas também servidores dos setores de pintura, manutenção de rede telefônica e eletricidade bem como os da área da construção civil receberam uma série de treinamentos, palestras, e outras diversas ações orientadoras, de modo a melhor atender a comunidade universitária no desenvolvimento de suas funções.

REMANEJAMENTO - Foi criado em 2015 o Processo Seletivo de Relotação (PSR), que instituiu novas regras para os pedidos de remanejamento, iniciativa que permite, integrado ao Banco de Talentos, a mobilidade funcional de servidores entre as diferentes unidades da UEL. Visto que as relotações configuram importantes procedimentos para a gestão de pessoal, são consideradas necessidades da instituição frente ao quadro de pessoal reduzido, bem como o atendimento à inclinações do funcionários, já que o PSR atua como um instrumento de valorização dos Agentes Técnicos.

APOSENTADORIA - Considerando a projeção de grande número de aposentadorias de Servidores Docentes e Técnicos da UEL, foi criado na Divisão de Recursos Humanos do HU o Setor de Aposentadoria, a fim de proporcionar melhor atendimento e possibilitar maior agilidade no trâmite do processo.

Foi também institucionalizado o Programa de Preparação para a Aposentadoria, em parceria com o Departamento de Enfermagem que nos últimos 3 anos já atendeu mais de 150 professores e servidores técnicos. Vale ressaltar a realização do projeto de Ginástica Laboral em parceria com o Departamento de Ciência Esporte, voltado à promoção da saúde e à profilaxia de lesões relacionadas às atividades laborais que atende atualmente 180 setores da UEL contemplando mais de 1.100 Servidores.

CONCURSO - Nos últimos três anos, foram abertos concursos públicos com a oferta de 235 vagas para o cargo de Agente Universitário em diversas funções, e outras 100 para o cargo de Docente de Ensino Superior. Das vagas para a docência, foram nomeados 14 professores na categoria de titular, um marco para a Universidade que já não recebia contratações nesta modalidade há 27 anos.

Também foram admitidos 106 Agentes Universitários para o Campus e HU, e 86 docentes de diferentes áreas. A Pró-Reitoria de Recursos Humanos continua a exigir do Governo do Estado a nomeação imediata dos candidatos aprovados em concurso de modo a atender as demandas atuais da Universidade, em vista da quantidade de vagas desocupadas.

Recursos para pesquisa

Nos últimos 10 anos, a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação registrou uma captação de R$ 88.718.628,62 de recursos financeiros para pesquisa, considerando fontes externas e internas, o que dá uma média de R$ 8,87 milhões de reais por ano.

Quase a metade destes recursos, ou R$ 39.651.884,84 (44,7%) veio da Fundação Araucária, uma das duas únicas fontes ininterruptas no decênio. A segunda maior fonte é a FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos), empresa pública brasileira de fomento à ciência, tecnolo-gia e inovação em empresas,universidades, institutos tecnológicos e outras instituições. Seus recursos totalizam R$ 20.136.048,92 (22,7%), mas apenas no período 2007-2013. Parte deste volume (R$ 2,14 milhões) veio de convênios com a Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI). Foram recursos destinados a várias finalidades, a maioria ligada à infraestrutura.

Destacam-se ainda os recursos internos, também ininterruptos no período. No total, foram R$ 5.266.262,80, referentes a bolsas de Iniciação Científica (PROPPG/PROIC/PROIT). Em média, foram liberados mais de meio milhão de reais por ano para este fim.

Em sua missão, a UEL busca formar cidadãos e profissionais com competência técnica e humanística, orientada por valores éticos de liberdade, igualdade e justiça social " valores que também se aplicam aos outros membros da comunidade universitária: os docentes e servidores técnico-administrativos.

A UEL desenvolveu o Sistema de Gestão de Convênios de transferências voluntárias de recursos, integrando as ações desenvolvidas pelos coordenadores e equipe das Pró-Reitorias Acadêmicas. O sistema permite a visualização do desenvolvimento de Projetos quanto aos Agentes de Financiamento, etapas de desenvolvimento, valores captados e gastos, permitindo a prestação de contas com maior rapidez e segurança.

Da mesma forma, a Universidade tem atuado na defesa do Tempo Integral e Dedicação Exclusiva (TIDE) como regime de trabalho, diferente do entedimento do Tribunal de Contas do Estado (TCE) que o categoriza como gratificação.

Foi desenvolvido um trabalho de ações técnicas que atraíram as unidades de recursos humanos das IES para o problema além dos encaminhamentos políticos e legais junto ao Governo do Estado, TCE e Paraná Previdência, na perspectiva de uma solução rápida e justa em favor dos Servidores Docentes.

Em entrevista, a Reitora da UEL Berenice Quinzani Jordão pontuou outras duas ações da gestão que configuraram conquistas para o corpo de servidores e docentes. "Atuamos de forma decisiva na elaboração da Lei Estadual n° 18131 de 2014, e das tratativas junto à SETI e ALEP, que regulamentaram a carga horária diferenciada da carreira dos Agentes Universitários das Instituições de Ensino Superior que beneficiaram aproximadamente 800 servidores" relembra.

"Além disso, tivemos uma atuação determinante na aprovação da Lei 18387 de 2014, que regulamentou a Gratificação de Plantão ao Docente, na época questionada pelo Tribunal de Contas do Estado, que pediu a suspensão do pagamento da verba 276, referente à Média de Plantões Tributáveis em afastamentos legais, assim como nos acordos junto à SETI e ALEP, que beneficiaram uma média de 260 servidores" completa.

Para além, a UEL tem resistido à tentativa de implementação do sistema de gestão de pessoal do Estado, o Meta 4, para resguardar assim a autonomia de gestão universitária constitucionalmente posta.

DESBUROCRATIZAÇÃO - Para aumentar a agilidade no trâmite dos processos relacionados à gestão de pessoal, várias medidas de desburocratização e simplificação de procedimentos foram implementadas, acelerando os encaminhamentos na realização de Concursos Públicos e Processo Seletivo Simplificado (PSS). Foi realizado também um trabalho de otimização no envio das solicitações de abono permanência e aposentadoria dos servidores. Ampliou-se, ainda, de 2 anos para até 5 anos o prazo de concessão do TIDE vinculado a projetos.

O Portal do Estudante tem se estabelecido como ferramenta de comunicação oficial entre a UEL e estudantes ativos e egressos. A informatização de boa parte dos processos que envolvem documentos acadêmicos, o registro dos programas de disciplinas dos cursos de graduação na pauta eletrônica, foram algumas das medidas de desburocratização e facilidade de acesso à comunidade estudantil.

Destaca-se como mais um dos grandes avanços ao longo dos três anos, a atualização dos já existentes e implementação de novos módulos do sistema de gestão de pessoal, como o Ergon, que tem possibilitado a mais de 120 Servidores o acesso à informações de cada unidade de modo transparente, descentralizado e mais ágil. A utilização do sistema tem possibilitado mudanças significativas nos procedimentos referentes ao fechamento da folha de pagamento, como a antecipação no levantamento dos registros de frequência e o lançamento eletrônico da folha ponto.

Outra novidade foi a implantação do sistema online de férias, possibilitando aos servidores fazer a solicitação das férias em um sistema 100% online, substituindo o formulário em papel. Essas mudanças permitiram uma gestão mais eficiente e participativa.

Foi adotado também um sistema de gestão da folha de pagamento que possibilita o acompanhamento, monitoramento e controle dos gastos mensais com pessoal por rubricas, bem como a implantação de normas reguladoras, a fim de preservar a capacidade orçamentário-financeira anual previamente programada, tendo como princípio a gestão eficiente, transparente e responsável dos gastos públicos.

CAPACITAÇÃO - Visando colocar em prática a política de capacitação da Universidade, têm sido oferecidos uma série de cursos de capacitação em diversas funções técnicas-administrativas e operacionais para servidores e Gestores Administrativos do Campus e HU com expedição média de 3.200 certificados por ano. Destaca-se a parceira da UEL com a Escola de Gestão do Paraná, que possibilitou permanente qualificação do corpo técnico, incentivando o desenvolvimento de competências essenciais para a gestão pública, de modo a prestar serviços de qualidade.

Além disso, foram ofertadas uma média de 50 vagas para cursos de Especialização em Gestão Pública na modalidade EaD com apoio do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da UEL e Universidade Aberta do Brasil (UAB).

Os agentes de segurança da UEL receberam treinamento de 40 horas entre os meses de novembro e dezembro de 2015. Promovida pela Prefeitura do Campus Universitário, a ação teve como objetivo atender exigências legais para a área de segurança da Universidade, e também melhorar a eficiência e qualidade dos serviços prestados.

Não só os Agentes de Segurança, mas também servidores dos setores de pintura, manutenção de rede telefônica e eletricidade bem como os da área da construção civil receberam uma série de treinamentos, palestras, e outras diversas ações orientadoras, de modo a melhor atender a comunidade universitária no desenvolvimento de suas funções.

REMANEJAMENTO - Foi criado em 2015 o Processo Seletivo de Relotação (PSR), que instituiu novas regras para os pedidos de remanejamento, iniciativa que permite, integrado ao Banco de Talentos, a mobilidade funcional de servidores entre as diferentes unidades da UEL. Visto que as relotações configuram importantes procedimentos para a gestão de pessoal, são consideradas necessidades da instituição frente ao quadro de pessoal reduzido, bem como o atendimento à inclinações do funcionários, já que o PSR atua como um instrumento de valorização dos Agentes Técnicos.

APOSENTADORIA - Considerando a projeção de grande número de aposentadorias de Servidores Docentes e Técnicos da UEL, foi criado na Divisão de Recursos Humanos do HU o Setor de Aposentadoria, a fim de proporcionar melhor atendimento e possibilitar maior agilidade no trâmite do processo.

Foi também institucionalizado o Programa de Preparação para a Aposentadoria, em parceria com o Departamento de Enfermagem que nos últimos 3 anos já atendeu mais de 150 professores e servidores técnicos. Vale ressaltar a realização do projeto de Ginástica Laboral em parceria com o Departamento de Ciência Esporte, voltado à promoção da saúde e à profilaxia de lesões relacionadas às atividades laborais que atende atualmente 180 setores da UEL contemplando mais de 1.100 Servidores.

CONCURSO - Nos últimos três anos, foram abertos concursos públicos com a oferta de 235 vagas para o cargo de Agente Universitário em diversas funções, e outras 100 para o cargo de Docente de Ensino Superior. Das vagas para a docência, foram nomeados 14 professores na categoria de titular, um marco para a Universidade que já não recebia contratações nesta modalidade há 27 anos.

Também foram admitidos 106 Agentes Universitários para o Campus e HU, e 86 docentes de diferentes áreas. A Pró-Reitoria de Recursos Humanos continua a exigir do Governo do Estado a nomeação imediata dos candidatos aprovados em concurso de modo a atender as demandas atuais da Universidade, em vista da quantidade de vagas desocupadas.

Recursos para pesquisa

Nos últimos 10 anos, a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação registrou uma captação de R$ 88.718.628,62 de recursos financeiros para pesquisa, considerando fontes externas e internas, o que dá uma média de R$ 8,87 milhões de reais por ano.

Quase a metade destes recursos, ou R$ 39.651.884,84 (44,7%) veio da Fundação Araucária, uma das duas únicas fontes ininterruptas no decênio. A segunda maior fonte é a FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos), empresa pública brasileira de fomento à ciência, tecnolo-gia e inovação em empresas,universidades, institutos tecnológicos e outras instituições. Seus recursos totalizam R$ 20.136.048,92 (22,7%), mas apenas no período 2007-2013. Parte deste volume (R$ 2,14 milhões) veio de convênios com a Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI). Foram recursos destinados a várias finalidades, a maioria ligada à infraestrutura.

Destacam-se ainda os recursos internos, também ininterruptos no período. No total, foram R$ 5.266.262,80, referentes a bolsas de Iniciação Científica (PROPPG/PROIC/PROIT). Em média, foram liberados mais de meio milhão de reais por ano para este fim.

*Estagiária de Jornalismo da COM
Voltar

Ciência Animal mantém excelência


Professora Ana Paula: "Chegar a um nível de excelência demora e exige muito esforço"

JOSÉ DE ARIMATHÉIA

Professores, alunos e servidores técnico-administrativos ligados ao Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal se reuniram numa comemoração, no dia 28 de setembro, no Centro de Vivência do Centro de Ciências Agrárias. O motivo: a manutenção da nota 6 na avaliação da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), divulgada dias antes. A nota 6 indica desempenho equivalente ao alto padrão internacional e o Programa já havia conquistado este índice na avaliação anterior.

A alegria da manutenção do conceito vem acompanhada do desafio de mantê-la no futuro, de acordo com a professora Ana Paula Bracarense, coordenadora do Programa. Para ela, pesaram bastante as ações de internacionalização, que propiciaram parte da formação fora do país. A professora destaca, por exemplo, a parceria com o Grupo Coimbra, uma rede de universidades europeias abertas a intercâmbios; além dos alunos estrangeiros que vêm para a UEL " atualmente, há alunos da Colômbia, Equador e Paraguai. Expandir a internacionalização e trazer mais professores de fora são algumas das metas indicadas pela coordenadora.

Ainda sobre intercâmbios, a coordenadora lembra os 12 novos doutores que concluíram seu curso ano passado, dentro do Dinter, em parceria com o Instituto Federal de Tecnologia do Maranhão. O Dinter é um programa da CAPES para reduzir as assimetrias regionais.

Para Ana Paula, chegar a um nível de excelência demora e exige muito esforço. O Programa começou em 1992, como Especialização. A integração entre os três departamentos envolvidos - Medicina Veterinária Preventiva, Zootecnia e Clínicas Veterinárias " levou o curso ao amadurecimento e à implantação do Mestrado e Doutorado, que hoje tem duas áreas de concentração: Sanidade Animal e Produção Animal. Na avaliação da coordenadora, o diferencial do Programa está justamente na visão de uma "saúde única para um mundo único", que busca a melhor integração entre seres humanos, animais e meio ambiente. A ideia é produzir de maneira sustentável e com mais qualidade de vida a todos.

Por falar em integração, a professora Ana Paula observa que ela existe também em instâncias fora do ambiente universitário. Exemplo são as ações do Programa voltadas para a educação básica, envolvendo, por exemplo, a divulgação de informações sobre zoonoses, e ainda a participação em programas públicos de saúde, como a prevenção de toxoplasmose.

Outro diferencial apontado pela professora são as obtenções de recursos inéditos para a Universidade através de editais. Exemplo são os R$ 15 milhões liberados em maio do ano passado pela Chamada INCT do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) para uma proposta da cadeia produtiva de leite. O projeto é coordenado pelo professor Amauri Alfieri, que também foi coordenador do Programa de Ciência Animal e é o atual Pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação. A Chamada INCT apoia atividades de pesquisa de alto impacto científico em áreas estratégicas.
Voltar

Estudo analisa atuação do farmacêutico no SUS


Tese da professora Marselle trata da atuação do farmacêutico na UBS, faz uma análise acerca do "Farmacêutico na composição da força de trabalho em saúde na atenção primária do SUS"

BRUNA CORCHELRI*

A tese da professora Marselle de Carvalho (Departamento de Saúde Coletiva), defendida na Universidade de Brasília em maio de 2016, faz uma análise acerca do "Farmacêutico na composição da força de trabalho em saúde na atenção primária do SUS", a partir da caracterização da função desse profissional no setor, e do trabalho na assistência farmacêutica, visando à compreensão da sua atuação nas equipes de unidades básicas de saúde (UBS).

A professora explica como o farmacêutico atua em ramos variados da saúde, desde indústria até comércio e serviços. Segundo ela, 70% dos farmacêuticos estão inseridos no setor privado, por isso a motivação em estudar a atuação desse profissional no setor público. Assim, ela delimitou o objeto da tese ao universo de atuação na atenção primária do SUS, setor púbico caracterizado pela responsabilidade do primeiro contato tanto na cura como na prevenção de agravos dos indivíduos. "Nesse setor o farmacêutico, basicamente, realiza a prevenção e promoção da saúde por meio de consultas e prescrição de medicamentos", diz Marselle.

O estudo da professora foi dividido em duas etapas de pesquisa: uma a partir de dados primários de um inquérito nacional relacionado a serviços e acesso sobre os trabalhadores na gestão da assistência farmacêutica municipal e nas unidades de dispensação de medicamentos, obtidos pela Pesquisa Nacional de Acesso, Utilização e Uso Racional de Medicamentos (Pnaum); e outra pelo uso de dados secundários a partir de grandes bancos de dados online, como Datasus, Rais e Sigras.

"O grande resultado foi identificar que o trabalhador farmacêutico, na atenção primária, tem basicamente duas funções: gestão e assistência. Em mais de 90% dos municípios brasileiros, o farmacêutico ocupa a função de gestor. Esse resultado mostra que políticas de saúde aumentaram o acesso a medicação e colocaram farmacêutico na função de gestão. Entretanto, a área de assistência continua descoberta, em apenas 33,3% dos municípios têm esse farmacêutico na atenção primária. "Há um desequilíbrio na distribuição das funções", aponta Marselle.

Ela ressalta que a participação do farmacêutico na composição da força de trabalho da atenção primária do SUS se expandiu em função do evidente investimento em atividades relacionadas a abastecimento e acesso da população aos medicamentos. "Porém, essas políticas não se mostraram suficientes à ampliação do número de farmacêutico nas unidades de dispensa, cuja função é prestar cuidados diretos aos usuários, o que difere enormemente do exercício de funções técnico-gerenciais do medicamento".

Marselle descreve como os serviços de saúde acoplam uma equipe multifuncional, com presença de médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, assistentes sociais, nutricionistas e farmacêuticos, em que cada profissional tem uma formação especifica, por isso a importância da presença do farmacêutico na assistência, visto que qualquer ato no SUS demanda uso de medicamento. "É necessário o contato direto desse profissional nas unidades básicas de saúde para orientar o uso correto das medicações", ressalta Marselle.

A professora aponta a relevância em ter o profissional nas unidades, numericamente, desde que ele produza serviços de qualidade. "É nesse sentido que estudos de análise da força de trabalho são relevantes para o sistema de saúde, pois observa a relação entre a quantidade de farmacêuticos e a qualificação de seus serviços ofertados nas unidades básicas de saúde", considera.

Ela relaciona ainda a importância da sua tese com sua atuação como docente no Departamento de Saúde Coletiva, do CCS. Desde que entrou na UEL, há dois anos, vinculou-se a um projeto de pesquisa que estuda a força de trabalho em saúde, tema que dialoga com seu objeto de estudo do doutorado. Participou também da elaboração de um capítulo sobre gestão do trabalho em saúde no SUS, do livro "Bases de saúde coletiva", última edição, elaborada pelo DESC, e de orientações em iniciação cientifica do Departamento.

A professora participou também da reativação, recentemente, do Observatório da Força de Trabalho e Gestão em Educação e Saúde do Estado do Paraná. O Observatório tem sede na UEL, onde ela é vice-coordenadora, e compõe a Rede de Observatórios em Recursos Humanos no Brasil.

*Estagiária de Jornalismo da COM-HU
Voltar

Agenda

Direito e Economia
No próximo dia 20, será realizado o VIII Seminário Interinstitucional de Mestrado em Direito UEL-UNIMAR, que vai debater Direito, Economia e Desenvolvimento Econômico, fomentando a pesquisa de temas jurídicos atuais. O evento será no Centro de Estudos Sociais Aplicados (CESA).
A promoção é do Programa de Mestrado em Direto da UEL, em parceria com o Mestrado em Direito da Universidade de Marília (Unimar). Informações pelo telefone (43) 3371-4120 ou pelo site www.uel.br/pos/mestradoemdireito/ .

Movimentos sociais
 Será realizado no Centro de Ciências Humanas, nos meses de novembro e dezembro, o curso de extensão História dos Direitos e dos Movimentos Sociais nos séculos XIX e XX. A iniciativa é do Colegiado de História da UEL. O curso pretende demonstrar a compreensão histórica e a transformação dos diretos humanos e dos movimentos sociais. As inscrições custam R$ 15,00 e podem ser feitas até 31 de outubro, no site http://www.uel.br/eventos/insc/?id=3743.
As atividades serão realizadas na sala 101 do CCH, sempre a partir das 14 horas. A programação será aberta no dia 9 de novembro com a palestra-debate ?O século das Revoluções e as primeiras Declarações de Direitos?, com os professores Rivail Carvalho Rolim e José Miguel Arias Neto. O curso prosseguirá nos dias 16, 23 e 30 de novembro, e encerrará no dia 7 de dezembro.

EAITI
Abertas as inscrições do VII Encontro Anual de Iniciação Tecnológica e Inovação (EAITI), que será realizado nos dias 9 e 10 de novembro deste ano, na UEPG, em Ponta Grossa.
Todos os alunos participantes do Programa de Iniciação Tecnológica e Inovação das Instituições de Ensino Superior do Paraná, bolsistas ou voluntários, são obrigados a apresentar trabalho. O evento tem como objetivo contribuir para a formação de recursos humanos para atividades de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação.
As normas para o resumo, o formulário de inscrição e outras informações estão disponíveis no endereço http://siseve.uepg.br/eaiti2017.

Prova pedestre
Estão abertas as inscrições para a 11ª Prova Pedestre UEL, que será realizada em 26 de novembro, a partir das 8 horas, com percursos de 4 e 8 km, no interior do Campus Universitário. Competidores poderão se inscrever até o dia 18 de novembro, nas categorias juvenil, adulto, pré-veterano e veterano, masculino ou feminino. A competição terá largada e chegada no Centro de Educação Física, em frente ao complexo esportivo João Santana.
Os três primeiros colocados que completarem a prova de 4 e 8 Km (categoria geral) receberão troféus, premiação em dinheiro e brindes. Todos os atletas que completarem as provas terão direito à medalha de participação.
Os atletas inscritos ganham kit composto por número de peito e chip de cronometragem descartável, de uso obrigatório, além da camisa promocional do evento. A 11ª Prova Pedestre é uma realização da UEL, por meio da Pró-reitoria de Extensão (PROEX), organizada pela Olímpicos Sports (OSS), e tem o objetivo de congregar estudantes, professores e servidores com a comunidade externa.
Informações e inscrições pelo endereço https://www.ticketagora.com.br.
Voltar

Fazenda Escola ganha Unidade Experimental de Suínos


Reitora Berenice Jordão visita Unidade Experimental de Suínos da Fazenda Esc



É autorizada a livre circulação dos conteúdos desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,
desde que citada a fonte.

As Sinopses apresentadas têm como referência as edições digitais dos jornais citados disponíveis no dia.


  10h11 Divisão de Música promove curso de violoncelo e contrabaixo
  10h02 Departamento debate situação do ensino de Espanhol no PR
  17h41 Nova estrutura abriga cinco laboratórios de Agronomia posssui-foto
  15h50 Estudante é destaque em Congresso de Microbiologia
  09h25 Aplicativo mapeia flora do Campus da UEL posssui-foto
  14h01 Ex-alunos elegem diretoria da recém-criada Alumni
  13h55 Simpósio debate Tecnologia no Ensino de Línguas
  17h59 Deficientes visuais estreiam programa na UEL FM
  11h59 Processo de Relotação seleciona servidor para Clínica Odontológica
  16h04 Concerto marca entrega do piano de cauda do Ouro Verde posssui-foto
  11h23 Abertas inscrições para Jornada de Extensão do Mercosul
  11h08 Lei incorpora PR à Zona de Integração Zicosur
  14h37 Servidores disputam final de Torneio Suíço
  10h57 Mart`nália apresenta faixa a faixa na UEL FM
  10h26 Ouvidoria do HU participa de Congresso, em Foz do Iguaçu
  10h06 Associação de Reitores se manifesta sobre episódio na UFMG
  17h25 Museu sedia Salão de Arte Fotográfica
  16h47 HU em Canto se apresenta no Campus posssui-foto
  11h15 Comunidade debate Energia renovável e sustentabilidade posssui-foto
  15h07 Reitora representa governo em cerimônia no IFPR posssui-foto
  14h53 Universidades terão curso de Gestão de Mobilidade Urbana
  16h09 Bernardo Pellegrini estreia na UEL FM, na próxima terça
  16h10 Eventos de saúde da UEL estão entre os maiores da cidade posssui-foto
  17h28 HU em Canto se apresenta no Campus, nesta quinta
  17h22 Simone Mazzer mostra novo disco na UEL FM
  17h23 Ciclo debate medicina veterinária alternativa
  11h11 Agronomia terá Laboratório de Fitotecnia/Multiagro
  15h21 NAFI renova matrículas para o próximo ano
  15h19 CCA ganha Núcleo de pesquisa em Saúde Animal
  14h21 UEL promove Simpósio Brasileiro de Orquídeas posssui-foto
  13h55 Autores e obras para o Vestibular 2019 posssui-foto
D
DESTAQUES ::.

Jornal Notícia 1.370

Dinâmicos e em constante transformação

As transformações do marco zero de Londrina

Pesquisa ganha repercussão em revista internacional
B
BUSCA no SITE ::.
C
CANAIS ::.
COMITÊS / COMISSÕES
OUTROS ENDEREÇOS
PORTAIS
PROGRAMAS / PLANOS
SAÚDE
SERVIÇOS
Fale com a Reitora
Holerite
Certificados Declarações
L
LINKS ::.
                             
© Universidade Estadual de Londrina
Coordenadoria de Comunicação Social
Rodovia Celso Garcia Cid | Pr 445 Km 380 | Campus Universitário
Cx. Postal 10.011 | CEP 86.057-970 | Londrina - PR
Fone: (43) 3371-4361/4115/4331  Fax: (43) 3328-4593
e-mail: noticia@uel.br